Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

» “Atire na cabeça!”

» Um reino de farsas e encenações necessárias

» Jogue no Google, senhor ministro

» Religião, violência e loucura

» O consenso pela Educação acabou

» O dia em que o governo perdeu as ruas

» Galeria: Brasil nas ruas

» Um governo tóxico

Rede Social


Edição francesa


» Une obligation morale

» Mais pourquoi cette haine des marchés ?

» Les militants français confrontés à la logique de l'entreprise

» Une machine infernale

» Pour sauver la société !

» Des réformes qui ne sont pas allées assez loin

» Controverses et débats en Allemagne

» Un nouveau maître à penser : l'entreprise

» Le problème de l'épuisement des matières premières peut, aujourd'hui, être envidagé avec un optimisme relatif

» Incontrôlable avant l'an 2000, l'explosion démographique accroit le risque d'une double catastrophe mondiale


Edição em inglês


» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine

» Chile's day of women

» Notre Dame is my neighbour


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


LIVROS / SOCIOLOGIA

A burguesia, essa desconhecida

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O poder da burguesia é o somatório da posse dos meios de produção, de um capital social (relações entre membros da classe), cultural (obras de arte) e simbólico (uma marca de prestígio ou a companhia de alguém de alta reputação)

Alain Bihr - (12/08/2000)

Há já mais de quinze anos que Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot começaram a escrever um livro de sociologia sobre a classe social ao mesmo tempo mais importante (por seu poder) e, paradoxalmente, mais desconhecida: a burguesia. [1] Num pequeno volume que acaba de sair, Sociologie de la bourgeoisie (Sociologia da burguesia), encontraremos uma síntese e uma introdução aos seus trabalhos anteriores. Nessa introdução, Monique Pinçon-Charlot e Michel Pinçon nos lembram que se o poder dessa classe fundamenta-se inicialmente na posse dos meios de produção, o que lhe garante a capacidade de explorar o trabalho alheio e proporciona a seus membros renda e, principalmente, patrimônio fora do comum, ele não se limita apenas a essa dimensão.

A manutenção da coesão social

Parece ser também essencial aquilo que, referindo-se a Pierre Bourdieu, nossos autores chamam de "capital social", que é medido pela extensão e reciprocidade das relações entre os membros da classe. Essa aparente "vida mundana", que é praticada na discrição dos "bairros chiques", clubes privados, recepções em castelos e casarões que servem de segunda residência, uma série de ocasiões em que se tramam alianças matrimoniais como se fossem negócios, é o verdadeiro modo de manutenção de sua coesão social. A esse capital social une-se necessariamente um capital cultural, que não se limita aos diplomas de prestígio, mas inclui coleções de obras de arte ou a frequentação assídua de teatro ou ópera. Tudo culminará com a aquisição de um capital simbólico, a posse de uma marca de prestígio, atestada, por exemplo, pela citação no Bottin Mondain ou pela participação em qualquer cenáculo ou companhia de alta reputação.

Transmissão dinástica do capital

Mas o que caracteriza a burguesia, de acordo com Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot, é que, mais do que qualquer outra classe, ela possui uma alta consciência de seus interesses e manifesta uma intensa mobilização, ao mesmo tempo individual e coletiva, visando a garantir sua realização e, por meio dela, a perpetuação de sua situação dominante. Entre outras práticas, temos como exemplo o cuidado que existe na transmissão do capital acumulado, na pluralidade de suas dimensões. O que leva a gerar dinastias e aproxima a burguesia da antiga aristocracia, com a qual, aliás, ela se fundiu em grande escala ao longo dos dois últimos séculos.

A ideologia meritocrática

Desse ponto de vista, o estudo anterior que os autores consagraram aos "novos patrões" — esses indivíduos que, ilustrando o mito do "self made man", conseguiram nos últimos vinte anos se introduzir nessa classe — é particularmente interessante. [2] Esse estudo poderia trazer como subtítulo: "Da dificuldade de se tornar burguês". Se o sucesso empresarial é uma condição necessária, não é suficiente. Para se integrar à burguesia, ser reconhecido e aceito, não basta fazer fortuna. O "novo patrão" apresenta ainda dois defeitos que é preciso corrigir. Por um lado, paradoxalmente, o de ser ainda apenas um patrão, ou seja, de dever sua posição social unicamente ao seu sucesso econômico, um sucesso baseado no esforço pessoal e em uma relação visível com a exploração do trabalho alheio. Por outro lado, o de ser um "novo" burguês, cuja fortuna ainda não goza da legitimidade que só o tempo, ao longo das gerações, permitirá adquirir. O que encontramos aqui é a necessidade de fundar uma dinastia. Esta é uma exigência para a qual nem todos os "novos patrões" estão prontos, devido ao fato de a ideologia meritocrática — que é tanto mais espontânea quanto mais justifique sua própria trajetória — entrar em contradição com os privilégios de nascimento que a lógica dinástica tende a impor.

Essas obras lembram aos sociólogos a necessidade que existe, para aqueles que afirmam querer compreender o funcionamento da sociedade, de se voltar o olhar para o topo dela.

Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot, Sociologie de la bourgeoisie , ed. La Découverte, Paris, 2000.

Traduzido por Denise Lotito.



[1] Dans les beaux quartiers, ed. Le Seuil, Paris, 1989; La Chasse à courre, ses rites et ses enjeux, ed. Payot, Paris, 1993; Grandes fortunes. Dynasties familiales et formes de richesse en France, Paris, 1996.

[2] Nouveaux patrons, nouvelles dynasties, ed. Calmann-Levy, Paris, 1999.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos