Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Para entender o fascismo dos impotentes

» Previdência, o retrato de um país desigual — e cruel

» Quando os cientistas enfrentam o sistema

» Moro tenta escapulir em latim

» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

Rede Social


Edição francesa


» Pauvre et femme : la double peine

» M. Sarkozy déjà couronné par les oligarques des médias ?

» La Cisjordanie, nouveau « Far Est » du capitalisme israélien

» Protester avec l'électrochoc de la musique

» Canicule, médias et énergies renouvelables

» Autopsie d'une canicule

» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle


Edição em inglês


» US against Iran: war by other means

» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


DOSSIÊ EUROPA

O que é o Parlamento Europeu?

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

O Parlamento não pode redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, econômica ou monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área social

Bernard Cassen - (01/09/2001)

Composto por 626 deputados, o Parlamento Europeu é eleito por sufrágio universal direto desde 1979. Cada mandato tem a duração de cinco anos.

Em conjunto com o Conselho Europeu, o Parlamento participa da elaboração de projetos legislativos comunitários (propostas e decretos), segundo quatro tipos de procedimento:

Consulta simples (por exemplo, o tabelamento anual de preços agrícolas); Cooperação: se o Conselho não levar em conta o parecer do Parlamento, este pode vetar o texto do projeto. O Conselho não pode aprovar uma medida exceto se esta for votada por unanimidade; Co-decisão: caso o Conselho não tenha levado em conta a posição do Parlamento, este pode impedir a adoção do texto. Iniciativa: o Parlamento não tem poder para tomar iniciativas, mas pode solicitar à Comissão Européia que apresente um projeto de proposta ou de decreto.

Parlamento e Conselho

Em última instância, é o Conselho Europeu que delibera sobre as despesas obrigatórias – decorrentes do tratado – da União Européia

O Parlamento não pode, portanto, redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto, bastante ampliado pelo Tratado de Amsterdã, não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, à política externa, à defesa ou à união econômica e monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área social e ao livre trânsito das pessoas.

Cabe ao Parlamento ratificar qualquer nova adesão à União Européia, bem como a aprovação de acordos externos (desde que obedecido o procedimento dos pareceres).

Embora não exerça controle sobre as receitas do orçamento, pode modificar, dentro de limites estabelecidos, a distribuição e o montante de despesas “não obrigatórias” da União (despesas de funcionamento, de política regional, de pesquisa...), equivalendo a uma quarta parte do total de despesas. Pode propor alterações nas despesas obrigatórias (decorrentes do tratado, tais como a política agrícola). Em última instância, no entanto, é o Conselho que delibera sobre essas despesas. O Parlamento tem poder de decisão sobre o orçamento definitivo, podendo recusá-lo integralmente.

Cabe também ao Parlamento aprovar a composição da Comissão Européia: primeiro, nomeando o seu presidente, e em seguida, todos os comissários. Tem o poder de derrubar a Comissão por um voto de censura.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos