Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de outubro de 2021

» Hora de retomar a luta pelo transporte público

» A patética missão de Paulo Guedes

» Boaventura: Portugal num momento de perigo

» Dinheiro, economistas vulgares e luta de classes

» Andrea Loparic

» 25 de outubro de 2021

» Clima: por que é possível vencer o fatalismo

» Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

» Pochmann: É necessária nova abolição

Rede Social


Edição francesa


» La Cour des comptes, cerbère de l'austérité

» Salaires : « Il est parti où, cet argent ? »

» Trompeuses métaphores du cancer

» Etes-vous heureux, ravi ou enchanté de travailler dans un institut de sondage ?

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» Infernal manège des sondages

» Droit du travail : vers des « jugements automatiques »

» Mes vacances en Terre sainte

» Les bonnes recettes de la télé-réalité


Edição em inglês


» ‘Le Monde diplomatique' in Algeria

» Millennial Schmäh

» UK: what happened to the right to food?

» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


RELIGIÃO

Quatro séculos de perseguições

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Os mennonitas são descendentes dos anabatistas, seita alemã originária da Saxônia que, além do batismo de adultos após a conversão, reivindicava a abrangência da Reforma no plano social, por meio da coletivização dos bens

Bernard Cassen - (01/08/2001)

O termo “mennonita” foi usado pela primeira vez em 1544, derivado do nome de Menno Simons, um ex-pregador católico, holandês, que se tornou batista

Ser mennonita significa pertencer a uma congregação evangélica mennonita, inscrita no movimento da Reforma, do século XVI, cujas principais personagens foram Lutero (1483-1546), Calvino (1509-1564) e Ulrich Zwingli (1483-1531). O termo “mennonita” foi usado pela primeira vez em 1544, derivado do nome de Menno Simons (1496-1561), um ex-pregador católico, holandês, que se tornou batista – ou seja, partidário de que o batismo não fosse ministrado às crianças recém-nascidas, mas aos crentes, confirmados com base em sua fé pessoal.

Os mennonitas podem ser considerados descendentes dos anabatistas, seita alemã originária da Saxônia, desenvolvida em torno de Thomas Muntzer, que, além do batismo de adultos após a conversão, reivindicava a abrangência da Reforma no plano social, por meio da coletivização dos bens. Veementes adversários de Lutero, os anabatistas foram perseguidos e levaram sua fé para o sul da Alemanha, onde participaram da guerra dos camponeses e foram esmagados em 1525. Os sobreviventes ocuparam a cidade de Munster, onde fundaram um reino do Sião Comunitário (1532-1535). Após serem militarmente derrotados, sofreram uma violenta repressão.

Migrações constantes

Veementes adversários de Lutero, os anabatistas foram perseguidos e levaram sua fé para o sul da Alemanha, onde participaram da guerra dos camponeses

Menno Simons discordou de Zwingli sobre a questão da simbiose entre Igreja e Estado, mas não acompanhou os revolucionários de Munster. Organizou, na Suíça, o chamado Movimento da Reforma Radical, cujos princípios são: a autoridade suprema da bíblia, o batismo com base na profissão de fé consciente, o pacifismo, a recusa do juramento ou do uso de armas e a separação total entre Igreja e Estado.

Desde os tempos de Carlos V, passando por Lutero e Zwingli e até Stalin, os mennonitas – assim como todos os anabatistas – foram vítimas de constantes perseguições que causaram a morte de centenas de milhares de pessoas. Seus quatro séculos de história caracterizam-se por um movimento migratório constante – da Holanda para a Alemanha, e depois para a Polônia, Ucrânia, Sibéria, Canadá, Estados Unidos, México e América do Sul (Bolívia, Brasil, Uruguai e Paraguai). Calcula-se, atualmente, que existam 700 mil mennonitas (batizados) no mundo (o que significa vários milhões de pessoas, com suas famílias). Desse total, mais de 350 mil vivem nos Estados Unidos (entre eles, os amish), onde fica a sede de sua organização mundial: o Comitê Central Mennonita. (Trad.: Jô Amado)

Desde os tempos de Carlos V, passando por Lutero, Zwingli e Stalin, os mennonitas foram vítimas de constantes perseguições

Desde os tempos de Carlos V, passando por Lutero e Zwingli e até Stalin, os mennonitas – assim como todos os anabatistas – foram vítimas de constantes perseguições que causaram a morte de centenas de milhares de pessoas. Seus quatro séculos de história caracterizam-se por um movimento migratório constante – da Holanda para a Alemanha, e depois para a Polônia, Ucrânia, Sibéria, Canadá, Estados Unidos, México e América do Sul (Bolívia, Brasil, Uruguai e Paraguai). Calcula-se, atualmente, que existam 700 mil mennonitas (batizados) no mundo (o que significa vários milhões de pessoas, com suas famílias). Desse total, mais de 350 mil vivem nos Estados Unidos (entre eles, os amish), onde fica a sede de sua organização mundial: o Comitê Central Mennonita. (Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos