Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» América Latina: a ultradireita contra-ataca

» O Mercado, os economistas e outros seres transcendentais

» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

Rede Social


Edição francesa


» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole

» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


AIDS

As minas da infecção

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As minas africanas atraem trabalhadores do sexo masculino e mulheres pobres que se prostituem e acabam infectadas pela Aids. Nas visitas às famílias, os trabalhadores transmitem a doença a suas mulheres, ampliando o risco do contágio materno-infantil

Pilar Estébanez - (20/12/2000)

Nas regiões da África sub-saariana, onde a Aids está em rápido desenvolvimento, percebe-se uma relação estreita entre esta expansão e a maneira pela qual as pessoas ganham sua vida. O mapa das zonas mais afetadas pelo vírus (HIV) e o das principais explorações mineiras (principalmente de ouro, diamante, cobalto, cromo, ferro e urânio), por exemplo, se sobrepõem.

Contradizendo as afirmações mais freqüentes, a Aids não atinge mais os países pobres, mas os mais ricos — ou, mais exatamente: os menos pobres. Ou seja: os países que, graças às minas de matérias primas, começaram a registrar avanços econômicos e sociais. Portanto, os nove países da África atingidos por uma taxa de Aids superior a 15% são aqueles onde encontramos as mais importantes minas: Botswana, Suazilândia, Zimbabue, Lesoto, África do Sul, Zâmbia , Namíbia, República Democrática do Congo e Malawi. A África do Sul, por exemplo, onde o HIV afeta quase 20% da população (o quinto país africano em termos percentuais), ocupa o 103º lugar na escala do desenvolvimento humano estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). [1] 25,25% da população do Suazilândia, no 113o lugar, são afetados pela doença. Quanto ao Botswana, colocado em 122º com uma renda per capita de 7.690 dólares, é o país, não somente da África, mas do mundo, mais gravemente dilacerado pela epidemia: 35,8%. Apesar disso, na escala do desenvolvimento humano, está na frente de 36 países africanos. [2]

Situações de alto risco

A existência das explorações mineiras atrai uma forte emigração masculina para as minas e os centros industriais ligados a elas. Deixando para trás suas famílias, que vêem de tempos a tempos, esses trabalhadores se amontoam em barracas para solteiros. As mulheres que vivem próximas, e que a eles se oferecem, são portadoras de doenças sexualmente transmissíveis (DST) e de HIV, em proporções bastante elevadas. Na verdade, entregues à pobreza nas zonas rurais, impotentes, dependentes do dinheiro que lhes remetem suas famílias, a maioria delas recorre ao comércio sexual. A esta situação de alto risco, acrescenta-se a contaminação pelos homens que retornam temporariamente a suas casas.

Um estudo realizado em 1997 no distrito de Kuazulu Natal (África do Sul) revelou um aumento alarmante das taxas de pessoas infectadas pelo HIV (até 26% entre mulheres grávidas). Os companheiros da maioria das mulheres tinham emigrado para trabalhar nas minas. Já aquelas cujos maridos não tinham seguido este caminho, ou que viviam com um parceiro fixo, eram menos afetadas. Em Carletonville, coração da mineração de ouro da África do Sul, trabalham 88 mil mineiros, sendo que 60% são procedentes de todo o país ou de Estados vizinhos (Moçambique, Malawi, Lesoto...). Estima-se que nesta zona vivem de 400 a 500 prostitutas, um terço das quais infectadas pelo HIV [3]; os mineiros, por seu lado, registram a proporção de 22%.

Mobilidade e micro-epidemias

Embora a Aids fosse mais presente nos setores urbanos, o ciclo "mobilidade do migrante-contágio do trabalhador-contágio da companheira habitual-transmissão materno-infantil" permitiu a contaminação das zonas rurais. Por aí se explica o surpreendente crescimento do flagelo nas zonas rurais e seu desenvolvimento em regiões cada vez mais distantes das minas. Também é assim que se explica o aparecimento de micro-epidemias — a presença de focos de infecção próximos de locais onde não se encontra praticamente nenhum caso, uma das outras características da Aids. Encontram-se essas micro-epidemias nos distritos próximos das minas sul-africanas, ou de aglomerações onde se instalaram maquilas (empresas sub-contratadas; por montadoras da indústria automobilística, por exemplo) em San Pedro Sula (Honduras), ou ainda, em diversos países, nos nichos populacionais surgidos às margens de grandes rodovias de circulação de mercadorias...

Traduzido por Celeste Marcondes.



[1] O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) permite classificar 174 países segundo seu nível de progresso sanitário e social. Na África, somente a Líbia (72o) e a Tunísia (101o) são melhor classificados no IDH que a África do Sul. Rapport mondial sur le développement humain. 2000, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, ed. Universidade De Boeck, Bruxelas, 2000.

[2] A começar pelo Gabão (123), o Lesotho (127), Gana (129), Zimbabue(130), até Burundi (170), Etiópia(171), ao Burkina Fasso (172), a Nigéria (173) e a Serra Leoa (174o e último país).

[3] Onusida, Genebra, 1998;


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos