Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food

» Au Soudan du Sud, l'écroulement des espoirs démocratiques

» Rendez-vous manqué de la gauche et de la politique locale

» Le monde selon Téhéran

» Xénophobes au nom de l'Etat social


Edição em inglês


» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture

» Crumbs from Sweden's table


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


EUA

A vitória do “direito”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O novo diretor do Departamento da Democracia e Direitos Humanos do governo norte-americano tem um currículo exemplar: mentiu, perante o Congresso, em 1991, e sua especialidade é ocultar massacres perpetrados por mercenários de extrema-direita

Serge Halimi - (01/08/2001)

Em 1991, Abrams omitiu informações sobre o apoio – ilegal – de Washington aos rebeldes dos “contra”, que lutavam contra o governo da Nicarágua

Apenas alguns dias após o ex-presidente Slobodan Milosevic ter sido extraditado a bordo de um avião da Otan – ou, para ser mais preciso, trocado por uma ajuda econômica – Eliott Abrams foi nomeado, pelo presidente George W. Bush, diretor do Departamento da Democracia, dos Direitos Humanos e de Operações Internacionais (Office for democracy, human rights and international operations). Não seria óbvio dizer que essa promoção, passada quase desapercebida pela grande imprensa, coincida com a nova era do direito, da moral e da ternura universal decantada pelos trovadores do Tribunal Penal Internacional.

Direito? Secretário-adjunto do Departamento de Estado no tempo do presidente Ronald Reagan, Abrams admitiu, em 1991, ter mentido, sob juramento, perante o Congresso norte-americano, omitindo informações sobre o apoio – ilegal – de Washington aos rebeldes dos “contra”, que lutavam contra o governo da Nicarágua. Para contornar a oposição por parte do Congresso, esse apoio a uma guerrilha declaradamente de direita foi parcialmente financiado através de uma venda de armas ao Irã, país que na época estava sob boicote norte-americano. O tráfico de armas e a mentira, que poderiam – e deveriam – ter provocado a destituição do presidente Reagan, limitaram-se a resultar em punições a alguns funcionários. Entre os quais, Eliott Abrams. Foi perdoado em 1992 por George Bush, pai do atual presidente.

Direitos humanos em boas mãos

Em 1982, um grupo paramilitar treinado pelos Estados Unidos assassinou 767 moradores da aldeia de El Mozote, em El Salvador. Abrams desmentiu o fato

Moral? O novo diretor do Departamento de Direitos Humanos foi, na década de 80, o cérebro da sangrenta política norte-americana para a América Central. Sua especialidade? Desmentir massacres. Como o de 767 moradores da aldeia de El Mozote em 1982, em El Salvador. Os assassinos pertenciam a um grupo paramilitar treinado pelos Estados Unidos em nome da luta contra o comunismo. Uma causa tão sagrada que, para Eliott Abrams, seus adversários só poderiam ser “víboras”.

Quando o entrevistamos, em fevereiro de 1995, num instituto de pesquisa conservador, o Hudson Institute, esse adepto confesso da direita israelense declarou que os palestinos não tinham “direito a um Estado”. Por outro lado, ele temia uma intervenção do presidente Clinton no Iraque. Por quê? “Porque não acredito que ele tenha a firmeza necessária para terminar.” Abrams também se mostrou favorável ao fim dos programas de ajuda às minorias desfavorecidas: “Em parte porque sou judeu. A comunidade judia tem 30% das vagas em Harvard; e só representamos 2% da população.” E, mais fundamental para ele, esses programas de discriminação positiva “exacerbaram as relações entre as raças”.

Com Eliott Abrams, os direitos humanos estarão em boas mãos. (Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos