Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A intervenção no Rio e sua face (muito) lucrativa

» Uma aventura temerária

» Colômbia, paz ameaçada

» Hora de virar a mesa dos banqueiros

» #Ocupapolítica , entre esquerdistas e pragmáticos

» Crônica da Rússia, à beira da revolução

» Chuva no sertão. cobiça sobre as águas

» As raízes filosóficas da destruição do mundo

» As raízes filosóficas da destruição do mundo

» Os limites de dois “filmes do Oscar”

Rede Social


Edição francesa


» Dans l'étau des privatisations

» Au miroir du mouvement social de décembre 1995, la part de l'utopie

» « Réformes », « modernité », « globalisation »… vers l'explosion des mots piégés

» La poudre aux yeux de l'évaluation des OGM

» Hommes en quête d'identité

» L'odyssée de John Perry Barlow

» Les indépendants du cinéma direct

» Les femmes dans les luttes sociales

» La classe ouvrière devant les premiers immigrants

» En Chine, progrès dans l'industrie, difficultés dans l'agriculture


Edição em inglês


» Maxime Robin on the new drugs ‘100 times stronger than heroin'

» The light at the end of the corner

» Chinese New Year, but where's the money?

» Donald Trump offers a helping hand to China and Russia

» How we got Donald Trump

» How we got Donald Trump

» Iran's far-reaching Shia networks

» Iran's far-reaching Shia networks

» Japan's bluefin tuna

» Japan's bluefin tuna


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2018

» «Idiotas úteis» do Pentágono

» O papel da Concertação Social

» Edição de Janeiro de 2018

» Recuperar os CTT

» O alvo iraniano

» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião


SAÚDE

A febre do harmattan

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A bactéria instala-se na faringe. Atravessa as mucosas, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta e violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente

Jean-Philippe Chippaux - (01/05/2001)

A meningite é uma infecção das meninges, que constituem a capa protetora do cérebro e da medula espinhal. Nos países industrializados, o contágio é geralmente limitado devido a fatores ambientais e médicos mais favoráveis. Em compensação, nos países tropicais do "cinturão da meningite",1 as epidemias são incentivadas pela perda da imunidade coletiva, devido aos nascimentos que aumentam o número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe, e às condições climáticas, principalmente o harmattan, vento seco e carregado de poeira, que debilita as mucosas do aparelho respiratório.

Tratamento e prevenção

As epidemias crescem com a perda da imunidade coletiva e com o aumento do número de pessoas que nunca tiveram contacto com o germe

O meningococo instala-se na faringe. Atravessa as mucosas e, aproveitando-se de uma irritação, passa pelo sangue e atinge as meninges. Os primeiros sintomas são uma febre alta acompanhada por violentas dores de cabeça, vômitos e rigidez na nuca. O coma e a morte podem seguir-se rapidamente.

Na África, o tratamento consiste em uma injeção única de cloranfenicol, um antibiótico eficaz e barato. A prevenção é conseguida com a vacinação, muito eficaz no combate às espécies meningocócicas existentes na África. As atuais vacinas protegem pessoas com mais de 2 anos de idade por um período de 5 anos: a nova geração permitirá conseguir imunidade por um período mais longo, e poderá ser aplicada desde a idade de 3 meses.
(Trad. Celeste Marcondes)

1 - A região da savana subsaariana denominada o "cinturão da meningite" pelo clínico-geral Lapeysonnie, é a sede de epidemias cíclicas a cada quatro ou seis anos. Chegada em 1988 à África, a bactéria continua presente após ter provocado três severas ondas epidêmicas.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos