Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

» “Atire na cabeça!”

» Um reino de farsas e encenações necessárias

» Jogue no Google, senhor ministro

» Religião, violência e loucura

» O consenso pela Educação acabou

» O dia em que o governo perdeu as ruas

» Galeria: Brasil nas ruas

» Um governo tóxico

Rede Social


Edição francesa


» Naissance de l'Europe SA

» André Malraux : « la culture européenne n'existe pas »

» Face au journalisme de marché, encourager la dissidence

» Une obligation morale

» Mais pourquoi cette haine des marchés ?

» Les militants français confrontés à la logique de l'entreprise

» Une machine infernale

» Pour sauver la société !

» Des réformes qui ne sont pas allées assez loin

» Controverses et débats en Allemagne


Edição em inglês


» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine

» Chile's day of women

» Notre Dame is my neighbour


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


NEOLIBERALISMO

A necessidade da utopia

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Cada cidadão sente a necessidade urgente — como uma barreira contra a ressaca neoliberal — de um contra-projeto global, uma contra-ideologia, um edifício conceitual que se possa contrapor ao modelo atualmente dominante

Ignacio Ramonet - (12/10/2000)

Um cartaz enfeitou, em janeiro de 1998, as paredes de vários aeroportos europeus: numa paródia às imagens da Revolução Cultural chinesa, mostrava uma fila de pessoas, avançando à frente de uma manifestação, rostos radiosos, empunhando estandartes coloridos, agitados pelo vento, e gritando: "Capitalistas de todos os países, uni-vos!" Para a Forbes, revista dos bilionários norte-americanos, essa foi uma maneira debochada de comemorar os cento e cinqüenta anos de lançamento do Manifesto do Partido Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels.

Foi também uma maneira de afirmar, sem medo de ser desmentido (os cartazes não estavam rasgados nem pichados), duas coisas: o comunismo já não mete medo; e o capitalismo passou à ofensiva.

A nova arrogância do capital

Num ano em que se comemoravam não apenas o aniversário desse célebre Manifesto, escrito por dois jovens (Marx tinha 30 anos e Engels, 28!), mas também o da revolução de 1848 (que impôs o sufrágio universal masculino e a abolição da escravatura) e o da revolta de maio de 1968, que reflexões poderia inspirar essa nova arrogância do capital?

Ela começou com a queda do muro de Berlim e o desaparecimento da União Soviética, num contexto de estupor político em que se manifestava o desejo de uma ilusão perdida. As súbitas revelações de todas as conseqüências, no Leste europeu, de décadas de estatização perturbaram os espíritos. Um sistema sem liberdade e sem economia de mercado surgiu em seu absurdo trágico, com seu corolário de injustiças. O pensamento socialista de certa forma sucumbiu, assim como o paradigma do progresso enquanto ideologia que pretende um planejamento absoluto do futuro.

A utopia do pensamento único

À esquerda, aparecem quatro novas convicções que poderiam solapar a esperança de transformar radicalmente a sociedade: nenhum país se pode desenvolver seriamente sem uma economia de mercado; a estatização sistemática dos meios de produção e de comércio acarreta desperdício e penúria; a austeridade a serviço da igualdade não constitui, em si própria, um programa de governo; a liberdade de pensamento e expressão pressupõe, como condição necessária, uma certa liberdade econômica.

O fracasso do comunismo e a implosão do socialismo também arrastaram, por tabela, o desmantelamento ideológico da direita tradicional (que tinha por único suporte doutrinário o anticomunismo) e consagraram como único vencedor do confronto Leste-Oeste o neoliberalismo. Com sua dinâmica freada desde o início do século, este vê desaparecerem seus principais adversários e passa a exibir-se, em escala planetária, com energia decuplicada. Sonha impor a sua concepção do mundo, a sua própria utopia, enquanto pensamento único, a toda a Terra.

A negação do Estado e da cidadania

Essa tarefa de conquista chama-se globalização, e resulta da interdependência, cada vez maior, das economias de todos os países, através da liberdade absoluta de circulação dos capitais, da supressão das barreiras alfandegárias e de regulamentações, e pela intensificação do comércio e do livre mercado, incentivados pelo Banco Mundial (Bird), pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), pela Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE) e pela Organização Mundial do Comércio (OMC).

Estabelece-se uma desconexão entre a economia financeira e a economia real. Enquanto as transações financeiras diárias representam 1,5 trilhão de dólares em escala mundial, apenas 1% desse montante é dirigido à criação de novas riquezas. O resto é de natureza especulativa.

Esse impulso do neoliberalismo se faz acompanhar, mesmo nos países mais desenvolvidos, por uma significativa redução dos atores públicos, a começar pelos parlamentos, assim como por uma devastação do meio ambiente, por uma explosão de desigualdades e pelo retorno maciço à pobreza e ao desemprego. O que representa a negação do Estado moderno e da cidadania.

Colocando o planeta em rede

Também assistimos a uma desconexão radical entre, por um lado, a evolução das novas tecnologias e, por outro, a noção de progresso da sociedade. O avanço da biologia molecular, que data do início da década de 60, associado à potência de matemática que agora permite a informática, mandou para o espaço a estabilidade geral do sistema técnico. Seu controle pelo poder público é cada vez mais difícil. Resultado: os dirigentes políticos se confessam incapazes de medir a ameaça que significa uma tal aceleração das tecnociências. [1] Também aí, eles passam à dependência de especialistas que dirigem, por caminhos obscuros, as decisões governamentais.

A revolução informática explodiu a sociedade contemporânea; transtornou a circulação de mercadorias e proporcionou a expansão da economia eletrônica e a globalização. Esta ainda não abalou todos os países do mundo a ponto de transformá-los numa única sociedade, mas tenta convertê-los num modelo único econômico, colocando o planeta em rede. Cria um tipo de vínculo social-liberal totalmente constituído por redes, separando a humanidade em indivíduos isolados um do outro num universo hipertecnológico.

O mundo parece opaco

Conseqüência: as desigualdades se aprofundam. Existem mais de 60 milhões de pobres nos Estados Unidos, o país mais rico do mundo. Mais de 50 milhões de pobres na União Européia, principal potência comercial. Nos Estados Unidos, 1% da população detém 39% da riqueza do país. E, em escala planetária, a fortuna dos 358 indivíduos mais ricos, bilionários em dólar, é superior à renda anual dos 45% mais pobres, ou seja, 2,6 bilhões de pessoas...

A lógica da competitividade foi elevada ao nível de imperativo natural da sociedade. Ela faz perder o sentido de "viver juntos", do "bem comum". Enquanto isso, a distribuição dos lucros da produtividade se faz em benefício do capital e em detrimento do trabalho, o custo da solidariedade é considerado insuportável e o edifício do Estado de bem-estar é implodido. [2]

Diante da brutalidade e da rapidez de todas essas mudanças, perdem-se as referências, acumulam-se as incertezas, o mundo parece opaco, a história parece fugir de qualquer tipo de análise. Em meio à crise, os cidadãos procuram um sentido para o que Antonio Gramsci definia: "Quando morre o velho e o novo hesita em nascer." Ou, como diria Alexis de Tocqueville, quando "o passado deixa de iluminar o futuro e o espírito caminha nas trevas".

O descrédito das elites e intelectuais

Para inúmeras pessoas, a idéia ultraliberal de que o ocidente está suficientemente amadurecido para viver em condições de liberdade absoluta também é tão utópica — assim como dogmática — quanto a ambição revolucionária da igualdade absoluta. Perguntam-se como é possível pensar o futuro. E expressam a necessidade de uma outra utopia, de uma nova racionalização do mundo. Esperam por um tipo de profecia política, uma reflexão sobre um projeto para o futuro, a promessa de uma sociedade reconciliada, em plena harmonia com si própria.

E haveria hoje um espaço, entre as ruínas da União Soviética e os destroços de nossas sociedades desestruturadas pela barbárie neoliberal, para uma nova utopia? A priori, isso parece pouco viável, pois generalizou-se a desconfiança para com os grandes projetos políticos e porque, ao mesmo tempo, se assiste a uma grave crise da representação política, a um enorme descrédito das elites tecnocráticas e da intelectualidade mais famosa, assim como a uma profunda ruptura entre os grandes meios de comunicação e o seu público.

Um contra-projeto global

Em qualquer tipo de eleição, aumenta o índice de abstenções, assim como voto em branco e nulo. Na França, um em cada três jovens de menos de 25 anos não tem título eleitoral; o número de filiados a partidos políticos não passa de 2% dos eleitores e apenas 8% dos assalariados se filiam a um sindicato. À esquerda, o Partido Socialista praticamente não tem mais quadros egressos das camadas populares; o Partido Comunista, além de perder sua identidade ideológica, praticamente perdeu a identidade sociológica.

E no entanto, muitos cidadãos gostariam de colocar um grão de humanidade na engrenagem bárbara neoliberal; procuram um antecedente responsável, experimentam o desejo da ação coletiva. Gostariam de questionar dirigentes bem definidos, em carne e osso, a quem pudessem repassar suas críticas, suas preocupações, suas angústias e sua confusão, na medida em que o poder se tornou em grande parte abstrato, invisível, distante e impessoal. Ainda gostariam de acreditar que existem respostas na política, justamente quando a política tem cada vez maior dificuldade em dar respostas simples e claras aos problemas complexos da sociedade. E no entanto, cada cidadão sente a necessidade urgente — como uma barreira contra a ressaca neoliberal — de um contra-projeto global, uma contra-ideologia, um edifício conceitual que se possa contrapor ao modelo atualmente dominante.

A ideologia anarco-liberal

Construir esse projeto não é fácil, pois o ponto de partida é quase tábula rasa, já que as utopias antecedentes, baseadas na idéia do progresso, sucumbiram quase sempre no autoritarismo, na opressão e na manipulação dos espíritos. Uma vez mais sente-se a necessidade de sonhadores que pensem e de pensadores que sonhem, para sair em busca de um projeto de so-ciedade — não um projeto amarrado e empacotado — que permita opinar, analisar e frear, através de uma nova ideologia, a ideologia anarco-liberal.

Reintroduzir a noção do coletivo

Esta fabrica uma sociedade egoísta, priorizando a fragmentação, a divisão. Torna-se indispensável, portanto, reintroduzir a noção de coletivo, pensando no futuro. [3] E, hoje, essa ação coletiva passa por associações, como pelos partidos e sindicatos. Durante os últimos anos, aliás, assistiu-se, na França, a uma multiplicação dessas entidades, desde grupos de moradores numa luta específica de seu bairro às associações contra o desemprego, passando pelas sucursais locais de ONGs internacionais, como Greenpeace, Anistia Internacional, Médicos do Mundo ou Transparência.

Entre outras, os partidos têm duas características desabonadoras: são genéricos (pretendem resolver todos os problemas da sociedade) e locais (seu perímetro de intervenção termina na fronteira do país). Já as associações têm, por seu lado, dois atributos simétricos e inversos aos dos partidos: são temáticas (voltadas para um único problema da sociedade: desemprego, habitação, meio ambiente etc.) e além-fronteiras (sua área de intervenção estende-se por todo o planeta). [4]

Um vínculo fundamental

Na década de 80, esses dois tipos de militância (global e de urgência, com um objetivo preciso) às vezes se estranharam. Porém parece anunciar-se um movimento de convergência. Sua junção é indispensável. Constitui uma das equações a ser superadas para se restaurar a política. Pois se é fato que as associações nascem de baixo, como testemunhas da riqueza da socie-dade civil, e preenchem as deficiências do sindicalismo e dos partidos, também não passam, às vezes, de meros grupos de pressão, assim como lhes falta a legitimidade democrática da eleição para alcançar suas reivindicações. Numa hora ou em outra, será a vez do político. Por isso é fundamental que exista o vínculo entre associações e partidos.

Baseando-se numa concepção radical de democracia, essas asso-ciações continuam achando que é possível transformar o mundo. Elas constituem, sem qualquer sombra de dúvida, o embrião da ação política na Europa. Muito provavelmente, como diziam Victor Hugo ("A utopia é a verdade de amanhã") e Lamartine ("As utopias não passam de verdades prematuras"), seus militantes reaparecerão amanhã ou depois, em outros lugares, com outras palavras de ordem, engajados em outras lutas.

Por uma ética do futuro

Para reinstituir as Nações Unidas no lugar que lhes cabe do direito internacional, uma ONU capaz de decidir, de agir e de impor um projeto de paz perpétuo; para adaptar os tribunais internacionais que julgarão crimes contra a humanidade, contra a democracia e contra o bem comum; para proibir a manipulação das massas; para acabar com a discriminação das mulheres; para estabelecer novos direitos de caráter ambiental; para instaurar o princípio do desenvolvimento durável; para proibir a existência de paraísos fiscais; para incentivar uma economia solidária etc.

"Arrisca teus passos por caminhos que ninguém passou; arrisca tua cabeça pensando o que ninguém pensou", dizia uma pichação de maio de 1968 nas paredes do teatro Odéon, em Paris. Se realmente quisermos fundar uma ética do futuro, a atual situação convida ao mesmo tipo de audácia.

Traduzido por Jô Amado.



[1] Ler "Ravages des technosciences" em Manière de voir nº 38, abril-maio de 1998.

[2] Cf. Economie sociale et mondialisation de l’économie, de Riccardo Petrella, Suco éditeurs, 3680, rue Jeanne-Mance, Montreal, Québec, Canadá.

[3] Ler, de Pierre Bourdieu, "L’essence du neolibéralisme", Le Monde Diplomatique, março de 1998; ler também, do mesmo autor, "Le néo-libéralisme, utopie d’une exploitation sans limites", in Contre-feux, ed. Liber-Raison d’agir, Paris, 1998.

[4] Somente os movimentos de educação popular (Ligue de l’enseignement, Foyers Léo-Lagrange, Foyers ruraux etc.) têm, como os partidos, uma visão global: a da educação para a cidadania.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos