Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Sindicatos e democracia radical, união possível?

» Guantánamo do Brasil

» Previdência: que significa a tese central do governo

» Uma trajetória em movimento e polêmica

» Rosa Luxemburgo, mais atual que nunca?

» A (mal-disfarçada) ideologia de gênero de Damares

» Índios: de mãos entrelaçadas

» A era da manipulação escancarada

» A crise do PT vista por dentro

» O que Adam Smith teria a dizer sobre o salário mínimo

Rede Social


Edição francesa


» Des thoniers sous escorte paramilitaire

» Ces Israéliens qui ont faim

» Le devoir d'Israël

» Quand les chercheurs n'osent plus chercher

» Photographie, art et société

» La saga des Gandhi

» Non, le vote FN n'est pas l'heritier du PCF

» Bonapartisme ou Constituante

» Derrière l'affaire Battisti

» Echec et mat pour la gauche mexicaine


Edição em inglês


» A planet in crisis

» Vannevar Bush, prophet of high tech

» January: the longer view

» Akram Belkaid on North Africa's leadership crisis

» Erdogan's war on workers

» Argentina swings into financial crisis

» The road beyond Wigan Pier

» Kazakhstan invests in theatre

» Once we searched Google. Now it searches us

» China's rewards and punishments


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2019

» Os irmãos escolhem-se

» Quando tudo vem ao de cima

» Edição de Dezembro de 2018

» A justiça social e os seus responsáveis

» Para Julian Assange

» Jantar de Apoio

» Economia Social e Solidária: outro modo de criar futuro sustentável

» Edição de Novembro de 2018

» «Eleitoralismo» e democracia sem povo


ORIENTE MÉDIO

Sangue pela paz

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A manifestação provocou seis mortos e dezenas de feridos. Dezoito deles, de 8 a 16 anos de idade; e quatorze, de 16 a 20 anos. A imprensa denuncia quem "manda as crianças protestarem e ficam em casa". Essa manifestação deu-se na Palestina... mas em 1945. Os sionistas ocuparam as ruas e foi a imprensa inglesa que os denunciou (citado por Charles Enderlin, Paz ou Guerras. Os segredos das negociações árabe-israelenses, 1917-1997, ed. Stock, Paris, 1997). Cinqüenta anos depois, a volta desse tipo de argumento provoca a indignação de um médico, defensor convicto da paz. Seu grito de cólera deve ser ouvido.

Eyyad El-Sarraj - (17/10/2000)

Algumas pessoas se perguntam, "inocentemente": por que as crianças palestinas são estimuladas a ir para a linha de frente por suas próprias mães, que em seguida vão chorar sobre os seus cadáveres? À primeira vista, a questão parece pertinente. Na realidade, seu enunciado é de ordem patológica.

A verdadeira questão é: por que nossos soldados matam essas crianças? E eu acrescento: algumas vezes a sangue-frio e com tiros precisos. Um tal questionamento deveria logicamente levar a outro: que fazemos nós na terra palestina? Em vez disso, desviam os olhos e consideram essas crianças palestinas como vagabundos e demônios, fazendo pose diante do fuzil, provocando os soldados até que eles as matem. Essas crianças — explicam — não querem viver. Suas mães — insinuam — não têm sentimentos maternos.

Menos que animais...

Reflitamos bem sobre o que está implícito nessas afirmativas: se as mulheres palestinas não sentem afeição por seus filhos, então os palestinos não são de fato seres humanos. Pior: não só não somos iguais aos seres humanos, mas nem mesmo aos cães e gatos, que cuidam de suas crias nos momentos de perigo! É possível que os palestinos sejam menos que animais?

Essas conclusões lembram o que os brancos racistas sul-africanos pensavam dos negros, o que os invasores europeus do continente americano e da Austrália pensavam dos autóctones e dos aborígines, e como os nazistas percebiam os judeus.

Um apelo à razão

O mesmo postulado nega totalmente que os palestinos defendam sua terra e sua dignidade, o que é um direito humano elementar. Sugere que os palestinos seriam violentos por gostarem da violência e que odeiam os judeus simplesmente porque estes são judeus. Quem concordar com esta idéia não tem consciência — ou não quer ter — que Israel ocupa os territórios palestinos de maneira contínua, terrível, destruidora e humilhante. E que muitos israelenses e judeus, em todo o mundo, condenam esta ocupação.

Não deixemos a nação palestina ensangüentada ficar desesperada e façamos ouvir, mais forte que nunca, este apelo à razão.

Traduzido por Gilvando Rios.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos