Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

» “Atire na cabeça!”

» Um reino de farsas e encenações necessárias

» Jogue no Google, senhor ministro

» Religião, violência e loucura

» O consenso pela Educação acabou

» O dia em que o governo perdeu as ruas

» Galeria: Brasil nas ruas

» Um governo tóxico

Rede Social


Edição francesa


» Mais pourquoi cette haine des marchés ?

» Les militants français confrontés à la logique de l'entreprise

» Une machine infernale

» Pour sauver la société !

» Des réformes qui ne sont pas allées assez loin

» Controverses et débats en Allemagne

» Un nouveau maître à penser : l'entreprise

» Le problème de l'épuisement des matières premières peut, aujourd'hui, être envidagé avec un optimisme relatif

» Incontrôlable avant l'an 2000, l'explosion démographique accroit le risque d'une double catastrophe mondiale

» L'esprit humain est capable de s'adapter assez facilement à des conditions de vie de plus en plus complexes


Edição em inglês


» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine

» Chile's day of women

» Notre Dame is my neighbour


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Vozes discordantes

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

“Sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos”, avalia, criticamente, James Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa norte-americano

Philip S.Golub - (01/10/2001)

Em plena histeria de guerra, é difícil chamar os Estados Unidos à razão. E, no entanto, algumas vozes discordantes se fazem ouvir. Robert Reich, ex-ministro do Trabalho, afirma: “Talvez os Estados Unidos estejam em guerra, mas se o castigo e os nossos discursos forem entendidos como ações dirigidas contra a totalidade do mundo árabe, então os terroristas terão conseguido o que queriam1.” O diretor do jornal International Herald Tribune, David Ignatius, escreveu: “É muito fácil começar uma guerra, mas é difícil terminá-la. Essa é uma regra que os terroristas foram inteligentes em não esquecer e que deveria orientar os dirigentes norte-americanos2.” William Pfaff, editorialista do Los Angeles Times, salienta que, há mais de trinta anos “os Estados Unidos vêm se recusando a fazer um esforço realmente imparcial para encontrar uma solução para o conflito [entre israelenses e palestinos]. Envolveram-se de mil maneiras no Oriente Médio, mas nunca agiram de forma justa3”.

Um governo autista e obcecado

O que acontecerá quando começarem as operações de guerra? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...

James R. Schlesinger, ex-diretor da CIA e do Ministério da Defesa, pensa da mesma forma: “Estamos colhendo os frutos de um problema que nunca chegou a ser identificado, pois sempre nos contentamos em denunciar os terroristas como bad boys, sem nos interessarmos em compreender os seus motivos. E a política externa norte-americana corre o sério risco de alimentar a cólera no mundo árabe4.” Para a escritora Susan Sontag, “os Estados Unidos nunca pareceram estar tão distantes de compreender a realidade5”. Já o general Anthony Zinni, ex-comandante-em-chefe do Estado-Maior das forças armadas norte-americanas, adverte: “Não podemos simplesmente chegar lá e arrasar um país; uma ação militar que não leve em conta a integração dos fatores econômicos e políticos regionais somente iria perpetuar o problema6.”

De momento, essas vozes não alcançam os ouvidos de um governo autista e obcecado pela guerra, nem os de um país pronto para os mais pesados sacrifícios. O que acontecerá quando começarem as operações? Quando a guerra do Vietnã começou, também havia um clima de euforia...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Declaração à rádio pública PBS, em 13 de setembro de 2001.
2 - IHT, 12 de setembro de 2001.
3 - IHT, 12 de setembro de 2001.
4 - Le Figaro, 17 de setembro de 2001.
5 - International Herald Tribune, Paris, 17 de setembro de 2001.
6 - The Washington Post, 14 de setembro de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos