Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Pós-capitalismo na era do algoritmo (1)

» Uma “potência acorrentada”

» Sobre jeans, trabalho insano e folia

» A política como arte do impossível

» O enigma da sobrevivência neoliberal

» Violência policial: o problema não está nos soldados

» Eleições na Bolívia: o que está em jogo?

» Chomsky mergulha na estratégia de Trump

» Chico: “A democracia só sobreviverá se reinventada”

» A mágica fajuta para sair da crise

Rede Social


Edição francesa


» La résistance de George Orwell

» Mémoires et malmémoires

» Keynes, ou l'esprit de responsabilité

» Un milliardaire à l'assaut de la Maison Blanche

» Comment les sociétés multinationales du textile renforcent leur emprise sur le marché mondial

» À la recherche des « disparus » d'Algérie

» Keynes n'était pas keynésien

» Planète des sites « en péril »

» Rebelle à Big Brother

» Solariser l'Elysée


Edição em inglês


» July: the longer view

» An interview with Franco ‘Bifo' Berardi

» Learning the lessons of the Arab Spring

» May 2019 parliamentary election

» A religious map of India

» Universal access to care

» Benin's fight against tuberculosis

» Towards an equal and healthy Africa

» Ivorians mobilise against AIDS

» Health for all, a global challenge


Edição portuguesa


» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu


ILHAS KURILAS

Uma conquista do Exército Vermelho

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A 18 de agosto de 1945, três dias após a capitulação do Japão, Stalin envia o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas

Guy-Pierre Chomette - (01/09/2001)

O Tratado de Shimoda, em 1855, estabeleceu que as Kurilas do Sul seriam japonesas, as do Norte, russas, e a ilha de Sakalina teria um controle misto

As Ilhas Kurilas do Sul foram colonizadas no século XVIII pelos japoneses, que expulsaram os Ainus, povo aborígine estabelecido na região desde a noite dos tempos e atualmente quase desaparecido. Em 1855, por ocasião do Tratado de Shimoda, o Japão e a Rússia partilharam as Kurilas: logicamente, o Japão herdou as Kurilas do Sul, enquanto o norte do arquipélago ficava com a Rússia e a ilha de Sakalina, mais a oeste, passava a ter controle misto. O Tratado de São Petersburgo, de 1875, iria mudar essa situação: as Kurilas passariam, todas, para controle japonês, enquanto Sakalina se tornava propriedade exclusiva dos russos. ( veja os mapas )

Terminada a guerra russo-japonesa de 1905, o Japão anexa a metade Sul de Sakhalin e mantém todas as Kurilas. Porém, a 18 de agosto de 1945, Stalin inverte a situação: três dias após a capitulação do Japão, lança o Exército Vermelho à conquista do arquipélago. Em menos de três semanas, e sem encontrar qualquer resistência, os soviéticos anexam, uma a uma, todas as ilhas. Dois anos mais tarde, os restantes dos 17 mil japoneses das Ilhas Kurilas que não haviam fugido, estabelecem-se (em sua maioria) em Nemuro, na esperança de voltarem a ocupar as ilhas. A cortina de ferro cai sobre o estreito de Nemuro, fronteira (ou “linha de demarcação”, como corrigem sistematicamente os japoneses) tão invisível quanto intransponível1.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos