Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?

» Offensive sur l'or noir africain

» Un Syrien sur cinq a quitté son pays

» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


LIVROS

Os crimes de guerra de Kissinger

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Não há mais qualquer dúvida quanto à responsabilidade direta de Kissinger na prorrogação, injustificada, da guerra do Vietnã, nas operações de assassinato e subversão da democracia no Chile, ou quanto à sua cumplicidade no genocídio em Timor Leste

Ibrahim Warde - (01/10/2001)

De passagem por Paris em maio, o ex-secretário de Estado recebeu a visita da brigada criminal, que lhe entregou uma intimação de um juiz francês

Em sua última obra, destinada a ser o breviário dos diplomatas do século XXI, Henry Kissinger deixa de lado seu tom douto e frio quando evoca a recente ingerência do princípio da “jurisdição universal” nas relações internacionais1. O ex-secretário de Estado norte-americano se enfurece quando fala da prisão em Londres, em 1998, de seu protegido, o general chileno Augusto Pinochet, por ordem de um juiz da Espanha (“um país de passado duvidoso”). Afirma que o discurso sobre os direitos humanos (cuja paternidade, aliás, reivindica) deveria “servir, antes de tudo, como arma diplomática fornecida aos cidadãos dos países comunistas para que pudessem combater o regime soviético, e não como arma legal que pode ser utilizada contra dirigentes políticos diante dos tribunais de um terceiro país”. No entanto, em outro parágrafo mais adiante, afirma que é imperativo, hoje, impedir que “os princípios do direito sejam utilizados para fins políticos”.

Se a análise é confusa, e até contraditória, isso se deve, sem dúvida, à inquietação que Kissinger sente desde o caso Pinochet. De fato, quando estava de passagem por Paris, no dia 28 de maio de 2001, o ex-secretário de Estado recebeu a visita da brigada criminal, que lhe entregou uma intimação do juiz Roger Le Loire. Convidado a comparecer ao Palácio da Justiça para testemunhar sobre o caso do desaparecimento de cinco franceses no Chile, Kissinger, que havia criado o Plano Condor - rede de caça aos opositores nas seis ditaduras militares da América Latina (Chile, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina) –, absteve-se de responder. Deixou a França precipitadamente, no dia seguinte.

Diretamente responsável

O jornalista Christopher Hitchens fez o levantamento das manobras que poderiam constituir crimes de guerra, crimes contra a humanidade etc...

O jornalista britânico Christopher Hitchens fez o levantamento das manobras censuráveis do “mago da diplomacia” que, pelos parâmetros da nova jurisprudência internacional, poderiam constituir crimes de guerra, crimes contra a humanidade ou outros delitos da alçada dos tribunais2. Suas revelações, baseadas essencialmente em documentos oficiais norte-americanos liberados há pouco para consulta, contradizem as versões que o interessado apresenta nos três volumes de memória, tão maciços quanto tendenciosos.

Na realidade, a carreira política do homem que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1973 foi marcada pelo culto à violência e ao sigilo. Não há mais qualquer dúvida quanto à responsabilidade direta de Kissinger na prorrogação (injustificada, do ponto de vista estratégico) da guerra do Vietnã e sua extensão ao Camboja e ao Laos, nas operações de assassinato e subversão da democracia no Chile, em Chipre, na Grécia e em Bangladesh, ou quanto à sua cumplicidade no genocídio em Timor Leste.

E no entanto, terá o ex-secretário de Estado o mesmo destino dos Pinochet e de outros Milosevic? Com certeza, não. Mas o diplomata mais famoso do mundo é um homem preocupado, senão acuado. A partir de agora, quando percorre o planeta para pontificar, ao preço de 60 mil reais por hora, ele evita qualquer país cuja justiça possa importuná-lo. E se, até o presente, gozava de uma perfeita reverência por parte dos meios de comunicação, agora deve exigir de seus entrevistadores o compromisso, por escrito, de que não lhe farão perguntas que se relacionem, direta ou indiretamente, com o livro de Christopher Hitchens ou com os assuntos por este abordados.
(Trad.: Iraci D. Poleti)

1 - Does America Need a Foreign Policy? Toward a Diplomacy for the 21st Century, de Henry Kissinger, ed. Simon & Schuster, Nova York, 2001.
2 - Les Crimes de Monsieur Kissinger, de Christopher Hitchens, Editions Saint-Simon, Paris, 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos