Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


LIVROS / PROGRESSO

Um grande desencanto

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A utopia política do "mundo melhor" apagou-se em silêncio depois de massacres, deportações e campos de concentração. Vanguardas revolucionárias caíram no descrédito e o homem "regenerado", "purificado", não viu o dia senão em detestáveis caricaturas

Henri Madelin - (12/08/2000)

"Não há mais depois", diz a canção. Esse também é o fio condutor que guia o pertinente trabalho de Pierre-André Taguieff em sua nova obra, O apagamento do futuro, que ao final de análises bastante documentadas, torce o beato pescoço dos modernistas. Baudelaire já se insurgia contra o progresso, "esse farol obscuro".

O imperativo modernitário parece ter vingado pelo desmedimento. Não sustentava mais as promessas radicais que enunciava em suas origens, principalmente a da emancipação integral. O autor nota que a utopia política do "mundo melhor" apagou-se em silêncio depois de massacres, deportações e campos de concentração. Vanguardas revolucionárias caíram no descrédito e o homem "regenerado", "purificado", não viu o dia senão em detestáveis caricaturas.

Fracasso no social e no ético

Num excelente capítulo intitulado "O progresso ou a convicção do pior", Taguieff volta à crítica especulativa da idéia de progresso. Esta foi exposta há mais de cento e cinqüenta anos por Cournot, quando se via o futuro com imenso otimismo. Condorcet, antes dele, distinguia valores ligados ao domínio científico da natureza dos valores adequados para conduzir o homem em direção a si mesmo e seus semelhantes. De um lado, a ciência e a indústria, e de outro, a moral ou a ética, eram convidadas a entrar em acordo.

O progresso era o elemento unificador. Hoje aparece dissociado. Ocupou seu lugar no primeiro domínio relevante de um mecanismo cumulativo. Mas iria fracassar, segundo Pierre-André Taguieff, no social e no ético. A julgar pelas experiências do século XX, acrescenta o autor, a era da perfeição moral do homem é cada vez menos esperada. Nem mesmo a idéia de que algo melhor está sempre à frente permanece. Surge um novo gênero de fatalização do tempo: o culto do movimento. A extrema individualização dos sujeitos modernos os leva ao isolamento. O que predomina é a fuga antecipada e o medo dos dias seguintes.

Um "desencanto" acelerado

Nenhum projeto coletivo parece se erguer no horizonte, constata Taguieff. E observa que a tempestade "turbo-capitalista" demanda às elites uma adaptação sempre mais rápida ao passo que, às suas margens, derrama indivíduos e grupos cada vez mais excluídos. A abstenção generalizada parece tomar o lugar do projeto político, sem o entusiasmo de outrora. As contra-utopias substituíram as utopias pós-revolucionárias.

Talvez tenhamos, daqui em diante, que aprender a passar da confiança inocente no futuro a uma responsabilidade compartilhada em relação a ele. Responder por si mesmo e pelos outros para entrar em ação, e talvez encontrar uma forma de felicidade bem dissipada num universo que Pierre-André Taguieff percebe como presa de um "desencanto" acelerado.

Pierre-André Taguieff, L’Effacement de l’avenir , ed. Galilée, Paris, 2000.

Traduzido por Denise Lotito.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos