'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Instituições sob suspeita
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile: as ruas contra os tanques

» Aconteceu em Santiago

» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

Rede Social


Edição francesa


» La presse et les paradoxes de la liberté

» Avec les peuples ou sans eux ?

» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme


Edição em inglês


» The emerging US-China cold war

» Response to Pierre Bourdieu

» Analysing an appearance on the airwaves

» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


FMI / BANCO MUNDIAL

Instituições sob suspeita

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dois fenômenos jogaram uma ducha de água fria na segurança das duas instituições: a constatação do fracasso de suas políticas e as manifestações maciças que passaram a acompanhar cada uma de suas reuniões

Bernard Cassen - (12/09/2000)

Do dia 19 ao dia 28 de setembro, será realizada em Praga a 55ª Assembléia Geral anual dos conselhos executivos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. Durante esse período, grandes manifestações irão ocorrer na República Checa, lembrando aos funcionários daquelas instituições, regiamente pagos [1], que já se passou o tempo em que eles elaboravam, entre quatro paredes, programas de “ajuda” a países sobre os quais ignoravam quase tudo. Um exercício ao alcance de um simples estagiário, já que mais ou menos como no caso de um contrato pré-redigido de aluguel de carro os programas tinham sido elaborados em bloco e arquivados nos discos rígidos dos computadores. Faltava apenas acrescentar o nome do país, alguns dados orçamentários e monetários, os objetivos de reembolso da dívida a serem atingidos e, para o conseguir, a lista das leis sociais a serem “flexibilizadas”, as tarifas alfandegárias a serem diminuídas, as empresas públicas a serem privatizadas, os programas sociais, serviços públicos e subvenções a serem suprimidos, os impostos a serem aumentados, etc.

Estava-se deixando de lado as missões in loco, já que havia muitas — de pesquisa, de negociação, de avaliação — que se resumiam na maior parte das vezes em trajetos em limusine entre a piscina de um hotel cinco estrelas e os escritórios refrigerados do ministro das Finanças local. Este desdobrava-se em gentilezas, dando prova da deferência necessária em relação a personagens cônscios de sua importância, raramente conhecendo o seu idioma — a não ser que fosse o inglês — mas dispondo de um direito de vida e de morte sobre tal ou qual projeto, e até sobre amplos setores da economia. Quanto às rotineiras cerimônias rituais das duas instituições, separadas ou em comum, davam lugar à troca de discursos previsíveis e de comunicados pré-estabelecidos, e às vezes surrealistas: é só lembrar que no segundo semestre de 1997, isto é, quando a crise financeira asiática já causava estragos — e ainda por cima em Hong Kong —, o FMI reafirmava sua fé na liberdade de circulação de capitais para favorecer a "melhor colocação de recursos"! A imprensa econômica e financeira, embalada por coquetéis em que se acotovelava com a fina flor mundial das finanças, identificando-se com essas cretinices liberais, transmitia-as fielmente.

Cresce o protesto

Mas porque falar em termos de passado? A lógica do FMI e do Banco Mundial teriam subitamente mudado? Não, e o Equador, por exemplo, sabe disso (leia, nesta edição, o artigo "O Naufrágio do Equador", de Bernard Cassen). Entretanto, dois fenômenos jogaram uma ducha de água fria na segurança satisfeita que as duas instituições demonstravam. Em primeiro lugar, a constatação do fracasso de suas políticas, que são obrigadas a reconhecer, o que as leva a esboçar atos de contrição, senão de arrependimento. Em seguida, o fato de ter agora os projetores voltados para cada uma de suas missões e reuniões, em virtude de manifestantes mobilizados em grande número.

Ainda em 1998, o secretário-geral da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) teve que receber uma delegação de opositores ao Acordo Multilateral sobre Investimentos (AMI), que se agrupavam no Parque do Castelo de La Muette. Depois veio o fiasco da OMC (Organização Mundial do Comércio), em Seattle, em novembro de 1999; depois milhares de manifestantes em Washington, contra a reunião da Comissão Monetária e Financeira do FMI, em 16 de abril passado; depois, em 31 de maio, em Buenos Aires, 40 mil manifestantes vieram dizer à delegação do FMI recebida no palácio presidencial que ela não era bem-vinda; depois, em julho, a reunião do G8, em Okinawa, teve que ser protegida por 22 mil policiais ...

Reações e mudanças radicais

A cada reunião de cúpula internacional revida, agora, uma contra-cúpula de sindicatos, associações e movimentos de cidadãos vindos de inúmeros países, obrigando seus organizadores a um intenso esforço de relações públicas para tentar, em vão, desqualificar as críticas. Estas mobilizações revelam um grande salto qualitativo na percepção dos mecanismos de funcionamento do sistema liberal globalizado. Não é em Paris ou em Berlim, e sim nas reuniões de cúpula européias — como a que houve em Lisboa, [2] em março de 2000 — que são tomadas as grandes decisões que afetam franceses e alemães. Não é em Brasília, e sim na sede do FMI, em Washington, que se decide a sorte de dezenas de milhões de brasileiros.

Se, nos últimos meses, a OMC foi a grande vedete dos encontros internacionais contra a globalização liberal, ela está prestes a ser "superada" pelas instituições de Bretton Woods. Eis um outro salto qualitativo e uma prova da solidariedade Norte-Sul: enquanto a liberdade de comércio tem conseqüências em todos países, desenvolvidos ou não, o FMI e o Banco Mundial operam essencialmente nos países menos industrializados e são relativamente "invisíveis" para a tríade Estados Unidos-Europa-Japão. Nesses países, o debate público sobre estas instituições financeiras tinha sido confinado a associações de solidariedade com o Terceiro Mundo e a alguns órgãos de imprensa. Mas os tempos mudaram. É agora cada vez mais evidente que existe uma identidade de pontos de vista ideológicos e uma divisão do trabalho combinada — mesmo com conflitos — entre a OCDE, a OMC, o Banco Mundial, o G-8 e a Comissão Européia. Um dispositivo de controle global requer reações também globais e mudanças radicais.

Começa a cizânia

Essas mudanças são ainda mais difíceis de serem aplicadas ao Banco Mundial e ao FMI que à OMC, na medida em que neles o peso do Sul — apesar de ser a principal referência — é praticamente inexistente em virtude do bloqueio norte-americano: o peso não é por um país, e sim pela quantidade de dólares de seu percentual na dívida. Mas, paradoxalmente — e contrariamente à OMC — é de dentro das instituições de Bretton Woods, e de certos círculos dirigentes norte-americanos, que surgem algumas das críticas mais acerbas.

Joseph Stiglitz, por exemplo, ex-chefe dos economistas e vice-presidente do Banco Mundial, obrigado a renunciar pelo Departamento do Tesouro devido às suas análises não convencionais, atacou severamente o FMI por sua gestão catastrófica da crise asiática. Um outro dirigente do Banco Mundial, Ravi Kanbur, também renunciou depois que o seu relatório anual sobre o desenvolvimento (onde afirma que o crescimento não acarreta redução da pobreza e das desigualdades) foi censurado sob pressão norte-americana. A saída destes dois economistas criou um sério mal-estar entre os altos dirigentes do Banco Mundial e do FMI, desacreditando as políticas por eles adotadas.

Reivindicações e princípios

Eles tampouco encontraram consolo no relatório de um grupo de trabalho constituído a pedido do Congresso norte-americano e presidido por Allan Metzer. Publicado em março de 2000, o Relatório Metzer preconiza não somente a reforma do funcionamento do FMI e do Banco Mundial, mas também a restrição drástica de seus compromissos e, conseqüentemente, de seus efetivos. É a ala isolacionista e liberal "pura" (da qual é também adepto Jeffrey Sachs) dos projetos de reforma atualmente em debate e que, paradoxalmente, liga-se a certas críticas daqueles para quem "50 anos, chega". Não se considera possível reformar o FMI. Tanto como a frente constituída contra a OMC, a frente anti-FMI e anti-Banco Mundial não tem ainda um projeto alternativo pronto. Há, entretanto, grande número de reivindicações e princípios comuns.

Os mais cruciais são a exigência de anulação da dívida pública dos países em vias de desenvolvimento [3] e o controle dos movimentos de capitais através de diversos dispositivos dissuasivos, entre eles a taxa Tobin. Liberados dessa preocupação obsessiva, o Banco Mundial e o FMI poderiam dedicar-se a tarefas mais úteis. Para aqueles que não consideram realista a supressão pura e simples das dívidas, seria evidentemente necessário mudar profundamente suas lógicas e seu funcionamento: transparência das decisões, poder político outorgado coletivamente à Comissão Monetária e Financeira do FMI (24 membros), independentemente do montante das percentagens (o que daria um fim à pesada tutela norte-americana), obrigação de submeter os programas aos Parlamentos dos países "beneficiários" [4] e de executar previamente estudos de impacto ambiental, social e cultural, realizados por organismos independentes, avaliação exterior destes programas, depois de executados, criação de um mecanismo de recurso para as populações afetadas pelos programas de ajuste estrutural [5] etc.

Traduzido por Angela Mendes de Almeida.



[1] O próprio James D. Wolfensohn, presidente do Banco Mundial, explica o conformismo de seus subordinados:"No Banco, há 140 nacionalidades, gente que gosta de trabalhar aqui, que tem uma bela vida, que mora na Virgínia, com seus filhos na escola americana... Muitos não querem assumir o risco de perder seu emprego, e portanto seu visto norte-americano de permanência, e ter que voltar aos seus países de origem." (Libération, 10/07/2000).

[2] Ler, de Bernard Cassen, "Nasce a Europa SA", Le Monde Diplomatique, junho de 2000.

[3] Ler, de Eric Toussaint, "Briser la spirale infernale de la dette", Le Monde Diplomatique, setembro de 1999.

[4] Esta reivindicação é retomada no relatório de Béatrice Marre, deputada pela região de Oise e no do Alto Conselho para a Cooperação Internacional, criado por Lionel Jospin (www.hcci.gouv.fr).

[5] É o tema da campanha francesa pela reforma das instituições financeiras internacionais, encaminhada por AGIR, com o apoio de cerca de quarenta associações, entre elas o Attac. Site: www.globenet.org/ifi. Ler também Guide citoyen du Fonds monétaire international, publicado por Amis de la Terre.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos