Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para compreender a “Améfrica” e o “pretuguês”

» O sofisticado descolonialismo de Roberto Retamar

» A era dos eleitores cínicos

» Pós-capitalismo na era do algoritmo (final)

» Contingenciamentos: a barbárie nos números

» O horror como mera constatação

» João Gilberto pra acabar com a apatia

» Boaventura: Descolonizar o saber e o poder

» Morte e gozo sobre rodas

» Morte e gozo sobre rodas

Rede Social


Edição francesa


» Quand l'Espagne révolutionnaire vivait en anarchie

» Il y a soixante ans, l'aube de la guerre d'Espagne

» Mourir pour des images

» L'évêque aux côtés des tueurs

» Quand les intellectuels s'enflammaient pour une cause…

» La France favorable à un système international de gérance

» Les savants, le public et la sonde Rosetta

» Les mondes perdus de l'anticipation française

» L'ordre mondial selon John Maynard Keynes

» L'offensive des intellectuels en Iran


Edição em inglês


» Voting advice applications in Ukraine

» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


AIDS

O fator guerra

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As guerras têm um papel fundamental na propagação do vírus da Aids. A complexa interação entre sabotagem econômica, destruição das infra-estruturas e banditismo cria bolsões nos quais as populações marginalizadas são expostas ao risco de infecção

Pilar Estébanez - (20/12/2000)

Os conflitos armados e as fraturas sociais que provocam têm um papel fundamental na propagação do vírus da Aids. É o caso de Moçambique, após muitos anos de guerra civil. A complexa interação entre a sabotagem econômica, a destruição das infra-estruturas e o banditismo cria bolsões nos quais as populações marginalizadas são bastante expostas ao risco de infecção pelo HIV, especialmente devido a contatos sexuais ocasionais. A situação se agrava ainda mais por causa do acesso limitado aos serviços sanitários e à assistência médica.

A precária situação das pessoas refugiadas e deslocadas, reunidas nos campos, contribui para a contaminação. Na verdade, não existem programas de pesquisa (principalmente para os doadores de sangue), enquanto a cirurgia e a medicina são praticadas sem esterilização (por ocasião do parto, por exemplo, o que aumenta a taxa de transmissão materno-infantil). Por outro lado, nessas zonas onde não existe o planejamento familiar, os homens rejeitam o preservativo. [1]

Ausência de prevenção

Ruanda constitui um exemplo significativo do papel da guerra na propagação da Aids. Os estudos [2] realizados antes da guerra demonstram que suas taxas de infecção para o HIV em zonas rurais eram muito inferiores às detectadas nas zonas urbanas: 1% das mulheres grávidas eram soropositivo nas zonas rurais, e 10% nas cidades. Depois do conflito e os deslocamentos de populações que ele provocou, estes índices aumentaram e, principalmente, se alinharam "por cima"(11%). As populações refugiadas tiveram seus índices de infecção multiplicados por seis. Calcula-se que estes tinham aumentado de 1,3% para 8,5% durante o período passado nos campos. Isso é o resultado das aglomerações e da violência sexual, mas também do fato do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (HCR) não ter publicado advertências nem ter realizado programas de prevenção; 3,2% das mulheres pesquisadas depois da guerra tinham sido violadas, metade dentre elas durante o conflito; 17% dessas mulheres eram soropositivo.

Em outros lugares do mundo, o caso dos soldados do Camboja ou de El Salvador são exemplos dos riscos decorrentes dos comportamentos sexuais ligados à guerra ou ao pós-guerra. No Camboja, um estudo realizado em outubro de 1998 pela Onusida revelou que 35% dos soldados tinham tido contatos com prostitutas durante o mês anterior.

Traduzido por Celeste Marcondes.



[1] Talvez numa tentativa ( consciente ou inconsciente) de compensar as perdas humanas provocadas pela guerra

[2] Ler, de Rashid Mkanje, "Report of the seminary on ONG action", African Medical and Research Foundation Health for All in Africa (Amref), Londres, 1996.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos