Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Quando cientistas sociais assistem a Game of Thrones

» EUA x China: o que pode tirar o sono de Trump

» Como construir uma internet sem violência?

» A independência radical de Luiz Rosemberg Filho

» Uber: assim começam as greves do futuro

» O conto de fadas de Paulo Guedes

» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

Rede Social


Edição francesa


» Enjeux et acteurs de la sécurité en Afrique

» Interventions militaires françaises en Afrique

» Fonds européen de développement

» Image de la France en Afrique

» Ressortissants français en Afrique

» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


DOSSIÊ RIQUEZA

As jornadas de iniciação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

As crianças aprendem que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que perpassa as relações de amizade, que suas famílias são sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o da cultura

Michel Pinçon , Monique Pinçon-Charlot - (01/09/2001)

Os rallyes1 existem desde o início da década de 50. Após a II Guerra Mundial, tornou-se cada vez mais difícil a imposição de casamentos excessivamente “arrumados”. Essas jornadas de iniciação, terceira instância da socialização – após a família e a escola – atenuam essa dificuldade. Grupos de jovens, cuidadosamente selecionados, cooptados pelas mães, começam, dos 10 aos 13 anos, por incursões culturais, para terminar em soirées dançantes. Esses passeios culturais são um exemplo perfeito de como se ajustam as diversas formas de capitais. O grupo de crianças pode, por exemplo, ser levado por algumas mães à embaixada da Grã-Bretanha. Recebidos pessoalmente pelo embaixador, que tem vínculos de amizade ou de parentesco com as famílias do rallye, as crianças serão então guiadas por ele próprio para conhecerem as dependências daquele monumento histórico, tombado. Em alguns casos, o curador ou o padre, também próximos das famílias do rallye, conduzem a visita a um museu ou uma igreja.

A economia afetiva da burguesia

O objetivo é claro: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante através de uma aliança que possa romper o fio da dinastia

As crianças aprendem, por exemplo, que a cultura é um elemento inseparável de suas vidas, que ela perpassa suas relações de amizade, que suas famílias se sentem em casa em qualquer lugar, sempre acolhidas com a maior deferência, que existe uma afinidade profunda entre o seu dia-a-dia e o dos museus, dos monumentos, das salas de espetáculos. Para essas crianças, a cultura é a vida.

Tanto isso é assim que o rallye atinge quase sempre o seu objetivo: orientar os jovens para que não arruínem um futuro brilhante, um destino fora do comum, através de uma aliança desastrada que possa romper o fio da dinastia – nobre ou burguesa. Não existe livre iniciativa na economia afetiva da grande burguesia.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos