Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 10 de julho de 2020

» A luta decisiva contra o reconhecimento facial

» “Austeridade”, uma concha vazia

» Um vírus que revela nosso dissídio com a Natureza

» (Auto)cuidado – coletivo, político e inadiável

» Por que aproxima-se uma onda de fome no Brasil

» 9 de julho de 2020

» A formação da personalidade autoritária

» A estratégia indígena para enfrentar o vírus

» Brasão da PM: coleção de massacres em nome da elite

Rede Social


Edição francesa


» Primes pour stimuler la production et sanctions contre les pratiques illégales

» Les difficultés de l'économie soviétique ravivent le débat entre traditionalistes et partisans de la réforme

» Comment le Sahel est devenu une poudrière

» Tout commence, tout finit à Gaza

» Cette « double autorité » qui écartèle les Palestiniens

» Aux origines de la secte Boko Haram

» Michel Onfray, le dernier nouveau philosophe

» Les forces de l'ordre social

» Vous avez dit « systémique » ?

» Un pays miné par les homicides policiers


Edição em inglês


» Cities: the power of the urban

» July: the longer view

» Fossil fuel disarmament

» Oil production and consumption around the world

» OPEC's share of production in a changing oil market

» Passport power

» Prato's migrant workforce

» No going back to business as usual

» Trade war in strategic minerals

» When oil got cheaper than water


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago

» «O desastre actual é a total ausência de espírito crítico»

» Edição de Junho de 2020

» A fractura social

» Vender carros Audi na Birmânia


LIVROS

Alô, alô, Echelon!

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O uso de satélites para retransmitir comunicações permite aos serviços secretos das principais potências captarem, de quebra, conversas telefônicas, fax e correio eletrônico. A rede Echelon intercepta mais de dois milhões de conversas por minuto

Franck Mazoyer - (01/08/2001)

Em 1994, a NSA interceptou chamadas telefônicas entre a empresa Thomson CSF e o Brasil sobre o sistema de vigilância Sivam, na Amazônia

Espalhadas pela face do globo terrestre, as bases militares da rede anglo-americana Echelon abrem novas possibilidades de vigilância planetária. O uso de satélites para retransmitir comunicações permite aos serviços secretos das principais potências captarem, de quebra, conversas telefônicas, fax e correio eletrônico. A rede Echelon intercepta mais de dois milhões de conversas por minuto. “Em 1994”, explica Duncan Campbell, “a NSA (National Security Agency, agência de segurança norte-americana) interceptou chamadas telefônicas entre a empresa Thomson CSF e o Brasil sobre o Sivam, um sistema de vigilância na floresta amazônica avaliado em 1,4 bilhão de dólares. A empresa francesa foi acusada de ter subornado membros da comissão de seleção brasileiros. Após a intervenção norte-americana, o contrato acabou sendo assinado com a Raytheon, uma empresa norte-americana.” Duncan Campbell foi o primeiro jornalista a denunciar, em 1998, a existência dessa rede; neste livro, ele entrega as chaves para a compreensão da rede Echelon – e mostra os limites. (Trad.: Jô Amado)

Referência Surveillance électronique planétaire, de Duncan Campbell, ed. Allia, Paris, 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos