Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

» O mundo encantado da Previdência privada

» A lógica senil da propriedade privada

» Passo a passo para acabar com um projeto de país

» As três ignorâncias contra a democracia

» O ponto cego dos militares brasileiros

Rede Social


Edição francesa


» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique

» L'Algérie sous le choc

» L'art de la désinformation

» La longue guerre occulte contre le Nicaragua

» Comment l'« intelligence artificielle » conduirait la guerre

» Délinquants et victimes

» La soumission, à pas feutrés…

» Ite massa est…


Edição em inglês


» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis

» What happened to the dream of a united Maghreb?

» What happened to the dream of a united Maghreb?


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


ORIENTE MÉDIO

Sangue pela paz

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A manifestação provocou seis mortos e dezenas de feridos. Dezoito deles, de 8 a 16 anos de idade; e quatorze, de 16 a 20 anos. A imprensa denuncia quem "manda as crianças protestarem e ficam em casa". Essa manifestação deu-se na Palestina... mas em 1945. Os sionistas ocuparam as ruas e foi a imprensa inglesa que os denunciou (citado por Charles Enderlin, Paz ou Guerras. Os segredos das negociações árabe-israelenses, 1917-1997, ed. Stock, Paris, 1997). Cinqüenta anos depois, a volta desse tipo de argumento provoca a indignação de um médico, defensor convicto da paz. Seu grito de cólera deve ser ouvido.

Eyyad El-Sarraj - (17/10/2000)

Algumas pessoas se perguntam, "inocentemente": por que as crianças palestinas são estimuladas a ir para a linha de frente por suas próprias mães, que em seguida vão chorar sobre os seus cadáveres? À primeira vista, a questão parece pertinente. Na realidade, seu enunciado é de ordem patológica.

A verdadeira questão é: por que nossos soldados matam essas crianças? E eu acrescento: algumas vezes a sangue-frio e com tiros precisos. Um tal questionamento deveria logicamente levar a outro: que fazemos nós na terra palestina? Em vez disso, desviam os olhos e consideram essas crianças palestinas como vagabundos e demônios, fazendo pose diante do fuzil, provocando os soldados até que eles as matem. Essas crianças — explicam — não querem viver. Suas mães — insinuam — não têm sentimentos maternos.

Menos que animais...

Reflitamos bem sobre o que está implícito nessas afirmativas: se as mulheres palestinas não sentem afeição por seus filhos, então os palestinos não são de fato seres humanos. Pior: não só não somos iguais aos seres humanos, mas nem mesmo aos cães e gatos, que cuidam de suas crias nos momentos de perigo! É possível que os palestinos sejam menos que animais?

Essas conclusões lembram o que os brancos racistas sul-africanos pensavam dos negros, o que os invasores europeus do continente americano e da Austrália pensavam dos autóctones e dos aborígines, e como os nazistas percebiam os judeus.

Um apelo à razão

O mesmo postulado nega totalmente que os palestinos defendam sua terra e sua dignidade, o que é um direito humano elementar. Sugere que os palestinos seriam violentos por gostarem da violência e que odeiam os judeus simplesmente porque estes são judeus. Quem concordar com esta idéia não tem consciência — ou não quer ter — que Israel ocupa os territórios palestinos de maneira contínua, terrível, destruidora e humilhante. E que muitos israelenses e judeus, em todo o mundo, condenam esta ocupação.

Não deixemos a nação palestina ensangüentada ficar desesperada e façamos ouvir, mais forte que nunca, este apelo à razão.

Traduzido por Gilvando Rios.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos