Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Internet: liberdade é controle

» O capitalismo como imensa coleção de perguntas

» Assim os laboratórios torturam animais

» Bolsonaro, o anacronismo genial-idiota

» 10 mandamentos para as elites impenitentes

» As explosões que abalaram a Arábia Saudita

» O que são os “Laboratórios do Comum”

» Trump e Bolsonaro: em busca dos porquês

» Legalidade não faz jus a Brizola

» Como a Estônia concretizou o passe livre

Rede Social


Edição francesa


» Depuis 2010, la majorité de la population est urbaine

» Match démographique : Urugay-Paraguay

» Match démographique : Uruguay-Paraguay

» Chaos postsoviétique

» Richesse et population, un monde à double face

» Machines hostiles

» Refaire le monde à coups de bistouri

» Libye, l'appel du devoir

» La gauche française bute sur l'Europe

» Fédéralisme à l'allemande et évolutions politiques


Edição em inglês


» An end to Mediterranean standoffs?

» The logs of war

» Benjamin Netanyahu, best friend of the far right

» September: the longer view

» Afghan peace talks: Trump tweets, Taliban fights

» An inexhaustible myth in times of extreme adversity

» What happened to social solidarity?

» Sudan: conflict, violence and repression

» Russia's appointed billionaires

» Another end is possible


Edição portuguesa


» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019


DOSSIÊ RIQUEZA

As jornadas de iniciação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

Os rallyes1 existem desde o início da década de 50. Após a II Guerra Mundial, tornou-se cada vez mais difícil a imposição de casamentos excessivamente “arrumados”. Essas jornadas de iniciação, terceira instância da socialização – após a família e a escola – atenuam essa dificuldade. Grupos de jovens, cuidadosamente selecionados, cooptados pelas mães, começam, dos 10 aos 13 anos, por incursões culturais, para terminar em soirées dançantes. Esses passeios culturais são um exemplo perfeito de como se ajustam as diversas formas de capitais. O grupo de crianças pode, por exemplo, ser levado por algumas mães à embaixada da Grã-Bretanha. Recebidos pessoalmente pelo embaixador, que tem vínculos de amizade ou de parentesco com as famílias do rallye, as crianças serão então guiadas por ele próprio para conhecerem as dependências daquele monumento histórico, tombado. Em alguns casos, o curador ou o padre, também próximos das famílias do rallye, conduzem a visita a um museu ou uma igreja.

A economia afetiva da burguesia

O objetivo é claro: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante através de uma aliança que possa romper o fio da dinastia

As crianças aprendem, por exemplo, que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que ela perpassa suas relações de amizade, que suas famílias se sentem em casa em qualquer lugar, sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o dos museus, dos monumentos, das salas de espetáculos. Para essas crianças, a cultura é a vida.

Tanto isso é assim que o rallye atinge quase sempre o seu objetivo: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante, um destino fora do comum, através de uma aliança desastrada que possa romper o fio da dinastia – nobre ou burguesa. Não existe livre iniciativa na economia afetiva da grande burguesia.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos