Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


LITERATURA

Dados sobre o escritor

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

(01/08/2001)

Jorge Luis Borges nasceu a 24 de agosto de 1899 em Buenos Aires, na Argentina. Com sete anos de idade, escreveu seu primeiro conto, La Viscera fatal. Em 1914, sua família mudou-se para a Europa, instalando-se, sucessivamente, em Genebra, na Itália e na Espanha, onde ele entra em contato com inúmeros movimentos artísticos, como o dadaísmo e o ultraísmo, movimento vanguardista espanhol. De volta à Argentina, em 1921, Borges colabora com várias publicações literárias e filosóficas. A partir de 1938, o escritor iria perdendo, progressivamente, a visão. Escreve, nessa época, Pierre Ménard, auteur du Quijote, seu primeiro conto fantástico. Após a queda do ditador Juan Domingo Perón, em 1955, seria nomeado diretor da Biblioteca Nacional e iria lecionar literatura na Universidade de Buenos Aires. Seus contos já haviam sido traduzidos em inúmeros países. Torna-se um escritor cult. Ganha inúmeros prêmios, entre os quais o Formentor, em 1961, que divide com Samuel Beckett, e, em 1980, o prêmio Cervantes. Em 1985, decide estabelecer-se em Genebra, com sua companheira, Maria Kodama. Morre, nessa cidade, a 14 de junho de 1986, com 87 anos.

Seus principais livros disponíveis em francês são: Oeuvres complètes, ed. Gallimard, coleção “La Pléiade”, Paris, 1993 (vol. 1) e 1999 (vol. 2); Le Livre de sable, ed. Gallimard (bilíngüe), Paris, 1994; Fictions, ed. Gallimard (bilíngüe), Paris, 1994; Histoire de l’infamie, ed. 10/18, Paris, 1994; Borges en dialogue, ed. Agora (pocket), Paris, 1995; Evaristo Cariego, ed. Seuil, Paris, 1999; Chronique de Bustos Domecq, ed. Le livre de poche, Paris, 2000.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos