Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Edição de 2 de junho de 2020

» O capitalismo ensaia sua distopia espacial

» Ultraliberais buscam sobreviver a seu desastre

» Regina, Jair e a manipulação da espontaneidade

» Não peçam o fim dos levantes, diz Alexandria Ocasio-Cortez

» Raiva e rebeldia e no coração do Império

» Edição de 1º de junho de 2020

» A Frente Ampla contra o Brasil

» Ken Loach e sua crítica incompleta à uberização

» Edição de 29/05/2020

Rede Social


Edição francesa


» Comment la droite américaine exploitait les émeutes

» Les Républicains peuvent-ils tirer parti des émeutes de Los Angeles ?

» Les États-Unis, une nation née dans la brutalité

» Un débat intellectuel en trompe-l'œil

» Le Texas en armes contre le confinement

» Shaw ou l'engagement ironique

» Cinquante ans de « dé-mesure » à l'anglo-saxonne

» Le magot de l'industrie musicale

» Les urnes et le peuple

» La démondialisation et ses ennemis


Edição em inglês


» Another ‘Europeanisation'

» Miami: flood risk and development

» Texas opens again for business

» US in the spring of the pandemic

» Florida's flooded future

» Oman struggles to stay neutral

» Syria's quiet return

» UK coexists with coronavirus

» Austerity is the killer

» UK, a new leader for Labour


Edição portuguesa


» Edição de Maio de 2020

» Defender os trabalhadores

» Todos crianças

» Há um problema com a representação jornalística da violência doméstica

» Chile, o oásis seco

» Edição de Abril de 2020

» O tempo é agora

» Achatar as desigualdades

» O olhar dos artistas

» Assine por 3 meses (€10) ou 6 meses (€18)


ILHAS KURILAS

Uma conquista do Exército Vermelho

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A 18 de agosto de 1945, três dias após a capitulação do Japão, Stalin envia o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas

Guy-Pierre Chomette - (01/09/2001)

O Tratado de Shimoda, em 1855, estabeleceu que as Kurilas do Sul seriam japonesas, as do Norte, russas, e a ilha de Sakalina teria um controle misto

As Ilhas Kurilas do Sul foram colonizadas no século XVIII pelos japoneses, que expulsaram os Ainus, povo aborígine estabelecido na região desde a noite dos tempos e atualmente quase desaparecido. Em 1855, por ocasião do Tratado de Shimoda, o Japão e a Rússia partilharam as Kurilas: logicamente, o Japão herdou as Kurilas do Sul, enquanto o norte do arquipélago ficava com a Rússia e a ilha de Sakalina, mais a oeste, passava a ter controle misto. O Tratado de São Petersburgo, de 1875, iria mudar essa situação: as Kurilas passariam, todas, para controle japonês, enquanto Sakalina se tornava propriedade exclusiva dos russos. ( veja os mapas )

Terminada a guerra russo-japonesa de 1905, o Japão anexa a metade Sul de Sakhalin e mantém todas as Kurilas. Porém, a 18 de agosto de 1945, Stalin inverte a situação: três dias após a capitulação do Japão, lança o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas. Dois anos mais tarde, os restantes dos 17 mil japoneses das Ilhas Kurilas que não haviam fugido, estabelecem-se (em sua maioria) em Nemuro, na esperança de voltarem a ocupar as ilhas. A cortina de ferro cai sobre o estreito de Nemuro, fronteira (ou “linha de demarcação”, como corrigem sistematicamente os japoneses) tão invisível quanto intransponível1.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos