Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

» O que aprender com Cristina Kirchner

» Previdência: três verdades que o governo esconde

» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

» “Atire na cabeça!”

» Um reino de farsas e encenações necessárias

Rede Social


Edição francesa


» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel

» DSK : flamme bourgeoise, cendre prolétarienne

» Naissance de l'Europe SA

» André Malraux : « la culture européenne n'existe pas »

» Face au journalisme de marché, encourager la dissidence

» Une obligation morale


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


ILHAS KURILAS

Uma conquista do Exército Vermelho

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A 18 de agosto de 1945, três dias após a capitulação do Japão, Stalin envia o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas

Guy-Pierre Chomette - (01/09/2001)

O Tratado de Shimoda, em 1855, estabeleceu que as Kurilas do Sul seriam japonesas, as do Norte, russas, e a ilha de Sakalina teria um controle misto

As Ilhas Kurilas do Sul foram colonizadas no século XVIII pelos japoneses, que expulsaram os Ainus, povo aborígine estabelecido na região desde a noite dos tempos e atualmente quase desaparecido. Em 1855, por ocasião do Tratado de Shimoda, o Japão e a Rússia partilharam as Kurilas: logicamente, o Japão herdou as Kurilas do Sul, enquanto o norte do arquipélago ficava com a Rússia e a ilha de Sakalina, mais a oeste, passava a ter controle misto. O Tratado de São Petersburgo, de 1875, iria mudar essa situação: as Kurilas passariam, todas, para controle japonês, enquanto Sakalina se tornava propriedade exclusiva dos russos. ( veja os mapas )

Terminada a guerra russo-japonesa de 1905, o Japão anexa a metade Sul de Sakhalin e mantém todas as Kurilas. Porém, a 18 de agosto de 1945, Stalin inverte a situação: três dias após a capitulação do Japão, lança o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas. Dois anos mais tarde, os restantes dos 17 mil japoneses das Ilhas Kurilas que não haviam fugido, estabelecem-se (em sua maioria) em Nemuro, na esperança de voltarem a ocupar as ilhas. A cortina de ferro cai sobre o estreito de Nemuro, fronteira (ou “linha de demarcação”, como corrigem sistematicamente os japoneses) tão invisível quanto intransponível1.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos