Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

Rede Social


Edição francesa


» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


DIREITOS HUMANOS

Um pacto global

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Trata-se de uma iniciativa, da ONU, que leva em conta a dificuldade de algumas economias frente às forças do mercado, os limites da globalização em matéria de progressão social e o avanço da oposição a essa mesma globalização

Roland-Pierre Paringaux - (24/12/2000)

Foi em janeiro de 1999, no Forum Econômico de Davos (Suíça), que reúne todos os anos a elite internacional da política e dos negócios, que o secretário geral da ONU, Kofi Annan, lançou a idéia de uma parceria entre a organização por ele presidida e os meios empresariais. Batizada de Global Compact (Pacto Global), essa iniciativa, que dava seqüência em curto espaço de tempo ao fiasco da reunião de cúpula da Organização Mundial do Comércio (OMC) em Seattle, levava em conta a dificuldade de determinadas economias confrontadas às todo-poderosas forças do mercado, o limite dos efeitos da globalização em matéria de progressão social e o avanço da oposição a esta mesma globalização.

Um projeto de relações de trabalho

Com o Global Compact, Annan convida a elite do setor privado a dar mostras de civismo e a assumir sua parte de responsabilidade ao participar, ao lado da ONU, de suas agências especializadas e das organizações não-governamentais (ONGs), da implantação de valores universais comuns. Trata-se, de acordo com a fórmula do secretário-geral, "de unir a força dos mercados à autoridade dos ideais universais". Global Compact propõe, no âmbito dos direitos individuais, do trabalho e do meio ambiente, a adesão a nove grandes princípios inscritos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, assim como na declaração da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e nas resoluções das reuniões de cúpula do Rio sobre o Meio Ambiente (1992) e de Copenhague sobre as Questões Sociais (1995). Trata-se, segundo a ONU, do "mais ambicioso esforço para estabelecer relações de trabalho entre a ONU, o setor privado e os movimentos de cidadãos". [1]

Uma "companhia duvidosa"

Na prática, os contatos com o setor privado levaram a uma reunião, em julho de 2000, nas Nações Unidas, em Nova York, no decorrer da qual cerca de cinqüenta dirigentes de empresas transnacionais se comprometeram publicamente a apoiar o Pacto Global. Um dos objetivos divulgados é obter, daqui a três anos, o apoio de cerca de cem multinacionais e de um milhar de empresas nacionais.

Estabelece-se, por fim, que Global Compact "não é um código de comportamento, mas um espaço de referência e de diálogo destinado a facilitar a convergência entre as práticas do setor privado e os valores universais", dos quais a ONU é avalista. A iniciativa das Nações Unidas dirige-se no sentido da evolução; dito isto, seu aspecto vago, assim como a ausência de imposições jurídicas e de qualquer controle do respeito aos compromissos assumidos pelas multinacionais, suscita muitas críticas. Num artigo intitulado "As Nações Unidas em companhia duvidosa", uma coalizão de Organizações Não-Governamentais enfatizava que "Global Compact permite, de fato, que empresas conhecidas pelas violações dos direitos humanos e do meio ambiente ’dêem um tom azulado’ à sua imagem ao se enrolarem na bandeira das Nações Unidas". [2]



[1] Para maiores detalhes, ver www.unglobalcompact.org.

[2] Joshua Karliner e Kenny Bruno, International Herald Tribune, Paris, 10 de agosto de 2000. Os autores trabalham para o Transnational Ressource & Action Center.


Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos