Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


ORIENTE MÉDIO

Jerusalém, mitos e realidades

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Como todo o mito, o da "Jerusalém libertada" tem raízes longínquas. Traduz o vínculo, de dois mil anos, que une os judeus a Sion, uma das colinas que simbolizam Jerusalém — uma Jerusalém única, para os judeus

Marius Schattner - (18/11/2000)

Uma imagem e uma voz continuam gravados na memória coletiva dos israelenses desde a guerra dos seis dias: a foto dos pára-quedistas, olhando, extasiados, para o Muro das Lamentações; e a voz do comandante daquela mesma brigada, anunciando: "O Monte do Templo é nosso."

No dia 7 de junho de 1967, realmente, o exército israelense acabava de conquistar a Esplanada das mesquitas Al-Aqsa e o Domo do Rochedo — Monte do Templo, para os judeus —, assim como toda a cidade de Jerusalém. À saída da esplanada, Moshe Dayan, o ministro da Defesa, declarava a uma rádio: "Na manhã de hoje, o Tsahal [1] libertou Jerusalém, a capital dividida de Israel. Voltamos aos mais sagrados de nossos lugares santos e jamais nos separaremos deles." [2]

O mito da "Jerusalém libertada"

Vem desse dia o mito da indivisibilidade de Jerusalém, "capital reunificada e eterna do Estado de Israel". Esse dogma foi de tal forma enraizado que é até difícil imaginar por que os dirigentes do Estado, até 1967, e, antes deles, os do movimento sionista, nunca se tivessem empenhado seriamente em anexar Jerusalém Oriental. E ainda mais: a questão da soberania judia sobre o Monte do Templo jamais se colocara em termos temporais.

Como todo o mito, o da "Jerusalém libertada" tem raízes longínquas. Traduz o vínculo, de dois mil anos, que une os judeus a Sion, uma das colinas que simbolizam Jerusalém — uma Jerusalém única, para os judeus, enquanto cristãos e muçulmanos voltam suas preces para Roma e Meca.

Do ponto de vista religioso, o lugar mais sagrado da Terra era o Templo, construído, segundo a bíblia, pelo rei Salomão no monte Moria, onde Abraão sacrificara um carneiro em lugar de seu filho Isaac. Encontrava-se nesse Templo o "santo dos santos" e ali só podia entrar o sumo-sacerdote. Sua destruição pelos romanos, no ano 70, não põe em dúvida a santidade do lugar, de acordo com uma tradição que vem dos filósofos judeus do século XIII. "À margem dos rios da Babilônia, nós nos sentamos e choramos, lembrando-nos de Sion", dizia o cântico dos primeiros exilados, após a queda do primeiro Templo, no ano 587 antes de Cristo. Para nunca esquecer esse sofrimento, em qualquer casamento judeu, os noivos quebram um copo e fazem uma promessa em voz alta: "No dia em que eu te esquecer, Jerusalém, que eu esqueça também a minha mão direita."

O sacrilégio abominável

Durante os últimos quatro séculos, o Muro das Lamentações (Kotel, em hebraico) foi ganhando uma importância religiosa crescente. Fiéis ali compareciam para orar e chorar pela queda do Templo, do qual é o último vestígio. Pediam, em suas preces, pela chegada dos tempos messiânicos, que iriam coincidir com o fim do exílio. O Templo seria então reerguido, mas nunca antes, como diz o Talmude: "A reconstrução do Templo, e do altar, não parece caber aos homens."

O Waqf, guardião dos bens muçulmanos, sempre foi condescendente para com as preces junto ao Kotel, mas excluía a possibilidade de qualquer tipo de culto judeu na Esplanada propriamente dita. Construída no mesmo lugar onde fora o Templo, seis séculos após a destruição deste, a esplanada Haram Al-Sharif (Nobre Santuário) é o terceiro lugar santo do islamismo, depois de Meca e Medina. Os próprios judeus nunca o quiseram, com receio de cometerem um sacrilégio abominável ao pisarem sobre o lugar sagrado do Templo sem antes se terem purificado.

Uma atitude ambivalente

Numa certa época, peregrinos judeus "subiam" à Terra Santa, forçados pelas perseguições e estimulados pela chegada iminente do messias. Alguns, mais pobres, o faziam em busca dos benefícios da ajuda da Haluka. [3] Nenhum deles, no entanto, sonhava em erigir um Estado ou fundar uma capital em Jerusalém.

Surgido no final do século XIX, o sionismo nunca pretendeu esperar pelos tempos messiânicos para "reunir os exilados". O que, por sinal, lhe custaria os anátemas dos judeus ortodoxos, que assistem, impotentes, à recuperação, pelo nacionalismo, de seus símbolos religiosos. Paradoxalmente, esse novo movimento iria adotar uma atitude ambivalente com relação à cidade que originara seu nome.

"Uma forma de extraterritorialidade"

O obstáculo que separava a Jerusalém celestial da Jerusalém terrestre iria produzir, nos primeiros sionistas, a irresistível decepção relatada por tantos visitantes da Terra Santa. "A maldição de Deus parece pairar sobre a cidade, cidade santa para três religiões que se afunda no tédio, no marasmo e no abandono", escrevia Gustave Flaubert em seus Carnets de Voyage (11 de agosto de 1850). E o pai do idioma hebreu moderno, Eliezer Ben Yehuda, evocaria, por seu lado, o choque que sentiu ao conhecer "a cidade de David, destruída e deserta, rebaixada aos abismos da desonra". [4]

Theodor Herzl, que estava principalmente empenhado em obter a proteção das potências para o seu projeto de um Estado judeu, tomou o cuidado de se manter à margem de causas ou reivindicações, que se mostravam exageradas ou prematuras, sobre Jerusalém. Em seu livro O Estado dos judeus (publicado em 1896), o fundador do sionismo político promete aos cristãos "uma forma de extraterritorialidade" dos lugares santos. No dia 18 de maio de 1896, por ocasião de um encontro, em Viena, com o núncio apostólico Agliardi, ele chega a considerar a hipótese de extraterritorialidade para toda a cidade de Jerusalém, prevendo que a capital do futuro Estado judeu seria fundada ao Norte da cidade santa. E daria essas mesmas garantias a seus interlocutores turcos. [5] É bem verdade que essas promessas, meramente táticas, nada custavam...

As armadilhas da santidade

Haïm Weizmann, que tomou a direção do movimento após a primeira Guerra Mundial, não tolerava Jerusalém. Esta "encarnava, a seus olhos, o contrário do sonho sionista, e simbolizava o judaísmo obsoleto", escreve o historiador israelense Tom Segev. [6]

"A maldição de Deus parece pairar sobre esta cidade", escrevia Gustave Flaubert em seus Carnets de Voyage (11 de agosto de 1850) David Ben Gurion — que o general Ehud Barak toma como modelo — foi bastante sensível às armadilhas da santidade. Se é fato que desejasse ver um dia a cidade inteira de Jerusalém como a capital do Estado judeu, ele compreendia que se tinha que começar por criar esse Estado, objetivo infinitamente mais crucial que as reivindicações histórico-religiosas sobre a cidade santa.

Um patriotismo estéril, idiota e pretensioso

À direita sionista, que desde o final da década de 20 organiza "comitês de defesa do Kotel", Ben Gurion propõe a política do possível. Em 1937, ele aceitaria o plano da Comissão Peel, que propunha a partilha da Palestina em dois Estados — um, judeu, abrangendo uma pequena parte do território; o outro, árabe; Jerusalém permaneceria como um enclave britânico. Acusado de promover um "sionismo sem Sion", o presidente do Executivo sionista respondeu que era necessário aproveitar a oportunidade de criar um Estado judeu independente, na Palestina, para mais tarde se preocupar em ampliá-lo. "Eu sempre soube distinguir entre Eretz Israel (Grande Israel, ou seja, toda a Palestina) e um Estado dentro de Eretz Israel", escreveu, na época. "Sei do valor das orações e dos cânticos sobre o Monte Sion, mas após os repetirmos três vezes ao dia, trezentas e sessenta e cinco vezes por ano, durante mil e oitocentos anos, isso não nos deu uma polegada de terra, nem nos aproximou, um passo sequer, da redenção", ironizou ele.

Mas alguns sionistas se opunham, na época, à divisão municipal de Jerusalém. Resultado: a prefeitura ficou nas mãos dos palestinos. "Nossa situação seria bem melhor hoje (...)", escreveu Ben Gurion, "se tivéssemos compreendido a necessidade de dividir Jerusalém, criando um município judeu, autônomo. Para nosso azar, um suposto patriotismo — estéril, idiota e pretensioso — fez com que a decisão fosse outra (...). O resultado disso é que a cidade foi realmente unificada, mas sob a autoridade dos Nashashibi e dos Khaladi (duas importantes famílias palestinas), e tudo isso porque este ou aquele politiqueiro de Jerusalém queria que reinássemos sobre o Monte do Templo ou a Mesquita de Omar."

O plano de partilha da ONU

Assim como Herzl, ele se interessava principalmente pela nova Jerusalém, situada na parte ocidental. Era essa, segundo ele, que deveria ser uma "cidade judia", mas desvinculada da cidade velha, cujo destino era tornar-se um "museu espiritual e religioso para todas as religiões". [7] De acordo com suas concepções, a Agência Judia — ala executiva do movimento sionista dirigida por Ben Gurion — apresentou, em 1938, um projeto bastante minucioso que propunha que a parte oriental, abrangendo toda a cidade velha, continuasse sob controle britânico, enquanto a parte ocidental se tornaria a capital do Estado judeu.

A 29 de novembro de 1947, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou um plano de partilha inspirado nesse projeto. A Resolução 181 previa um estado judeu, um Estado árabe e um "regime internacional especial" para Jerusalém e os lugares santos. Ben Gurion teve a sabedoria de aceitá-la — contra a oposição, minoritária, da direita sionista. Mas os palestinos recusaram o plano e a batalha, para eles, terminou em desastre: a Nakba ("tragédia", em árabe). Não somente o Estado palestino não foi criado, como as forças judias se aproveitaram da guerra para aumentar em um terço o território destinado ao Estado de Israel, expulsando centenas de milhares de palestinos.

Provocações da direita

A vitória israelense não foi, no entanto, total em Jerusalém. O exército jordaniano ocupou o bairro judeu da cidade velha, cujos dois mil habitantes tiveram que se refugiar na parte ocidental, no final de maio de 1948. Sitiados e com poucos homens e munição, os defensores do bairro não tinham qualquer possibilidade de agüentar sem ajuda externa. Só restava a alternativa de uma retirada ou reforçar sua defesa. Ocorre que a direção sionista não fez uma coisa nem outra: por um lado, não queria renunciar ao bairro judeu devido aos seu significado simbólico, mas por outro não queria enviar para ali tropas que lhe poderiam ser mais úteis em outra frente.

Acatando as resoluções da ONU sobre a internacionalização de Jerusalém, Ben Gurion fez um discurso solene diante do Parlamento, a 13 de dezembro de 1949, anunciando que "Israel tem e terá uma única capital, Jerusalém, a eterna". Subentendia-se que se tratava de Jerusalém Ocidental, mas o primeiro-ministro não o disse explicitamente. Pouco antes, Menahem Begin, líder da direita nacionalista, havia proposto que ficasse claro, com todas as letras, que a capital de Israel abrangia a cidade velha e os lugares santos. Sarcástico, o chefe do governo perguntou-lhe se estava pensando em tomar militarmente a cidade velha e, como não era esse o caso, concluiu que a proposta não tinha qualquer sentido. [8]

"O que fazer com este Vaticano?"

Até junho de 1967, a questão da reunificação — ou seja, a conquista da parte oriental da cidade — nunca fora colocada pelos dirigentes israelenses. Somente a direita, que permanece na oposição até a formação de um governo de união nacional, na véspera da guerra, insiste no discurso ritual de uma "libertação de Jerusalém". A parte oriental da cidade parece esquecida pelos israelenses.

Na noite de 5 de junho de 1967, é a vez do primeiro-ministro, Levy Eshkol, se preocupar. "Têm que ser cuidadosamente pesadas as conseqüências políticas que uma ocupação da cidade velha poderia ter", declara, em seu gabinete. Na manhã do dia seguinte, o ministro da Defesa, general Moshe Dayan, também hesita em dar a ordem de tomar a cidade velha: "O que é que vamos fazer com este Vaticano?", confidencia ele ao general responsável pela operação. [9] Mas a tentação, irresistível, acaba ganhando. Daí em diante, a história é conhecida: uma febre místico-nacionalista toma grande parte da população judia; comemora-se, simultaneamente, uma vitória que parece miraculosa e o "reencontro do povo de Israel com Eretz Israel". Abre-se o caminho para a escalada de uma extrema-direita religiosa.

Precauções necessárias

No dia 10 de junho, os rolos compressores de tratores israelenses põem abaixo o bairro árabe dos Mograbis, abrindo um enorme espaço diante do Muro das Lamentações: mais de 100 famílias são jogadas para fora de suas casas, manu militari, após terem recebido um aviso com três horas de antecedência. No dia 27 de junho, o Knesset (parlamento) aprova uma emenda que aplica a legislação israelense à parte oriental da cidade — o que, na prática, significa a anexação.

Quanto às novas fronteiras municipais, elas abrangem, a leste, um máximo de terras e um mínimo de palestinos. No entanto, as autoridades israelenses tomam precauções para evitar problemas com a totalidade do mundo muçulmano no que se refere à Esplanada das Mesquitas. Assim que esta foi ocupada, Moshe Dayan obriga os soldados a baixarem uma bandeira israelense que tinham içado. No dia 17 de junho, ele confirmaria ao Waqf o controle sobre Haram Al-Sharif. A 20 de agosto, o governo proibiu os judeus de rezarem na esplanada, contendo, dessa maneira, as perigosas iniciativas do grã-rabino do exército, Shlomo Goren. [10]

Negociando o inegociável

Mas esse rabino louco não é o único a ver na conquista do Monte do Templo o início da redenção final. Talvez decorra daí a indignação do filósofo Yeshayahu Leibovitz com o culto — em resumo, pagão — feito no Kotel, que ele denominou de "discotel". [11] Mais adequado ao espírito que então prevalecia, André Néher escreveria que "nesta manhã do Chavuot (o pentecostes judeu, que, nesse ano, caiu no dia 7 de junho), todos os judeus irão sentir que uma etapa messiânica acaba de ser vencida". Para ele, o slogan "Jerusalém não é negociável" é um ato de fé — no mínimo, "uma plataforma comum a todos os partidos políticos israelenses, sem exceção". [12]

No meio tempo, percebeu-se claramente que Jerusalém é negociável — e mesmo negociada, segundo os acordos de Oslo de 1993. Em apenas algumas semanas do ano 2000, a idéia de um consenso sobre o assunto foi para o espaço. Não foi feito o bastante, nem com a necessária rapidez, para que um número incontável de palestinos deixe de perder suas vidas. Em nome de Al-Aksa...

Traduzido por Jô Amado.



[1] Tsahal: denominação, em hebraico, do exército israelense.

[2] Cf. Israel’s Foreign Relations, selected document, Ministry for Foreign Affairs, Jerusalém, 1976, pág. 243.

[3] Ajuda material fornecida pela diáspora às instituições religiosas de Jerusalém.

[4] Ler Eliezer Ben Yehouda, le rêve traversé, coleção "Midrash", ed. Desclée de Brouwer, Paris 1998.

[5] Ler, de Theodor Herzl, O Estado judeu; e, numa passagem de Journal, publicado em Berlim: "Ich versprach eine zeitgehende Extraterritorialität".

[6] O que não impediria tentativas, por parte de Weizmann, de retomar o Muro. Cf. , de Tom Segev, C’était en Palestine au temps des coquelicots, ed. Liana Lévi, Paris, 2000.

[7] Carta enviada ao comitê central do partido Mapai, em 1º de julho de 1937, in Memórias (Zihronot, em hebraico), ed. Am Oved, Tel Aviv, 1976.

[8] Debate parlamentar, em 9 de novembro de 1949.

[9] Cf. , de Israël Lior, Hoje estoura a guerra (em hebraico), memórias do chefe do gabinete militar de Eshkol, Tel Aviv, 1987; e o jornal Haaretz, 29 de setembro de 2000.

[10] O rabino Goren estava convencido que sabia o lugar exato onde se encontrava o "santo dos santos", o que lhe permitia caminhar na esplanada sem pisar um lugar sagrado para todos.

[11] Citado pelo jornal Haaretz, 21 de julho de 2000.

[12] Ler, de André Néher, os artigos "Jérusalem l’irremplaçable" e "Les grandes retrouvailles", in Dans tes portes Jérusalem, ed. Albin Michel, Paris, 1972.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos