Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?

» Offensive sur l'or noir africain

» Un Syrien sur cinq a quitté son pays

» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?


Edição em inglês


» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


DOSSIÊ RIQUEZA

Quem são eles?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, ações) e pelos bens familiares (propriedades, obras de arte, veleiros...)

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

De acordo com uma relação das 500 maiores fortunas feita em 2001, a sra. Bettencourt detém ativos no montante de cerca de 40 bilhões de reais

Estatísticos e sociólogos interessam-se muito mais pela definição de um limite de pobreza do que por um de riqueza. É verdade que a multidimensionalidade da fortuna – fusão de dinheiro, cultura, relações sociais e prestígio – torna sua fórmula complexa. Mais ainda porque a riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, maquinário, ações...) e pelos bens familiares (propriedades imobiliárias, móveis, obras de arte, veleiros de lazer...). Contam-se hoje, na França, 180 mil famílias sujeitas ao imposto sobre grandes fortunas. Mas há uma dispersão considerável, pois as 100 famílias mais oneradas pelo fisco declaram um patrimônio (867 milhões de francos cada uma, em média, ou cerca de 310 milhões de reais) 180 vezes superior ao das 100 famílias que se situam no patamar imediatamente inferior do imposto (4,7 milhões de francos, ou seja, pouco mais de 1,6 milhão de reais). De acordo com uma relação das 500 maiores fortunas profissionais feita em 2001, a sra. Bettencourt detém ativos no montante de 112 bilhões de francos (cerca de 40 bilhões de reais), com 25% das ações da L’Oréal e 3% da Nestlé; o último dessa lista, Didier Cazeaux, acumulou apenas 200 milhões de francos (70 milhões de reais), com 90% dos estaleiros Guy Couach, ou seja, 560 vezes menos. A existência de tamanhas diferenças entre as fortunas, impensáveis no mundo banal dos assalariados, coloca a questão da homogeneidade do grupo. Esta, no entanto, constrói-se através da combinação da fortuna material com outras formas de riqueza, e num processo constante de cooptação.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos