'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: O desastroso Goncourt 2000
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

» Franz Kafka: como sair do labirinto

» Por trás do iPhone, o Estado e os militares

Rede Social


Edição francesa


» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin

» Gauche latino-américaine, version Uruguay

» Fascisme, islam et grossiers amalgames


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


LIVROS

O desastroso Goncourt 2000

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O livro Ingrid Caven, prêmio Goncourt 2000, é um poço de erros, desinformações e imprecisões. Ousaram propor ao leitor um texto que mais parece um rascunho, ou uma prova escolar não corrigida

Lothar Baier - (01/08/2001)

Segundo o premiado autor, a heroína, Ingrid Caven, falava com o “sotaque” do Althochdeutsch, língua falada por volta do ano 1.000, na Alemanha

Ler um livro, e mais ainda em se tratando de uma obra literária, tornou-se um ato cívico fantástico, comparável, por exemplo, a salvar uma espécie ameaçada de extinção. Numa demonstração de reconhecimento jamais vista, os leitores passaram a ser calorosamente recebidos nos salões do livro – que vêm se multiplicando por toda parte – e ovacionados como mensageiros da vivacidade do mundo do espírito, resistentes heróicos diante da frota invasora das imagens eletrônicas... E, entretanto, seria o caso de nos perguntarmos se os tão celebrados leitores são, de fato, levados a sério. Especialmente pelos editores. Estes muitas vezes produzem o “nobre objeto livro” com a mesma displicência, a mesma falta de cuidado com que se monta, às pressas, uma página eletrônica.

Algumas pérolas de imprecisão

A editora Gallimard deveria ter exigido um trabalho mais profissional e uma releitura mais competente dos originais antes da publicação

Tomemos o exemplo do livro, vendido às centenas de milhares de exemplares, que ganhou o prêmio Goncourt 2000, na França: o “romance autobiográfico” Ingrid Caven, de Jean-Jacques Schuhl. Publicado pela prestigiosa editora Gallimard (e não por qualquer editora de fundo de quintal), o livro é um poço de erros, desinformações e imprecisões. Ousaram propor ao leitor um texto que mais parece um rascunho, ou uma prova escolar não corrigida. Entre as dezenas de erros, eis aqui algumas pérolas: a famosa rua das boates noturnas de Hamburgo, a Reeperbahn, é chamada no livro de “Ripperbahn”, como se ela tivesse algum vínculo com Jack-the-Ripper (Jack, o estripador)... Os 850 quilômetros que separam Paris de Munique tornaram-se 1.500... Em outra passagem, é permitido ao autor dizer que 8 milhões de judeus foram exterminados pelos nazistas, quando o número a que faz normalmente alusão Raul Hilberg, o grande historiador do genocídio, é de 6 milhões... Rudi Dutschke, o líder do movimento estudantil alemão que foi gravemente ferido, à bala, em abril de 1968, surge fantasiado com o nome imaginário de “Rudy, o vermelho”... O grupo político palestino que desviou um avião da Lufthansa em outubro de 1977, em Mogadíscio, é curiosamente chamado “Os Baader”, quando o verdadeiro Andreas Baader, um dos fundadores da Fração do Exército Vermelho, estava, nessa ocasião, preso em Stuttgart-Stammheim e foi encontrado morto, em sua célula, no dia seguinte à tentativa fracassada de desviar o avião...

Um papel ridículo

E é bom ressaltar que a crítica fez um elogio rasgado, chegando ao panegírico – “obra-prima de liberdade e alegria”, escreveu Bernard-Henri Lévy

Como a heroína do romance, Ingrid Caven, é alemã, o autor cita com freqüência frases ou versos em alemão, mas com uma imprecisão que beira o ridículo. O verbo ekeln, provar/degustar, por exemplo, transforma-se em eckeln. Referindo-se a Ingrid Caven, diz que ela “começa uma frase com um sotaque althochdeutsch” – e como seria possível, nos dias de hoje, saber como era o “sotaque” do Althochdeutsch, língua falada por volta do ano 1.000, na Alemanha, e metamorfoseada várias vezes desde então? E por aí vai.

Ninguém exige de Jean-Jacques Schuhl que tenha um conhecimento profundo da língua, da cultura ou da história alemãs. Mas a editora Gallimard deveria ter exigido de seu conselho editorial um trabalho mais profissional e uma releitura mais competente dos originais antes da publicação. Isso teria evitado ao autor o ridículo, em alguns momentos. Mas nada foi feito. E é bom ressaltar que a crítica fez um elogio rasgado, chegando, em geral, ao panegírico – “obra-prima de liberdade e alegria”, escreveu Bernard-Henri Lévy. Também ela não soube cumprir o seu papel, deixando passar em branco as inúmeras fragilidades fatuais e textuais que poluem este prêmio Goncourt. Há diversas formas de arruinar o livro e a leitura: uma delas é a divulgação de trabalhos tão mal editados. (Trad.: Jô Amado)

Referência Ingrid Caven, de Jean-Jacques Schuhl, ed. Gallinard, Paris, 2000.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos