Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Revolução e Democracia, reencontro incerto

» Manifesto: Freedom of Thought For a Democracy With No Fear of Differences

» Quem tem medo de Judith Butler?

» Imprestável

» Desconexão, utopia possível?

» A contribuição singular de Moniz Bandeira

» Da Cidade Segregada à Cidade Insurgente

» Da Cidade Segregada à Cidade Insurgente

» Na Ásia, a disputa geopolítica do século

» A Tropicália é a prova dos nove

Rede Social


Edição francesa


» Les Etats-Unis face au risque de guerre

» Jérusalem perdra-t-elle son caractère œcuménique ?

» Le Laos est devenu un champ d'expérimentation des techniques de lutte anti-insurrectionnelle

» La question des Lieux saints se pose depuis plusieurs siècles

» Comment est né le mythe d'Internet

» L'histoire oubliée de l'autonomie culturelle

» L'axe Washington-Riyad-Tel-Aviv

» Angela Merkel, « ange nouveau » de la démocratie chrétienne

» Cette pesante Constitution américaine

» Litanies électorales par temps de crise


Edição em inglês


» Julien Brygo on India's vast army of servants

» What's the matter with eastern Europe?

» Unfounding Father

» The Trump blame game

» Israel's quest for influence in Africa

» Yemen: humanitarian disaster of Saudi intervention

» Religious wars

» Yemen's dangerous war

» Yemen timeline

» Taiwan likely to legalise same-sex marriage


Edição portuguesa


» Edição de Dezembro de 2017

» O Orçamento, o presente e o futuro

» Guerras de religião

» Assinatura de 6 meses: só €18

» Edição de Novembro de 2017

» O Estado e as catástrofes normais

» Chamar uma vitória pelo nome

» Para onde vão a educação e a ciência no pós-Troika?

» Que SNS temos? Que SNS queremos?

» Ordenar a floresta contra incêndios: não basta a silvicultura


DOSSIÊ RIQUEZA

As jornadas de iniciação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

Os rallyes1 existem desde o início da década de 50. Após a II Guerra Mundial, tornou-se cada vez mais difícil a imposição de casamentos excessivamente “arrumados”. Essas jornadas de iniciação, terceira instância da socialização – após a família e a escola – atenuam essa dificuldade. Grupos de jovens, cuidadosamente selecionados, cooptados pelas mães, começam, dos 10 aos 13 anos, por incursões culturais, para terminar em soirées dançantes. Esses passeios culturais são um exemplo perfeito de como se ajustam as diversas formas de capitais. O grupo de crianças pode, por exemplo, ser levado por algumas mães à embaixada da Grã-Bretanha. Recebidos pessoalmente pelo embaixador, que tem vínculos de amizade ou de parentesco com as famílias do rallye, as crianças serão então guiadas por ele próprio para conhecerem as dependências daquele monumento histórico, tombado. Em alguns casos, o curador ou o padre, também próximos das famílias do rallye, conduzem a visita a um museu ou uma igreja.

A economia afetiva da burguesia

O objetivo é claro: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante através de uma aliança que possa romper o fio da dinastia

As crianças aprendem, por exemplo, que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que ela perpassa suas relações de amizade, que suas famílias se sentem em casa em qualquer lugar, sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o dos museus, dos monumentos, das salas de espetáculos. Para essas crianças, a cultura é a vida.

Tanto isso é assim que o rallye atinge quase sempre o seu objetivo: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante, um destino fora do comum, através de uma aliança desastrada que possa romper o fio da dinastia – nobre ou burguesa. Não existe livre iniciativa na economia afetiva da grande burguesia.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos