Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Cachaça, musa maldita

» SUS, 30 anos: Outras Palavras lança Outra Saúde

» O último post

» A intervenção no Rio e sua face (muito) lucrativa

» Uma aventura temerária

» Colômbia, paz ameaçada

» Hora de virar a mesa dos banqueiros

» #Ocupapolítica , entre esquerdistas e pragmáticos

» Crônica da Rússia, à beira da revolução

» Chuva no sertão. cobiça sobre as águas

Rede Social


Edição francesa


» Travail, chômage, le temps du mépris

» Jean-Luc Godard, l'insurgé

» Nouvelle responsabilité des intellectuels

» Dans l'étau des privatisations

» Au miroir du mouvement social de décembre 1995, la part de l'utopie

» « Réformes », « modernité », « globalisation »… vers l'explosion des mots piégés

» La poudre aux yeux de l'évaluation des OGM

» Hommes en quête d'identité

» L'odyssée de John Perry Barlow

» Les indépendants du cinéma direct


Edição em inglês


» Buttering up the Pentagon

» Maxime Robin on the new drugs ‘100 times stronger than heroin'

» The light at the end of the corner

» Chinese New Year, but where's the money?

» Donald Trump offers a helping hand to China and Russia

» How we got Donald Trump

» How we got Donald Trump

» Iran's far-reaching Shia networks

» Iran's far-reaching Shia networks

» Japan's bluefin tuna


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2018

» «Idiotas úteis» do Pentágono

» O papel da Concertação Social

» Edição de Janeiro de 2018

» Recuperar os CTT

» O alvo iraniano

» O eixo Washington-Riade-Telavive

» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião


DOSSIÊ RIQUEZA

As jornadas de iniciação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

Os rallyes1 existem desde o início da década de 50. Após a II Guerra Mundial, tornou-se cada vez mais difícil a imposição de casamentos excessivamente “arrumados”. Essas jornadas de iniciação, terceira instância da socialização – após a família e a escola – atenuam essa dificuldade. Grupos de jovens, cuidadosamente selecionados, cooptados pelas mães, começam, dos 10 aos 13 anos, por incursões culturais, para terminar em soirées dançantes. Esses passeios culturais são um exemplo perfeito de como se ajustam as diversas formas de capitais. O grupo de crianças pode, por exemplo, ser levado por algumas mães à embaixada da Grã-Bretanha. Recebidos pessoalmente pelo embaixador, que tem vínculos de amizade ou de parentesco com as famílias do rallye, as crianças serão então guiadas por ele próprio para conhecerem as dependências daquele monumento histórico, tombado. Em alguns casos, o curador ou o padre, também próximos das famílias do rallye, conduzem a visita a um museu ou uma igreja.

A economia afetiva da burguesia

O objetivo é claro: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante através de uma aliança que possa romper o fio da dinastia

As crianças aprendem, por exemplo, que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que ela perpassa suas relações de amizade, que suas famílias se sentem em casa em qualquer lugar, sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o dos museus, dos monumentos, das salas de espetáculos. Para essas crianças, a cultura é a vida.

Tanto isso é assim que o rallye atinge quase sempre o seu objetivo: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante, um destino fora do comum, através de uma aliança desastrada que possa romper o fio da dinastia – nobre ou burguesa. Não existe livre iniciativa na economia afetiva da grande burguesia.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos