Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como dialogar — de verdade — com quem vota num fascista

» No Alerta de Ipanema, retratos do fascismo quotidiano

» O cinema e as lições da história

» Vídeo: Garantir o segundo turno. E depois?

» Crônica de uma eleição bizarra

» O ódio, o voto e a pulsão de morte

» “Cada um de vocês é Bolsonaro”

» Reflexões à beira do segundo turno

» O Pré-Sal e o desenho do golpe

» Polêmica: duas formas do mesmo poder

Rede Social


Edição francesa


» Le déclin de la parole

» En Union soviétique : l'Etat favorise le prolongement de l'activité des nombreux « jeunes retraités »

» Pourquoi les droits d'inscription universitaires s'envolent partout

» Aux États-Unis, la dette étudiante, bombe à retardement

» Le mythe de la « classe globale »

» L'art des grands projets inutiles

» A qui profitent les vacances ?

» La science en patois

» En Norvège, tuerie hors normes, idées ordinaires

» La Chine au centre de la mondialisation


Edição em inglês


» The stories war tells me

» Yemen: where is the UN Security Council?

» Donald Trump welcomes in the age of ‘usable' nuclear weapons

» Vying for trade routes in the Bay of Bengal

» Switzerland's experiment with addiction

» Trade in, people out

» Russia looks after its rich

» Ethiopia and Eritrea need their peace

» Out of Africa

» Italy's government defies the EU


Edição portuguesa


» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo

» Acalmia na Ásia

» Assinatura de 6 meses: só 18 €

» Edição de Outubro de 2018

» A crise da regulação

» Da democracia na América

» Edição de Setembro de 2018

» Trabalho e civilização

» Liberais contra populistas, uma clivagem enganadora


ORIENTE MÉDIO

Sangue pela paz

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A manifestação provocou seis mortos e dezenas de feridos. Dezoito deles, de 8 a 16 anos de idade; e quatorze, de 16 a 20 anos. A imprensa denuncia quem "manda as crianças protestarem e ficam em casa". Essa manifestação deu-se na Palestina... mas em 1945. Os sionistas ocuparam as ruas e foi a imprensa inglesa que os denunciou (citado por Charles Enderlin, Paz ou Guerras. Os segredos das negociações árabe-israelenses, 1917-1997, ed. Stock, Paris, 1997). Cinqüenta anos depois, a volta desse tipo de argumento provoca a indignação de um médico, defensor convicto da paz. Seu grito de cólera deve ser ouvido.

Eyyad El-Sarraj - (17/10/2000)

Algumas pessoas se perguntam, "inocentemente": por que as crianças palestinas são estimuladas a ir para a linha de frente por suas próprias mães, que em seguida vão chorar sobre os seus cadáveres? À primeira vista, a questão parece pertinente. Na realidade, seu enunciado é de ordem patológica.

A verdadeira questão é: por que nossos soldados matam essas crianças? E eu acrescento: algumas vezes a sangue-frio e com tiros precisos. Um tal questionamento deveria logicamente levar a outro: que fazemos nós na terra palestina? Em vez disso, desviam os olhos e consideram essas crianças palestinas como vagabundos e demônios, fazendo pose diante do fuzil, provocando os soldados até que eles as matem. Essas crianças — explicam — não querem viver. Suas mães — insinuam — não têm sentimentos maternos.

Menos que animais...

Reflitamos bem sobre o que está implícito nessas afirmativas: se as mulheres palestinas não sentem afeição por seus filhos, então os palestinos não são de fato seres humanos. Pior: não só não somos iguais aos seres humanos, mas nem mesmo aos cães e gatos, que cuidam de suas crias nos momentos de perigo! É possível que os palestinos sejam menos que animais?

Essas conclusões lembram o que os brancos racistas sul-africanos pensavam dos negros, o que os invasores europeus do continente americano e da Austrália pensavam dos autóctones e dos aborígines, e como os nazistas percebiam os judeus.

Um apelo à razão

O mesmo postulado nega totalmente que os palestinos defendam sua terra e sua dignidade, o que é um direito humano elementar. Sugere que os palestinos seriam violentos por gostarem da violência e que odeiam os judeus simplesmente porque estes são judeus. Quem concordar com esta idéia não tem consciência — ou não quer ter — que Israel ocupa os territórios palestinos de maneira contínua, terrível, destruidora e humilhante. E que muitos israelenses e judeus, em todo o mundo, condenam esta ocupação.

Não deixemos a nação palestina ensangüentada ficar desesperada e façamos ouvir, mais forte que nunca, este apelo à razão.

Traduzido por Gilvando Rios.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos