Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


DOSSIÊ RIQUEZA

“A parte do leão”

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Dirigentes políticos ocidentais dão a entender que a liberalização do mercado de capitais teve por objetivo irrigar os países do Terceiro Mundo com prosperidade e alegria. Segundo o FMI, essa irrigação é dirigida para os Estados Unidos

Serge Halimi - (01/09/2001)

Segundo o FMI, os EUA “beneficiaram-se, no ano 2000, de 64% das exportações líquidas de capitais, contra 35%, em média, entre 1992 e 1997”

Somam-se e acumulam-se notícias da área econômica que demonstram que a imprecisão de certas análises e previsões nem sempre é desinteressada. Na França e nos Estados Unidos, por exemplo, em nome de excedentes e bônus fiscais adicionais, não previstos no orçamento, foi reduzido – sem qualquer discussão – o imposto dos mais ricos. Depois, é claro, como os excedentes previstos se irão evaporar à medida que o ritmo da economia diminuir, cortam-se as despesas da área social. Com a esperança de restabelecer, dessa forma, um equilíbrio orçamentário já comprometido por gentilezas fiscais que poderiam nem ser questionadas, caso não fossem dirigidas com tanta precisão1.

Também as exportações de capitais internacionais foram dirigidas com bastante precisão. Alguns dirigentes políticos ocidentais, às vezes dão a entender que a liberalização do mercado de capitais teve por único e exclusivo objetivo o de permitir-lhes irrigar os países do Terceiro Mundo, semeando-os com prosperidade e alegria. No entanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) acaba de revelar a identidade desse país tão necessitado, rumo ao qual convergem as esmolas do mundo inteiro. Os Estados Unidos – pois é, naturalmente, desse país que se trata –, segundo o FMI, “beneficiaram-se, no ano 2000, de 64% das exportações líquidas de capitais, contra 60% em 1999 e cerca de 35%, em média, entre 1992 e 19972”. Embora raramente inspirado do ponto de vista semântico, o FMI fala da “parte do leão”.

Moral: pode ser que todo mundo esteja equivocado, mas assim mesmo é preferível ser rico e norte-americano.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos