'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> 'Enviar matéria', 'envoyer' => 'Enviar', 'reference_de' => 'a referência de', 'par_courriel' => 'por email', 'a_destination' => 'Enviar para:', 'donnees_optionnelles' => 'Dados opcionais', 'separe_virgule' => 'separe com vírgulas se escrever mais de um', 'sujet' => 'Assunto', 'titre_vouloir' => 'Título da mensagem', 'nom' => 'Seu nome', 'adresse' => 'Seu e-mail', 'texte' => 'Texto que irá junto com a mensagem', 'envoi' => 'Enviar', 'annuler' => 'Cancelar', 'enviar_title' => 'Enviar referência deste documento por email', 'enviar_por_email' => 'Enviar', 'referencia' => 'A referencia de', 'enviado' => 'foi enviado a:', 'sentimos' => 'Sentimos muito', 'problema' => 'Houve um problema e não se pôde enviar a mensagem', 'hola' => 'Olá. Talvez esta informação possa lhe interessar.', 'leer' => 'Leia mais...', 'enviado_por' => 'Enviado por: ', 'direction' => 'mas sem um endereço eletrônico válido', 'podemos' => 'não podemos enviar a mensagem', 'fermer' => 'fechar', 'documento' => 'Olá. Talvez este documento de', 'interesar' => 'possa lhe interessar.', 'descargarte' => 'Na página web poderá fazer o download de:', 'source' => 'fonte', ); ?> 'Envoyer l\'article', 'envoyer' => 'Envoyer', 'reference_de' => 'la référence de', 'par_courriel' => 'par courrier électronique', 'a_destination' => 'Envoyer á l\'adresse:', 'donnees_optionnelles' => 'Données optionnelles', 'separe_virgule' => 'séparer les adresses par des virgules si vous écrivez á plusieurs personnes', 'sujet' => 'Sujet', 'titre_vouloir' => 'Titre du message', 'nom' => 'Nom', 'adresse' => 'Adresse mail', 'texte' => 'Vous pouvez ajouter un texte', 'envoi' => 'Envoyer', 'annuler' => 'Annuler', 'enviar_title' => 'envoyer l\'article par mail', 'enviar_por_email' => 'envoyer par mail', 'referencia' => 'La référence de ', 'enviado' => 'a été envoyé à:', 'sentimos' => 'désolé', 'problema' => 'Il y a eu un problème et le courrier n\'a pas pu être envoyé', 'hola' => 'Salut. Cet article t\'interéssera peut-être ', 'leer' => 'Lire la suite...', 'enviado_por' => 'Envoyer par : ', 'direction' => 'mais sans une adresse de courrier électronique valable', 'podemos' => 'nous ne pouvons pas envoyer le message', 'fermer' => 'fermer', 'documento' => 'Salut, les documents de', 'interesar' => 'pourraient t\'intéresser', 'descargarte' => 'Si vous visitez le site vous pourrez télécharger les documents suivants :', 'source' => 'Source', ); ?> Diplô - Biblioteca: A febre e o termômetro
Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

» Como o Google favorece a manipulação política

» Por um novo Pacto das Catacumbas

» Chantagem do governo aos desempregados

Rede Social


Edição francesa


» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est

» Les Allemands de l'Est, sinistrés de l'unification

» Le difficile chemin de la démocratie espagnole


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


DOSSIÊ RIQUEZA

A febre e o termômetro

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Longe de ser fruto do acaso ou da negligência administrativa, o empobrecimento estatístico comprova, na realidade, uma profunda transformação da demanda social para conhecer os números da desigualdade

Thomas Piketty - (01/09/2001)

No que se refere a altas rendas e grandes patrimônios, os dados relativos ao final do século XIX e início do século XX disponíveis no departamento público responsável pelas estatísticas na França são mais pobres do que os que abrangem o período entre-guerras e as décadas de 1950-1960. E talvez até mais pobres do que os referentes aos primeiros anos do século XX. Atualmente, a administração francesa já não produz uma estatística constante sobre heranças (embora o fizesse de 1902 a 1964, publicando os resultados de exames extremamente minuciosos das declarações, principalmente em relação às maiores heranças) e as estatísticas anuais elaboradas a partir das declarações de renda desde 1915 já não permitem acompanhar com a mesma precisão a evolução dos altos rendimentos (essas estatísticas, além disso, deixaram de ser publicadas). Os impostos sobre a fortuna, criados e aplicados nas décadas de 1980-1990 (IGF, e depois ISF) não mudaram em nada esse estado de coisas. Atualmente, é impossível para o cidadão comum saber como evoluem o nível e a distribuição dos patrimônios que pagam impostos. (...)

Flexibilização na cobrança

A figura do capitalista, ou de quem vive de rendas, tão presente na sociedade do início do século, cedeu lugar, desde 1945, à do executivo

Este empobrecimento estatístico, longe de ser fruto do acaso ou da negligência administrativa, comprova, na realidade, uma profunda transformação da demanda social para conhecer os números da desigualdade: de uma visão centrada nas desigualdades patrimoniais e na existência de grandes fortunas1, passou-se a uma visão baseada nas categorias sócio-profissionais, que atribui apenas um lugar simbólico às altas rendas e aos detentores de grandes patrimônios. A figura do capitalista, ou de quem vive de rendas, tão presente na sociedade do início do século e no período entre-guerras, cedeu lugar, desde 1945, à do executivo. Essa evolução resulta da tomada de consciência coletiva do colapso sofrido pelos grandes patrimônios (leia, nesta edição, o artigo “As desigualdades de renda”, de Thomas Piketty): nitidamente menos numerosas, as pessoas que vivem às custas desses grandes patrimônios (...) saíram, em grande parte, do cenário social. Mas essa evolução de representações, embora tenha certos fundamentos objetivos incontestáveis, não deixa de ser excessiva: os grandes detentores de patrimônio nunca desapareceram por completo e, principalmente com os novos métodos estatísticos, tornou-se extremamente difícil avaliar um eventual retorno às realidades do passado.

As mudanças na legislação fiscal agravam essas dificuldades: a multiplicação de regimes de imposição contrária, em favor dos rendimentos do capital, torna cada vez mais difícil levar em consideração todos os rendimentos das pessoas em questão (alguns dos quais nem precisam mais ser declarados). Num primeiro momento (...), a flexibilidade das condições de cobrança de impostos sobre os rendimentos do capital torna-se admissível, e mesmo desejável, pois não se trataria de conceder liberalidades às grandes fortunas, aniquiladas pelas crises, e sim de favorecer a constituição de novas classes de poupadores e acelerar a reconstrução. Mas essa evolução continuou nas décadas de 1980-1990 e nada indica que tenha terminado (pensamos, por exemplo, na flexibilidade da fiscalização dos stock-options, decidida pelo governo Jospin no começo do ano 2000). Essa segunda fase não tem qualquer justificativa econômica e decorre principalmente da concorrência fiscal a que se entregam os vários países desenvolvidos.
(Trad.: Celeste Marcondes)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos