Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O mundo à beira da grande crise alimentar

» O que o Brasil pode perder sem a Eletrobras

» A distopia trabalhista da Amazon

» Cinema: A arte de observar a poesia das miudezas

» 18 de maio de 2022

» Os deadbots e os limites éticos da tecnologia

» Por outra Política de Ciência, Tecnologia e Inovação

» A Nave dos Loucos e os espaços da (des)razão

» WikiFavelas: O racismo religioso de cada dia

» 17 de maio de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire

» Regard sur Sarajevo

» Les progrès du libéralisme économique à Sri-Lanka

» Le marché du blé pourra-t-il être codifié par un nouvel accord international ?

» Le président Marcos allié gênant et retors des États-Unis

» Front de gauche, ou la fin d'une malédiction

» Le défi indien et le colonialisme blanc


Edição em inglês


» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'

» The urgent need to preserve Lebanon's past

» French troops forced to withdraw from Mali


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


GUERRA DA ARGÉLIA

Uma precaução contra o ódio

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Os 121 intelectuais não eram traidores, pelo contrário. Significavam o melhor da França. Nós sabíamos disso e foi por isso que nos emocionamos. Aqueles homens e aquelas mulheres levantavam suas vozes contra algo que julgavam abominável

Ahmed Ben Bella - (12/09/2000)

O manifesto dos 121 repercutiu como um raio entre nós, dirigentes da revolução argelina, assim como entre muitos argelinos. Aquela tomada de posição nos precaveu, deve-se reconhecê-lo, contra sentimentos baixos, contra o ódio. A luta de libertação foi terrível. Nós fomos esmagados, feridos pela colonização. O manifesto serviu para nos lembrar que o povo francês não podia resumir-se àquela guerra que nos castigava. Existiam franceses que estavam do nosso lado, em condições terríveis. O povo francês também era um grande povo, com uma história rica e o gênio que lhe é singular. Não estávamos mais sós.

Não eram traidores, pelo contrário. Significavam o melhor da França. Nós sabíamos disso e foi por isso que nos emocionamos. Aqueles homens e aquelas mulheres levantavam suas vozes contra algo que julgavam abominável.

É preciso lembrar que, na época, havia certos bloqueios. A marcha para a independência não era fácil. E a evolução da guerra não se dava de forma contínua. Foi um parto com fórceps. Muito difícil. Houve períodos muitos duros, com paradas bruscas, alguns passos em frente. Mas esse movimento do outono de 1960 mostrou que estava acontecendo alguma coisa na França.

O manifesto foi uma etapa marcante no fim do colonialismo. Aqueles 121 intelectuais, assim como os nossos advogados e os "carregadores de bagagem" [1] tornaram-se mais que amigos nossos, tornaram-se parte da nossa carne. Expressavam essa escalada de consciência, esse ponto ômega de que falava Pierre Teilhard de Chardin, [2] onde o ser humano atinge seu mais alto grau de espiritualidade. Nós os admirávamos, os amávamos, sabíamos como era difícil para eles. E eles confirmaram que o ser humano está presente em toda a parte e que não se deve desesperar.

Nessa época, eu estava preso. Mas também conheci a solidariedade. Lembro-me que nos transferiram para uma prisão perto de Saumur. A Organização do Exército Secreto (OAS) tinha planos de nos liquidar em nossas celas. E nós sabíamos disso. Não posso dizer o que os nossos advogados fizeram, isso continua segredo. Mas posso dizer que nos preparamos para fugir, escapando dessa tentativa de homicídio. O que acabou não sendo necessário.

Sempre me lembro dos "carregadores", dos advogados, com muita emoção. Eram os melhores dos franceses, os melhores dos argelinos.

Traduzido por Jô Amado.



[1] Os ativistas franceses que participavam da "rede Jeanson" — que protegia e ajudava os revolucionários argelinos — foram apelidados, de forma pejorativa, "carregadores de bagagem" da FLN.

[2] Teilhard de Chardin (1881-1955), jesuíta, teólogo e paleontólogo, tentou adaptar o catolicismo à ciência moderna.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos