Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» La France se penche sur sa guerre d'Algérie

» Injustice française

» Accaparement des méninges

» An 01 de la gauche, on arrête tout, on réfléchit

» « Il Manifesto », le prix de l'engagement

» Des treillis sous les blouses blanches

» Hanoï s'étend vers l'ouest

» Contourner et désenclaver Anvers

» « La France gesticule… mais ne dit rien »

» Russie, un territoire à géographie variable


Edição em inglês


» January: the longer view

» Mutual suspicion in Greece's borderlands

» Border tensions

» Disunited States of America

» The British monarchy's smoke and mirrors

» UK Brexiteers' libertarian goal

» Time to reform the Peruvian system

» Russia's attempted return to Africa

» ASEAN's diplomatic triumph

» When Algerians took to the streets


Edição portuguesa


» Edição de Janeiro de 2021

» O presidente, a saúde e o emprego

» Quem será o próximo inimigo?

» Edição de Dezembro de 2020

» A democracia desigual e os neoliberais autoritários

» A amarga vitória democrata

» A segunda morte da Europa

» Ofereça uma assinatura de 6 meses, apenas €18

» Edição de Novembro de 2020

» A máquina infernal


DOSSIÊ EUROPA

O que é o Parlamento Europeu?

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

O Parlamento não pode redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, econômica ou monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área social

Bernard Cassen - (01/09/2001)

Composto por 626 deputados, o Parlamento Europeu é eleito por sufrágio universal direto desde 1979. Cada mandato tem a duração de cinco anos.

Em conjunto com o Conselho Europeu, o Parlamento participa da elaboração de projetos legislativos comunitários (propostas e decretos), segundo quatro tipos de procedimento:

Consulta simples (por exemplo, o tabelamento anual de preços agrícolas); Cooperação: se o Conselho não levar em conta o parecer do Parlamento, este pode vetar o texto do projeto. O Conselho não pode aprovar uma medida exceto se esta for votada por unanimidade; Co-decisão: caso o Conselho não tenha levado em conta a posição do Parlamento, este pode impedir a adoção do texto. Iniciativa: o Parlamento não tem poder para tomar iniciativas, mas pode solicitar à Comissão Européia que apresente um projeto de proposta ou de decreto.

Parlamento e Conselho

Em última instância, é o Conselho Europeu que delibera sobre as despesas obrigatórias – decorrentes do tratado – da União Européia

O Parlamento não pode, portanto, redigir e adotar por si próprio um decreto ou uma proposta. Seu poder de veto, bastante ampliado pelo Tratado de Amsterdã, não se aplica à política agrícola comum, à política fiscal, à política externa, à defesa ou à união econômica e monetária. Por outro lado, aplica-se a certos dispositivos na área social e ao livre trânsito das pessoas.

Cabe ao Parlamento ratificar qualquer nova adesão à União Européia, bem como a aprovação de acordos externos (desde que obedecido o procedimento dos pareceres).

Embora não exerça controle sobre as receitas do orçamento, pode modificar, dentro de limites estabelecidos, a distribuição e o montante de despesas “não obrigatórias” da União (despesas de funcionamento, de política regional, de pesquisa...), equivalendo a uma quarta parte do total de despesas. Pode propor alterações nas despesas obrigatórias (decorrentes do tratado, tais como a política agrícola). Em última instância, no entanto, é o Conselho que delibera sobre essas despesas. O Parlamento tem poder de decisão sobre o orçamento definitivo, podendo recusá-lo integralmente.

Cabe também ao Parlamento aprovar a composição da Comissão Européia: primeiro, nomeando o seu presidente, e em seguida, todos os comissários. Tem o poder de derrubar a Comissão por um voto de censura.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos