Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

» Chomsky mergulha na estratégia de Trump

» Chico: “A democracia só sobreviverá se reinventada”

» A mágica fajuta para sair da crise

Rede Social


Edição francesa


» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie

» Keynes n'était pas keynésien

» Planète des sites « en péril »

» Rebelle à Big Brother

» Solariser l'Elysée


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


LIVROS

Sofrimento de pensadores alemães

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Dois livros – da mesma natureza, ou seja, “livros-depoimento” –lançados simultaneamente, ilustram a separação profundamente provocada pelas rupturas do século XX na escola filosófica alemã

Sylvie Braibant - (01/08/2001)

A tão prolífica filosofia alemã do século passado organizou-se essencialmente em torno de duas correntes: de um lado a ontologia de Martin Heidegger, e do outro, a Escola de Frankfurt, de inspiração marxista, impulsionada por Theodor Adorno e Max Horckheimer. Entre as duas, e por muitas décadas, reinou uma antipatia tingida pelo desprezo e o ódio. Os dois livros – da mesma natureza, ou seja, “livros-depoimento” – agora lançados simultaneamente ilustram muito bem a separação profundamente provocada pelas rupturas do século1.

A correspondência entre Hannah Arendt e Martin Heidegger contém “lacunas”, ligadas à história política alemã, e os imprevistos de uma relação tortuosa

A leitura da coletânea de cartas entre Martin Heidegger e Hannah Arendt impõe uma primeira constatação: esta correspondência entre dois dos maiores pensadores do século, que abrange cinqüenta anos, é parcial é fragmentada, o que, infelizmente, no decorrer de uma edição cronológica, nem sempre fica evidente. As numerosas “lacunas” ligadas à história política da Alemanha, e também, sem dúvida, os imprevistos de uma relação tortuosa, têm quase tanta importância quanto as “presenças”. E também parcial, pois muitas das cartas de Hannah Arendt não respondem às de Martin Heidegger. Será que o iniciador do existencialismo, voluntariamente, não conservou esses documentos por medo, ou negligência, por estar demasiado preocupado em produzir sua obra? Essa desigualdade, que também revela algo sobre o olhar recíproco dos dois filósofos – além de homem e mulher –, não ofende a pouco feminista Hannah Arendt. A leitura do posfácio de Ursula Ludz, editora alemã da coletânea, é indispensável para uma melhor compreensão das lacunas.

Anders e a Escola de Frankfurt

Em um livro-entrevista, Günter Anders retoma a desesperança positiva, radical e violenta que iria orientar seus engajamentos posteriores

Para quem procure aprofundar-se na história intelectual ocidental, no entanto, ainda há muito o que extrair destas cartas: a evolução de uma relação passional (e que conserva seu mistério) através, principalmente, das linhas de Heidegger, nesta língua única e por vezes desconcertante; as explicações defensivas de Heidegger sobre seu suposto anti-semitismo e seus pavores admitidos – depois de 1950 – com o estouro do comunismo e de uma próxima guerra; as peripécias da tradução de sua obra além-mar; o relato da dedicação de Hannah Arendt aos Heidegger, marido e mulher, apesar das dores do ciúme; e também os questionamentos de Arendt, suas dúvidas para construir seu pensamento, sua antipatia declarada pela Escola de Frankfurt.

Como em um espelho invertido, Hannah Arendt e a Escola de Frankfurt figuram no centro do percurso de Günter Anders, primeiro marido de Arendt, também aluno de Heidegger, também judeu e que emigrou para Estados Unidos após 1933. Muito engajado na luta contra o nazismo, aproximou-se rapidamente de Adorno e Horkheimer, os fundadores, abominados por Arendt e Heidegger, da demasiado esquerdista Escola de Frankfurt. Nesta longa entrevista, concedida ao final de sua vida, Günter Anders retoma a desesperança positiva, radical e violenta, nascida de Auschwitz e Hiroshima, que guiou seus engajamentos posteriores, especialmente contra a energia nuclear e a guerra do Vietnã2. (Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos