'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: Nas cozinhas do Vieux-Port
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

Rede Social


Edição francesa


» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


IMIGRAÇÃO

Nas cozinhas do Vieux-Port

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Abdou trabalha no mercado "informal", até 15 horas por dia, fazendo manutenção, lavando louça, limpeza etc. Termina às 2 horas da manhã, quando já não há transporte coletivo. Os 200 francos que seu patrão lhe dá (em espécie) não permitem tomar um táxi

Dominique Carpentier - (18/11/2000)

Grudados um no outro, os restaurantes do Vieux- Port são a vitrine turística de Marselha. Peixe à provençal (cozido no vinho branco temperado com alho, açafrão, tomate, azeite e alguns temperos mais), sopa de peixe, pasta de alho com azeite excitam os clientes, que se apertam, em número cada vez maior, para visitar o centro velho de Marselha. Ali, este ano, há até quem reclame da escassez de mão-de-obra, embora o desemprego atinja quase 20% da população ativa e a cidade tenha o maior número de pessoas recendo o benefício da renda mínima na França. [1] Esse "déficit" deve estar relacionado às condições de trabalho e à remuneração do pessoal que trabalha em restaurantes.

Abdou, [2] natural das Ilhas Comores, tem como documento apenas um protocolo fornecido pela polícia, com validade por três meses, começa a trabalhar às nove horas. Como ele, há centenas de outros trabalhando no mercado "informal", até 15 horas por dia, fazendo a manutenção, lavando louça, cuidando da limpeza e vários outras ocupações em lugares insalubres. É bom lembrar que o serviço de saúde pública já denunciou o "estado deplorável de higiene nos restaurantes" [3] marselheses. Abdou faz uma pausa das 15 às 18 horas e depois retoma o trabalho, que só termina pelas duas horas da manhã. A essa hora, já não há transporte coletivo. Os 200 francos (cerca de 50 reais) que seu empregador lhe entrega em espécie, tomando o cuidado de que não haja nenhum comprovante, não lhe permitem tomar um táxi.

Exploração de trabalho ilegal

Mohamed, por seu lado, tem um documento que o autoriza a trabalhar para um ano. Porém, foi vítima de um acidente e seu patrão se recusa fazer a declaração e mandá-lo ao médico do trabalho. O seguro social, por sua vez, recusa-se a pagar seus direitos. Mohamed foi à justiça trabalhista e denunciou o patrão. Isso é absolutamente excepcional, pois a maioria dos trabalhadores comorianos prefere não protestar com medo de perder os vistos de permanência e os empregos.

A direção do Serviço Estadual do Trabalho, [4] assim como a polícia, avalia que não existem "problemas específicos com relação à mão-de-obra comoriana". Na verdade, só recensearam 2.679 comorianos residindo na região de Bouches-du-Rhône, em 1997. As associações estimam que sejam 40 mil. Além disso, foram aplicadas só 273 multas, durante esse mesmo ano, devido ao trabalho ilegal, quando apenas o setor da restaurantes conta com cerca de 6 mil estabelecimentos.

Alojamentos degradados

No tempo do império colonial francês, os comorianos eram contratados pela marinha mercante para carregar as caldeiras. Depois, com a modernização da frota, foram encarregados da limpeza e da cozinha. No pós-guerra, eles garantiam principalmente o transporte de tropas de Marselha para a Indochina, já que, para os franceses, os "anamitas" [5] não inspiravam muita confiança. Mas é principalmente a partir de 1975, data da independência do arquipélago, que a comunidade comoriana vem em grande número se instalar na França.

Últimos a chegar, serão os últimos a serem atendidos. Embora, na década de 70, as favelas já tivessem desaparecido, o alojamento degradado estava em plena expansão. Primeiro foram para o bairro Panier, onde famílias inteiras ocupam quartos de 10 a 20 metros quadrados. [6] Depois ocuparam também os prédios da Cidade Bellevue, construídos no fim da década de 50, onde o abastecimento de água e eletricidade é anárquico, os depósitos de lixo entupidos e os elevadores quebrados. Na rua Salengro, há famílias enfiadas em porões que têm por única luz um buraco que permite olhar ao nível da calçada.

O direito à moradia

Os comorianos também são numerosos nos bairros de Belsunce e de Noailles, no centro da cidade, onde a oferta de moradia a baixo custo representa menos de 1%. Um pouco mais distante do centro, as 21 famílias comorianas alojadas num antigo hotel mobiliado na rua Bernard, nº 6, decidiram lutar contra os que vivem da exploração do direito que todos têm de ter um teto para dormir. Com o apoio da Associação pelo Direito à Moradia "Raio de Sol", exigem dos poderes públicos a possibilidade de serem realojados, recusando-se a pagar de 250 à 300 dólares de aluguel por um quarto de 10 metros quadrados, sem água (os banheiros, com um cano à guisa de chuveiro, ficam no corredor), sem aquecimento e sem gás. O proprietário dessas pocilgas é conhecido na cidade: de acordo com uma imobiliária que constrói conjuntos habitacionais para baixa renda, a "Marseille-Habitat", ele possui 128 apartamentos que lhe rendem 30 mil dólares por mês.

Ao organizarem uma "jornada de portas abertas", as famílias propõem se expor à luz do dia, decididas a defender o direito elementar de usufruir de uma moradia decente.

Traduzido por Celeste Marcondes.



[1] Em março, segundo o INSEE, Marselha contava com 65.000 desempregados e 48.372 beneficiários do programa de renda mínima (RMI).

[2] Os nomes foram trocados.

[3] Jornal La Provence, Marselha, 7 de agosto de 2000.

[4] O diretor do Serviço recusou-se a responder às perguntas a respeito do trabalho ilegal existente nos restaurantes. Numerosas testemunhas falam de passividade — e até de conivência — por parte dos inspetores do trabalho, que são acusados de avisar os empregadores antes de sua chegada.

[5] N. T.: Oriundos da região de Annam, na Indochina.

[6] Segundo a tradição, os recém-chegados devem ser abrigados por seus familiares ou por outra pessoa originária da mesma aldeia ou região. A maioria das associações comorianas funcionam do mesmo jeito, tendo um papel importante na coleta de fundos para projetos no seu país ou para preparar um "grande casamento".


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos