Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando cientistas sociais assistem a Game of Thrones

» EUA x China: o que pode tirar o sono de Trump

» Como construir uma internet sem violência?

» A independência radical de Luiz Rosemberg Filho

» Uber: assim começam as greves do futuro

» O conto de fadas de Paulo Guedes

» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

Rede Social


Edição francesa


» Enjeux et acteurs de la sécurité en Afrique

» Interventions militaires françaises en Afrique

» Fonds européen de développement

» Image de la France en Afrique

» Ressortissants français en Afrique

» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


SAÚDE

A febre do harmattan

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A bactéria instala-se na faringe. Atravessa as mucosas, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta e violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente

Jean-Philippe Chippaux - (01/05/2001)

A meningite é uma infecção das meninges, que constituem a capa protetora do cérebro e da medula espinhal. Nos países industrializados, o contágio é geralmente limitado devido a fatores ambientais e médicos mais favoráveis. Em compensação, nos países tropicais do "cinturão da meningite",1 as epidemias são incentivadas pela perda da imunidade coletiva, devido aos nascimentos que aumentam o número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe, e às condições climáticas, principalmente o harmattan, vento seco e carregado de poeira, que debilita as mucosas do aparelho respiratório.

Tratamento e prevenção

As epidemias crescem com a perda da imunidade coletiva e com o aumento do número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe

O meningococo instala-se na faringe. Atravessa as mucosas e, aproveitando-se de uma irritação, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta acompanhada por violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente.

Na África, o tratamento consiste em uma injeção única de cloranfenicol, um antibiótico eficaz e barato. A prevenção é conseguida com a vacinação, muito eficaz no combate às espécies meningocócicas existentes na África. As atuais vacinas protegem pessoas com mais de 2 anos de idade por um período de 5 anos: a nova geração permitirá conseguir imunidade por um período mais longo, e poderá ser aplicada desde a idade de 3 meses.
(Trad. Celeste Marcondes)

1 - A região da savana subsaariana denominada o "cinturão da meningite" pelo clínico-geral Lapeysonnie, é a sede de epidemias cíclicas a cada quatro ou seis anos. Chegada em 1988 à África, a bactéria continua presente após ter provocado três severas ondas epidêmicas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos