Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 13 de agosto de 2020

» Bolívia: a liberdade se recupera nas ruas

» Boaventura: em busca de saídas para o Brasil

» “Sionismo de esquerda”, cruel contradição

» Numa sentença racista, os 500 anos de opressão

» A jaqueta assassina e o cinema do absurdo

» 12 de agosto de 2020

» Chega! Precisa-se de um projeto alternativo, já

» Imposto sobre Grandes Fortunas e a elite aflita

» Bolsonarismo e planejamento predatório

Rede Social


Edição francesa


» Marseille, quartiers nord

» Le style paranoïaque en politique

» La Chine est-elle impérialiste ?

» Victor Hugo peintre

» La mémoire meurtrie de Mahabad

» L'hostilité et la haine, ici, chaque jour...

» Contestation sonore en Angola

» Contre la concurrence, l'émulation

» Fascination pour les pôles

» Ignorance toxique


Edição em inglês


» Violence spreads in Nigeria

» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


TECNOLOGIA & DESENVOLVIMENTO

A serviço da humanidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Quando a ciência cai nos braços do mercado, deixa de atender às necessidades básicas. É necessário, portanto, substituir o mercado por um parceiro capaz de dirigir a pesquisa na direção dos “bens públicos globais”

Philippe Rivière - (01/08/2001)

“Assim como a educação”, salienta o relatório do PNUD, “a tecnologia é o motor de uma melhoria das condições econômicas e sociais”

Se, como previsto, os Estados Unidos contratarem, 100 mil programadores indianos na área de informática nos próximos anos, a perda , para a Índia, será de cerca de dois bilhões de dólares por ano... A proposta de “tabelar a evasão de cérebros”, que consta do XI Relatório Mundial sobre o Desenvolvimento Humano1, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), lembra que os progressos técnicos só têm valor quando postos a serviço da humanidade. No prefácio, Mark Malloch Brown, administrador do PNUD, propõe uma nova “parceria” entre ciência e desenvolvimento. “Assim como a educação”, salienta, “a tecnologia é o motor – e não somente a conseqüência – de uma melhoria das condições econômicas e sociais.”

Quando a ciência cai nos braços do mercado, deixa de atender às necessidades básicas. Se, por um lado, as patentes não incentivam o desenvolvimento de produtos para os quais não existe uma demanda em condições de os pagar, por outro, uma espécie de “preço global” torna as descobertas proibitivas e inacessíveis às populações pobres. É necessário, portanto, substituir o mercado por um parceiro capaz de dirigir a pesquisa na direção dos “bens públicos globais”.

Uma questão polêmica

O relatório tem várias propostas para reduzir a desigualdade de acesso às tecnologias: uma abordagem inovadora poderia ser a das “promessas de compra”

O relatório abunda de propostas para reduzir a desigualdade de acesso às tecnologias. Uma abordagem inovadora poderia ser a das “promessas de compra”. “Em 1714, o governo britânico oferecia 20 mil libras esterlinas – uma fortuna, na época – a quem descobrisse uma forma de medir a longitude em alto mar. Motivado por isso, o relojoeiro e inventor John Harrison desenvolveu um cronômetro marítimo, em 1753, extremamente preciso e que lhe permitiu ganhar o prêmio.” Se um fundo – mundial ou regional – propusesse comprar, para milhões de pacientes, um medicamento contra a malária, ninguém duvide que a indústria farmacêutica reencontraria sua vocação inicial2...

O relatório também aborda duas questões consideradas indissociáveis: a gestão do risco tecnológico e a definição das prioridades de pesquisa. “Os debates sobre as tecnologias emergentes tendem a refletir as preocupações dos países ricos. (...) O livro eletrônico talvez seja percebido como uma ameaça pelos empregados das grandes editoras mundiais, mas poderia ser uma bênção para programas educativos nos países pobres.” Num tom mais polêmico, o relatório apela para um sério esforço de pesquisa pública visando a criar novas variedades agrícolas – inclusive por meio das modificações genéticas – para proporcionar maiores recursos de nutrição e produtividade aos camponeses pobres do hemisfério Sul. Se é o caso de levar em conta os riscos ambientais, não seria também o caso dos potenciais benefícios dos mais pobres fazerem parte da equação? (Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos