Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Capital, pandemia e os papéis do feminismo

» Na pandemia, fermenta o Comum

» Literatura periférica, borbulhante e singular

» Epidemias e a queda do céu

» A Quarentena, o desencanto e os homens de gravata

» Contra o cinismo de 1%, a Reforma Tributária

» O fantasma de 1929 está vivo

» Contra a pandemia, a opção solidária

» Pandemia implodirá a Segurança Pública?

» Filmes para desembrutecer o coração

Rede Social


Edição francesa


» Punir le viol

» Stefan Zweig ou l'horreur de la politique

» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Somos a América, saia da frente!

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Aperfeiçoaremos o sonho da energia nuclear. Depositaremos o lixo tóxico onde e quando decidirmos. Poderá apodrecer ao ar livre, em imensas planícies, durante milênios. Teremos os maiores e mais perversos mísseis e os apontaremos para onde quisermos.

Maureen Dowd - (01/10/2001)

Se o mundo se aquecer, ligaremos o ar condicionado (fomos nós que inventamos o ar condicionado). Correremos, em nossos carros, com ar condicionado

Nós queremos muito, queremos depressa, queremos ir longe, queremos imediatamente. Queremos motores V-8 de 345 cavalos. Dirigimos monstros de quatro rodas. Somos os únicos ao volante. Não temos limites. Temos liberdades.

Se o aumento do nível dos oceanos fizer submergir o litoral, nossos geólogos marinhos esculpirão outro e isso inspirará idéias brilhantes de filmes-catástrofe a Hollywood. Se queimarmos a pele tomando sol, nossos dermatologistas nos implantarão uma nova. Se o mundo se aquecer, ligaremos o ar condicionado (fomos nós que inventamos o ar condicionado). Correremos ainda mais rápido em nossos carros gigantes, e com ar condicionado, rumo às novas praias criadas por nossos geólogos marinhos.

Aperfeiçoaremos o sonho da energia nuclear. Depositaremos nosso lixo tóxico onde e quando decidirmos. Temos Estados inteiros que não servem senão para depósitos ancestrais dos nossos rios. O lixo poderá apodrecer ao ar livre, nessas imensas planícies, durante milênios.

Teremos os maiores e mais perversos mísseis, e os apontaremos na direção que quisermos, para as galáxias, para a eternidade, para todo o sempre.

Militarizando o espaço e protegendo os satélites, garantiremos a vida, a liberdade e a busca da felicidade: 500 canais de TV vindos do espaço infinito

Lançaremos quantos satélites bem entendermos ao espaço e os protegeremos com um escudo de ogivas nucleares.

Garantiremos conexões mais rápidas com a Internet. Não permitiremos que ninguém, nem o que quer que seja, impeça o acesso aos nossos computadores, aos nossos Palm Pilots e BlackBerrys, para atender a necessidades essenciais: cotações da Bolsa, resultados esportivos, preço dos imóveis, receitas de cozinha e pornografia (tudo bem, não inventamos a pornografia).

Militarizando o espaço e protegendo nossos satélites, garantiremos a vida, a liberdade e a busca da felicidade: os nossos 500 canais de televisão vindos do espaço infinito. Modificaremos os alimentos a nosso bel prazer, os exportaremos para onde bem entendermos e a preços que nós, e somente nós, estipularemos, nas quantidades que escolhermos.

Nossos braços financeiros internacionais, o Banco Mundial e o FMI, apoiarão qualquer ditadura que nos convenha.

Compraremos, carregaremos, esconderemos e usaremos qualquer arma de fogo, onde e quando quisermos, pois é um direito constitucionalmente garantido (nós inventamos a Constituição). Executaremos criminosos quando assim o decidirmos, por injeção letal ou cadeira elétrica (nós inventamos a eletricidade). Nós somos a América.
(Trad.: Denise Lotito)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos