Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

» A distopia da aceleração está a caminho?

» Geopolítica das próximas Guerras pela Água

» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

Rede Social


Edição francesa


» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


DOSSIÊ RIQUEZA

“A parte do leão”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dirigentes políticos ocidentais dão a entender que a liberalização do mercado de capitais teve por objetivo irrigar os países do Terceiro Mundo com prosperidade e alegria. Segundo o FMI, essa irrigação é dirigida para os Estados Unidos

Serge Halimi - (01/09/2001)

Segundo o FMI, os EUA “beneficiaram-se, no ano 2000, de 64% das exportações líquidas de capitais, contra 35%, em média, entre 1992 e 1997”

Somam-se e acumulam-se notícias da área econômica que demonstram que a imprecisão de certas análises e previsões nem sempre é desinteressada. Na França e nos Estados Unidos, por exemplo, em nome de excedentes e bônus fiscais adicionais, não previstos no orçamento, foi reduzido – sem qualquer discussão – o imposto dos mais ricos. Depois, é claro, como os excedentes previstos se irão evaporar à medida que o ritmo da economia diminuir, cortam-se as despesas da área social. Com a esperança de restabelecer, dessa forma, um equilíbrio orçamentário já comprometido por gentilezas fiscais que poderiam nem ser questionadas, caso não fossem dirigidas com tanta precisão1.

Também as exportações de capitais internacionais foram dirigidas com bastante precisão. Alguns dirigentes políticos ocidentais, às vezes dão a entender que a liberalização do mercado de capitais teve por único e exclusivo objetivo o de permitir-lhes irrigar os países do Terceiro Mundo, semeando-os com prosperidade e alegria. No entanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) acaba de revelar a identidade desse país tão necessitado, rumo ao qual convergem as esmolas do mundo inteiro. Os Estados Unidos – pois é, naturalmente, desse país que se trata –, segundo o FMI, “beneficiaram-se, no ano 2000, de 64% das exportações líquidas de capitais, contra 60% em 1999 e cerca de 35%, em média, entre 1992 e 19972”. Embora raramente inspirado do ponto de vista semântico, o FMI fala da “parte do leão”.

Moral: pode ser que todo mundo esteja equivocado, mas assim mesmo é preferível ser rico e norte-americano.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos