Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Crise civilizatória: que esperar do G-20?

» Por que o “mercado” flerta com Bolsonaro

» Argentina: as garotas que desafiam o patriarcado

» Como as mulheres argentinas venceram

» Por que tributar as bebidas açucaradas

» Os municípios brasileiros em situação-limite

» Num país obstruído, há caminhos

» Mineração, tão devastadora quanto ignorada

» Eleições: Três tendências e um grande erro

» As Boas Maneiras: Licantropia sertaneja

Rede Social


Edição francesa


» Relever les minima sociaux, une exigence économique

» Crise, chômage et racisme au miroir de l'histoire

» La Bosnie otage du conflit

» Les Allemands de l'Est redressent la tête

» Signes de fractures en Ukraine

» En attendant l'an 2000, une transition lourde de menaces

» L'Arménie, comme sous le coup d'une « intervention divine » ...

» Les paysans ignorés du Mozambique

» Les enjeux du commerce Est-Ouest

» De nombreux diplomates sont décorés en U.R.S.S.


Edição em inglês


» Special Report: World Cup 2018

» American wars and self-decline

» Infinite War

» Confidentiality Policy

» Change in Eastern Europe?

» The lie of the land

» A search for roots and connections

» Trump's EU doormats

» After the factory gates shut

» Mexico's incorruptible challenger


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2018

» Assalto ao trabalho e às pensões

» Lambe-botas de Washington

» Jerusalém: o erro crasso do presidente americano

» Edição de Maio de 2018

» Direitos, não incentivos

» Maio, uma esperança de oceano

» Cuba quer o mercado… sem capitalismo

» Como assinar o Le Monde diplomatique - edição portuguesa

» O duplo desafio da esquerda brasileira


SAÚDE

A febre do harmattan

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A bactéria instala-se na faringe. Atravessa as mucosas, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta e violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente

Jean-Philippe Chippaux - (01/05/2001)

A meningite é uma infecção das meninges, que constituem a capa protetora do cérebro e da medula espinhal. Nos países industrializados, o contágio é geralmente limitado devido a fatores ambientais e médicos mais favoráveis. Em compensação, nos países tropicais do "cinturão da meningite",1 as epidemias são incentivadas pela perda da imunidade coletiva, devido aos nascimentos que aumentam o número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe, e às condições climáticas, principalmente o harmattan, vento seco e carregado de poeira, que debilita as mucosas do aparelho respiratório.

Tratamento e prevenção

As epidemias crescem com a perda da imunidade coletiva e com o aumento do número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe

O meningococo instala-se na faringe. Atravessa as mucosas e, aproveitando-se de uma irritação, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta acompanhada por violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente.

Na África, o tratamento consiste em uma injeção única de cloranfenicol, um antibiótico eficaz e barato. A prevenção é conseguida com a vacinação, muito eficaz no combate às espécies meningocócicas existentes na África. As atuais vacinas protegem pessoas com mais de 2 anos de idade por um período de 5 anos: a nova geração permitirá conseguir imunidade por um período mais longo, e poderá ser aplicada desde a idade de 3 meses.
(Trad. Celeste Marcondes)

1 - A região da savana subsaariana denominada o "cinturão da meningite" pelo clínico-geral Lapeysonnie, é a sede de epidemias cíclicas a cada quatro ou seis anos. Chegada em 1988 à África, a bactéria continua presente após ter provocado três severas ondas epidêmicas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos