Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

» Chomsky mergulha na estratégia de Trump

» Chico: “A democracia só sobreviverá se reinventada”

» A mágica fajuta para sair da crise

Rede Social


Edição francesa


» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie

» Keynes n'était pas keynésien

» Planète des sites « en péril »

» Rebelle à Big Brother

» Solariser l'Elysée


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


INDENIZAÇÕES CRIMINOSAS

Quem lê os relatórios?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Muitos dados utilizados pela UNCC provinham de governos nacionais, encarregados de centralizar as reivindicações. Esses governos tinham todo interesse em "aumentar" os pedidos, uma vez que poderiam reter até 1,5% das somas recebidas, o que fizeram

Alain Gresh - (12/10/2000)

A Comissão de Indenizações (UNCC) não "fez um trabalho suplementar para avaliar o impacto financeiro dos erros identificados. Tendo em conta o impacto possível sobre o nível de reembolsos," nós "consideramos que a Comissão deveria fixar regras mais estritas em relação aos erros que têm conseqüências sobre o nível de reembolsos." Traduzindo o jargão da ONU: os reclamantes foram indenizados em mais do que mereciam e a Comissão não se preocupa com isso... Ao menos é o que conclui um relatório da auditoria sobre a UNCC, solicitado pelas Nações Unidas, redigido sob a coordenação do britânico David Woodward. [1] E publicado em 1998.

O texto enfatiza especialmente que muitos dados utilizados pela UNCC provinham de governos nacionais, encarregados de centralizar as reivindicações. Esses governos tinham todo interesse em "aumentar" os pedidos, uma vez que poderiam reter até 1,5% das somas recebidas (3% nas categorias D, E e F), o que muitos fizeram.

Baixa qualidade de provas

Os redatores da auditoria observam, por outro lado, que os pedidos para as categorias A e C (veja quadro) "não exigiam o fornecimento dos nomes e os números de identificação de todos os membros de cada família que estivesse apresentando um pedido (...). A Comissão ficava, portanto, incapaz de detectar situações em que pai e mãe apresentassem pedidos separados pela mesma perda".

Os redatores "acharam que de modo geral havia baixa qualidade das provas submetidas pelos reclamantes da categoria A" Por exemplo, de uma amostra de 60 pedidos examinados:

"Níveis inaceitáveis de erro"

O que não impediu que os reclamantes fossem indenizados. Mais grave: os dados estatísticos para os pedidos da categoria C revelavam que 43% "dos pedidos de um governo nacional continham pelo menos uma diferença entre os dados da queixa e os dados fornecidos ao computador." Uma outra amostra apontava "níveis inaceitáveis de erros na primeira leva de pedidos C, o que representava cerca de 40.000 dos 165.000 pedidos." Um ponto que o relatório não esclarece: a companhia indiana Datamatics, encarregada de colher certos dados, se havia comprometido com 99,98% de "não erros". Apesar de seu insucesso, foi mantida no trabalho, tendo como única instrução fazer o possível para que os pagamentos fossem aumentados.

Qualquer instituição, submetida a tais críticas — que se podem acreditar adocicadas pela publicação — teria visto rolarem cabeças. Mas será que os responsáveis pelas Nações Unidas ainda lêem os relatórios que solicitam?

Traduzido por Patrícia Burrowes.



[1] Financial Report and Audited Financial Statements for the Biennium ended 31 December 1997 and Report of the Board of Auditors, General Assembly, Official Records, Fifty-third Session, Supplement N° 5 (A/53/5), Nações Unidas, New York, 1998, pp. 44-51.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos