Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

Rede Social


Edição francesa


» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Solidariedade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Por ocasião da guerra das Malvinas, os Estados Unidos esqueceram a solidariedade devida a um país americano, prevista na Declaração da OEA, e apoiaram inequivocamente a agressão extra-continental de Margaret Thatcher

Maurice Lemoine - (01/10/2001)

A Declaração da Otan não induz a um envolvimento automático, uma vez que cabe a cada nação agir “pelos meios que julgar convenientes”

No dia 12 de setembro de 2001, pela primeira vez em sua história, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) tomou a decisão de mobilizar a sua engrenagem de solidariedade militar. Em apoio dos Estados Unidos. Composto pelos embaixadores dos 19 países membros, que se reuniram por solicitação de Washington, o Conselho Atlântico explicou que os atentados que abalaram as cidades norte-americanas serão comparados a uma ação prevista pelo Artigo 5 do Tratado de Washington, uma vez que seja estabelecido que o ataque foi dirigido a partir do exterior. O Artigo 5 do citado texto, assinado em 4 de abril de 1949, estipula que as partes “decidem que um ataque armado, contra uma ou várias delas, que ocorra na Europa ou na América do Norte será considerado como um ataque dirigido contra todas as partes e, conseqüentemente, decidem que se tal ataque ocorrer, cada uma das partes, no exercício do direito de legítima defesa, individual ou coletiva, reconhecido pelo Artigo 51 da Declaração das Nações Unidas, dará assistência à parte ou partes atacadas, adotando de imediato, de forma individual e de acordo com as outras partes, a ação que julgar necessária, inclusive o uso da força armada, para restabelecer a segurança na região Norte do Atlântico”.

O texto não induz a uma participação automática, uma vez que cabe a cada nação agir “pelos meios que julgar convenientes1” e também porque os Estados Unidos afirmaram claramente que serão eles que dirigirão as operações que vierem a ser desencadeadas. Não há qualquer dúvida, no entanto – para o melhor ou para o pior e existindo ou não acordo entre os aliados políticos sobre os objetivos de guerra –, que as represálias norte-americanas irão envolver os 19 países da Aliança Atlântica. Em nome de uma solidariedade inequívoca, imediatamente manifestada.

Também se poderia imaginar, em nome da solidariedade, o Tio Sam lançando-se em ajuda a Cuba, vítima de ataques terroristas há várias décadas

Solidariedade por solidariedade, não é inútil lembrar que esse mesmo espírito se encontra na Declaração da Organização dos Estados Americanos (OEA): “Qualquer agressão por parte de um país contra a integridade ou inviolabilidade, ou contra a soberania ou independência política, de um Estado americano, será considerada um ato de agressão contra os outros Estados americanos2.” Mas a comparação termina aí. Por ocasião da guerra das Malvinas (2 de abril a 14 de junho de 1982), que confrontou a Grã-Bretanha à Argentina com relação às Ilhas Malvinas – reivindicadas por Buenos Aires desde sua ocupação pelos ingleses em 1833 – Washington esqueceu a OEA e apoiou inequivocamente a agressão extra-continental de Margaret Thatcher. Também se poderia imaginar o Tio Sam lançando-se em ajuda a Cuba, vítima de ataques terroristas há várias décadas, ou à Nicarágua, que passa pela mesma situação desde a década de 80. Ou talvez até intervindo para impedir a invasão do Panamá – de 3.000 a 4.000 mortos – para prender... um traficante (o general Manuel Antonio Noriega). O que nunca ocorreu. Sabe-se lá por quê...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Declaração de Alain Richard, ministro da Defesa da França, a Le Monde, em 15 de setembro de 2001.
2 - Capítulo VI, Artigo 28 (Da Segurança Coletiva).




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos