Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Nem todo Uber é capitalista

» Comuns, alternativa à razão neoliberal

» “Nova” ultradireita, filha dos neoliberais

» Como os PMs são formados para a incivilidade

» Cinema: três filmes para olhar além da fronteira

» Pacote Guedes (1): Uma distopia cujo tempo passou

» Pacote Guedes (2): Unidos pelo fundamentalismo

» A execução de Baghdadi e o autoengano do Ocidente

» Por que fracassou o mega-leilão do Pré-Sal

» O alento de Mafalda, a rebeldia chilena e… o Brasil

Rede Social


Edição francesa


» Il y a cent cinquante ans, la révolte des cipayes

» Hôpital entreprise contre hôpital public

» Dernières nouvelles de l'Utopie

» Très loin des 35 heures

» Qui a profité de l'unification allemande ?

» Chantages ordinaires chez General Motors

» Gagnants et perdants de l'ouverture chinoise

» L'islam au miroir de la télévision

» Laïcité et égalité, leviers de l'émancipation

» Insécurité sociale programmée


Edição em inglês


» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes

» A firm too good to be true

» In the GDR, old debts and big profits


Edição portuguesa


» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa

» A Expo'98 e o Parque das Nações: Estado, gentrificação e memória urbana

» Uma história do Habita

» «Ficar sem Tecto»: as demolições no Bairro 6 de Maio

» Gentrificação e turistificação: o caso do Bairro Alto em Lisboa


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Vozes discordantes

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

“Sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos”, avalia, criticamente, James Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa norte-americano

Philip S.Golub - (01/10/2001)

Em plena histeria de guerra, é difícil chamar os Estados Unidos à razão. E, no entanto, algumas vozes discordantes se fazem ouvir. Robert Reich, ex-ministro do Trabalho, afirma: “Talvez os Estados Unidos estejam em guerra, mas se o castigo e os nossos discursos forem entendidos como ações dirigidas contra a totalidade do mundo árabe, então os terroristas terão conseguido o que queriam1.” O diretor do jornal International Herald Tribune, David Ignatius, escreveu: “É muito fácil começar uma guerra, mas é difícil terminá-la. Essa é uma regra que os terroristas foram inteligentes em não esquecer e que deveria orientar os dirigentes norte-americanos2.” William Pfaff, editorialista do Los Angeles Times, salienta que, há mais de trinta anos “os Estados Unidos vêm se recusando a fazer um esforço realmente imparcial para encontrar uma solução para o conflito [entre israelenses e palestinos]. Envolveram-se de mil maneiras no Oriente Médio, mas nunca agiram de forma justa3”.

Um governo autista e obcecado

O que acontecerá quando começarem as operações de guerra? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...

James R. Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa, pensa da mesma forma: “Estamos colhendo os frutos de um problema que nunca chegou a ser identificado, pois sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos. E a política externa norte-americana corre o sério risco de alimentar a cólera no mundo árabe4.” Para a escritora Susan Sontag, “os Estados Unidos nunca pareceram estar tão distantes de compreender a realidade5”. Já o general Anthony Zinni, ex-comandante-em-chefe do Estado-Maior das forças armadas norte-americanas, adverte: “Não podemos simplesmente chegar lá e arrasar um país; uma ação militar que não leve em conta a integração dos fatores econômicos e políticos regionais somente iria perpetuar o problema6.”

De momento, essas vozes não alcançam os ouvidos de um governo autista e obcecado pela guerra, nem os de um país pronto para os mais pesados sacrifícios. O que acontecerá quando começarem as operações? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Declaração à rádio pública PBS, em 13 de setembro de 2001.
2 - IHT, 12 de setembro de 2001.
3 - IHT, 12 de setembro de 2001.
4 - Le Figaro, 17 de setembro de 2001.
5 - International Herald Tribune, Paris, 17 de setembro de 2001.
6 - The Washington Post, 14 de setembro de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos