Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


MULHERES / PAQUISTÃO

Processo arquivado

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Após ter lavado sua honra com o sangue de sua filha, o pai de Samia Sarwar organizou uma campanha contra as advogadas que ousaram defendê-la. Fez questão de processá-las, acusando-as de verdadeiras responsáveis pela morte de sua filha...

Roland-Pierre Paringaux - (01/05/2001)

Casada contra sua vontade com um primo drogado e violento, com o qual teve dois filhos, Samia decidiu divorciar-se e refazer sua vida

Samia Sarwar foi assassinada no dia 6 de abril de 1999. Com 29 anos de idade e descendente de uma família rica, de Peshawar, Samia, que foi casada contra sua vontade com um primo drogado e violento com o qual teve dois filhos, decidiu divorciar-se e refazer sua vida. Seu pai, que é presidente da Câmara de Comércio de Peshawar, e sua mãe, que exerce a profissão de médica, nem querem ouvir falar do assunto. Sem levar isso em conta, ela se dirige a duas advogadas famosas de Lahore, Hina Jilani e Asma Jahangir. Passou a morar em um alojamento com suas crianças. Pouco depois, seus pais pediram para encontrá-la. Temendo morrer, Samia recusa-se. Sua mãe insiste. Finalmente, foi combinado um encontro no escritório de Hina Jilani. Mas somente com a mãe.

Na hora marcada, sua mãe chega apoiada no braço de seu chofer, sem a ajuda do qual, diz ela, já não consegue se locomover. Mal acabaram de entrar, o homem sacou uma arma e matou Samia com duas balas na cabeça. Em seguida, atirou na advogada e errou por pouco. Em sua fuga, o chofer, a mãe e um tio de Samia, que esperava do lado de fora, pegaram uma empregada como refém. O chofer foi morto pela polícia. A mãe e seu irmão juntaram-se ao pai, que esperava no hotel.

Ódio e ameaças

Na hora marcada, sua mãe chegou apoiada no braço do chofer, que sacou de uma arma e matou Samia com duas balas na cabeça. Depois, atirou na advogada

Dois anos depois, o processo foi praticamente arquivado. Os pais jamais se preocuparam. O pai — disse-nos Asma Jahangir — continua dirigindo a Câmara de Comércio de Peshawar e faz parte de várias comissões oficiais. Após ter lavado sua honra com o sangue de sua filha, organizou, com mullahs e chefes tribais, uma campanha virulenta contra as duas advogadas. Ele próprio fez queixa contra elas, acusando-as de verdadeiras responsáveis pela morte de sua filha... A questão suscitou uma moção do Senado condenando o costume do "crime de honra" e solicitando a prisão dos culpados. A maioria dos senadores votou contra...

Em seu escritório de Lahore, protegida por vigilantes armados, Asma Jahangir mostra-nos a correspondência de ódio e com ameaças que continua a receber. O corredor de seu escritório fica cheio de mulheres que os maus tratos e o desespero conduziram para lá. "As ameaças contra mim não são grande coisa se comparadas ao destino dessas mulheres. Elas correm o risco de morrer porque querem mudar de vida, enquanto os verdadeiros criminosos escapam à lei", diz essa mulher de aparência frágil.
(Trad. Wanda Caldeira Brant)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos