Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Hobsbawm (1917-2012), un itinéraire dans le siècle

» L'Afrique, cobaye de Big Pharma

» Dépeçage des libertés publiques

» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


GUERRA DA ARGÉLIA

Cronologia: 7 anos de guerra

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(12/09/2000)

1954 1º de novembro: Por iniciativa da Frente de Libertação Nacional (FLN), começa a insurreição na Argélia.

1956 6 de fevereiro: Recebido, em Argel, com uma chuva de tomates, o presidente do Conselho de Ministros Guy Mollet, empossado após a vitória da esquerda nas eleições de 2 de fevereiro, cede aos "ultras". [1] No dia 12 de março, a Assembléia Nacional concede-lhe poderes especiais. Até o final do ano, já há quase meio milhão de soldados franceses na Argélia.

1957 Janeiro-outubro: Período da Batalha de Argel, durante o qual o exército francês generaliza a prática de tortura.

1958 13 de maio: O exército toma o poder na Argélia e cria o Comitê de Salvação Pública.

12 de junho: Com o trunfo da ameaça de um golpe de Estado militar em Argel, o general De Gaulle toma posse como presidente do Conselho. Com sua vitória no plebiscito de setembro, e em seguida nas eleições legislativas de novembro, De Gaulle torna-se o primeiro presidente da V República e propõe uma "paz dos bravos" aos combatentes da insurreição argelina.

1959 16 de setembro: De Gaulle reconhece o direito à autodeterminação dos argelinos.

1960 24-31 de janeiro: A chamada "semana das barricadas" em Argel.

1961 8 de janeiro: Plebiscito sobre a autodeterminação da Argélia. Os "ultras" reagem, criando a Organização do Exército Secreto (OAS, em francês).

21-22 de abril: Tentativa de golpe de Estado pelos "generais desleais" na Argélia.

17 de outubro: A repressão policial a uma manifestação pacífica de argelinos, em Paris, provoca várias dezenas de mortos.

1962 8 de fevereiro: Nas proximidades da estação de metrô Charonne, em Paris, forças policiais investem contra uma manifestação anti-OAS, matando nove franceses. O enterro das vítimas, no dia 13, contou com meio milhão de manifestantes.

18 de março: Assinatura dos acordos de Evian e, no dia seguinte, o cessar-fogo. A independência da Argélia será ratificada por plebiscito — no dia 8 de abril, na França, e no dia 1º de julho na Argélia. No dia 5 de julho, a guerra é coisa do passado



[1] Militares de extrema-direita.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos