Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Ovnis et théorie du complot

» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


DOSSIÊ RIQUEZA

Quem são eles?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, ações) e pelos bens familiares (propriedades, obras de arte, veleiros...)

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

De acordo com uma relação das 500 maiores fortunas feita em 2001, a sra. Bettencourt detém ativos no montante de cerca de 40 bilhões de reais

Estatísticos e sociólogos interessam-se muito mais pela definição de um limite de pobreza do que por um de riqueza. É verdade que a multidimensionalidade da fortuna – fusão de dinheiro, cultura, relações sociais e prestígio – torna sua fórmula complexa. Mais ainda porque a riqueza econômica é profissional e patrimonial, em proporções variáveis. Ela é composta pelos bens que representam o capital empresarial (imóveis, maquinário, ações...) e pelos bens familiares (propriedades imobiliárias, móveis, obras de arte, veleiros de lazer...). Contam-se hoje, na França, 180 mil famílias sujeitas ao imposto sobre grandes fortunas. Mas há uma dispersão considerável, pois as 100 famílias mais oneradas pelo fisco declaram um patrimônio (867 milhões de francos cada uma, em média, ou cerca de 310 milhões de reais) 180 vezes superior ao das 100 famílias que se situam no patamar imediatamente inferior do imposto (4,7 milhões de francos, ou seja, pouco mais de 1,6 milhão de reais). De acordo com uma relação das 500 maiores fortunas profissionais feita em 2001, a sra. Bettencourt detém ativos no montante de 112 bilhões de francos (cerca de 40 bilhões de reais), com 25% das ações da L’Oréal e 3% da Nestlé; o último dessa lista, Didier Cazeaux, acumulou apenas 200 milhões de francos (70 milhões de reais), com 90% dos estaleiros Guy Couach, ou seja, 560 vezes menos. A existência de tamanhas diferenças entre as fortunas, impensáveis no mundo banal dos assalariados, coloca a questão da homogeneidade do grupo. Esta, no entanto, constrói-se através da combinação da fortuna material com outras formas de riqueza, e num processo constante de cooptação.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos