Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A desigualdade brasileira posta à mesa

» Fagulhas de esperança na longa noite bolsonarista

» 1 de setembro de 2020

» O fim do mundo e o indiscreto racismo das elites

» O milagre da multiplicação de bilhões — para os bancos

» Movimento sindical em tempos de tormenta

» 31 de agosto de 2020

» A crucificação de Julian Assange

» Nuestra America: os cinco séculos de solidão

» Ir além do velho mundo: lições da pandemia

Rede Social


Edição francesa


» Délire partisan dans les médias américains

» L'Amérique latine a choisi l'escalade révolutionnaire localisée

» Le national-conservatisme s'ancre dans la société hongroise

» Au Venezuela, la tentation du coup de force

» « Tout ce qu'ils nous proposent, c'est de devenir flics ! »

» Les loups solitaires de Boston

» Le Front national sur un plateau

» Karl Kraus, contre l'empire de la bêtise

» Hors-la-loi

» Révolte américaine contre les ogres du fast-food


Edição em inglês


» Nagorno-Karabakh conflict: its meaning to Armenians

» How will the US counter China?

» October: the longer view

» America, year 2020

» The ministry of American colonies

» America, the panic room

» Independent only in name

» An election result that won't be accepted

» Into the woods, it's nearly midnight

» Canada's cancel culture


Edição portuguesa


» Um resultado que ninguém aceitará

» Edição de Outubro de 2020

» Distâncias à mesa do Orçamento

» Falsas independências

» Trabalho na cultura: estatuto intermitente, precariedade permanente?

» RIVERA

» Edição de Setembro de 2020

» Cuidar dos mais velhos: por uma rede pública e universal

» Restauração em Washington?

» Cabo Delgado: névoa de guerra, tambores de internacionalização


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Vozes discordantes

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

“Sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos”, avalia, criticamente, James Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa norte-americano

Philip S.Golub - (01/10/2001)

Em plena histeria de guerra, é difícil chamar os Estados Unidos à razão. E, no entanto, algumas vozes discordantes se fazem ouvir. Robert Reich, ex-ministro do Trabalho, afirma: “Talvez os Estados Unidos estejam em guerra, mas se o castigo e os nossos discursos forem entendidos como ações dirigidas contra a totalidade do mundo árabe, então os terroristas terão conseguido o que queriam1.” O diretor do jornal International Herald Tribune, David Ignatius, escreveu: “É muito fácil começar uma guerra, mas é difícil terminá-la. Essa é uma regra que os terroristas foram inteligentes em não esquecer e que deveria orientar os dirigentes norte-americanos2.” William Pfaff, editorialista do Los Angeles Times, salienta que, há mais de trinta anos “os Estados Unidos vêm se recusando a fazer um esforço realmente imparcial para encontrar uma solução para o conflito [entre israelenses e palestinos]. Envolveram-se de mil maneiras no Oriente Médio, mas nunca agiram de forma justa3”.

Um governo autista e obcecado

O que acontecerá quando começarem as operações de guerra? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...

James R. Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa, pensa da mesma forma: “Estamos colhendo os frutos de um problema que nunca chegou a ser identificado, pois sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos. E a política externa norte-americana corre o sério risco de alimentar a cólera no mundo árabe4.” Para a escritora Susan Sontag, “os Estados Unidos nunca pareceram estar tão distantes de compreender a realidade5”. Já o general Anthony Zinni, ex-comandante-em-chefe do Estado-Maior das forças armadas norte-americanas, adverte: “Não podemos simplesmente chegar lá e arrasar um país; uma ação militar que não leve em conta a integração dos fatores econômicos e políticos regionais somente iria perpetuar o problema6.”

De momento, essas vozes não alcançam os ouvidos de um governo autista e obcecado pela guerra, nem os de um país pronto para os mais pesados sacrifícios. O que acontecerá quando começarem as operações? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Declaração à rádio pública PBS, em 13 de setembro de 2001.
2 - IHT, 12 de setembro de 2001.
3 - IHT, 12 de setembro de 2001.
4 - Le Figaro, 17 de setembro de 2001.
5 - International Herald Tribune, Paris, 17 de setembro de 2001.
6 - The Washington Post, 14 de setembro de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos