Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


AIDS

O fator guerra

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As guerras têm um papel fundamental na propagação do vírus da Aids. A complexa interação entre sabotagem econômica, destruição das infra-estruturas e banditismo cria bolsões nos quais as populações marginalizadas são expostas ao risco de infecção

Pilar Estébanez - (20/12/2000)

Os conflitos armados e as fraturas sociais que provocam têm um papel fundamental na propagação do vírus da Aids. É o caso de Moçambique, após muitos anos de guerra civil. A complexa interação entre a sabotagem econômica, a destruição das infra-estruturas e o banditismo cria bolsões nos quais as populações marginalizadas são bastante expostas ao risco de infecção pelo HIV, especialmente devido a contatos sexuais ocasionais. A situação se agrava ainda mais por causa do acesso limitado aos serviços sanitários e à assistência médica.

A precária situação das pessoas refugiadas e deslocadas, reunidas nos campos, contribui para a contaminação. Na verdade, não existem programas de pesquisa (principalmente para os doadores de sangue), enquanto a cirurgia e a medicina são praticadas sem esterilização (por ocasião do parto, por exemplo, o que aumenta a taxa de transmissão materno-infantil). Por outro lado, nessas zonas onde não existe o planejamento familiar, os homens rejeitam o preservativo. [1]

Ausência de prevenção

Ruanda constitui um exemplo significativo do papel da guerra na propagação da Aids. Os estudos [2] realizados antes da guerra demonstram que suas taxas de infecção para o HIV em zonas rurais eram muito inferiores às detectadas nas zonas urbanas: 1% das mulheres grávidas eram soropositivo nas zonas rurais, e 10% nas cidades. Depois do conflito e os deslocamentos de populações que ele provocou, estes índices aumentaram e, principalmente, se alinharam "por cima"(11%). As populações refugiadas tiveram seus índices de infecção multiplicados por seis. Calcula-se que estes tinham aumentado de 1,3% para 8,5% durante o período passado nos campos. Isso é o resultado das aglomerações e da violência sexual, mas também do fato do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (HCR) não ter publicado advertências nem ter realizado programas de prevenção; 3,2% das mulheres pesquisadas depois da guerra tinham sido violadas, metade dentre elas durante o conflito; 17% dessas mulheres eram soropositivo.

Em outros lugares do mundo, o caso dos soldados do Camboja ou de El Salvador são exemplos dos riscos decorrentes dos comportamentos sexuais ligados à guerra ou ao pós-guerra. No Camboja, um estudo realizado em outubro de 1998 pela Onusida revelou que 35% dos soldados tinham tido contatos com prostitutas durante o mês anterior.

Traduzido por Celeste Marcondes.



[1] Talvez numa tentativa ( consciente ou inconsciente) de compensar as perdas humanas provocadas pela guerra

[2] Ler, de Rashid Mkanje, "Report of the seminary on ONG action", African Medical and Research Foundation Health for All in Africa (Amref), Londres, 1996.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos