Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Chile conquista Constituinte – mas qual?

» O peculiar totalitarismo do século XXI

» Quem poderá salvar Veneza?

» Bolívia: não despreze a resistência

» O adereço de Guedes e o sentido do governo

» O Chile Rebelde quer ir além

» É possível pensar o Brasil após o neoliberalismo?

» América Latina: Povo sem pernas, mas que caminha

» Cinema: Entre a cruz e o maracatu rural

» Atingida por barragem e acossada pelos poderosos

Rede Social


Edição francesa


» Séisme sur les retraites en Argentine et au Chili

» Ce nouveau parti qui bouscule le paysage politique allemand

» La figure imposée du dernier poilu

» Les dossiers enterrés de Tchernobyl

» Une femme à la barre de l'Argentine

» La Chine au miroir de l'Occident

» « Choc des civilisations », à l'origine d'un concept

» Les Allemands de l'Est saisis par l'Ostalgie

» A Berlin, le face-à-face des intellectuels de l'Est et de l'Ouest

» Réveil politique à l'Est


Edição em inglês


» The fall of liberal triumphalism

» Sarah Seo on Americans, their cars and the law

» November: the longer view

» Ibrahim Warde on the rise and fall of Abraaj

» Fighting ISIS: why soft power still matters

» Life as a company troll

» The imperial magazine

» Setting Socrates against Confucius

» Price of freedom on the road

» Global business of bytes


Edição portuguesa


» Golpe de Estado contra Evo Morales

» Será que a esquerda boliviana produziu os seus coveiros?

» A era dos golpes de Estado discretos

» Pequeno manual de desestabilização na Bolívia

» No Brasil, os segredos de um golpe de Estado judiciário

» Edição de Novembro de 2019

» Sempre uma coisa defronte da outra

» OTAN: até quando?

» Alojamento local-global: especulação imobiliária e desalojamento

» Rumo a uma governança participativa da vida nocturna de Lisboa


LIVROS

Panorama do marxismo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Do final da II Guerra Mundial até meados da década de 70, o marxismo prosperou, principalmente no sul da Europa e na América Latina, e, de maneira inesperada, foi para o universo anglo-saxão, deslocando-se de seu centro de gravidade

Alain Bihr - (01/10/2001)

Quantas vezes, desde 1883, se terá anunciado, para alegria ou desespero, a morte de Marx? No entanto, a julgar pelo mercado editorial atual, a referência à obra de Marx continua surpreendentemente viva. Prova disso é o Dictionnaire Marx Contemporain que, sob a coordenação de Jacques Bidet e Eustache Kouvélakis1, analisa as mudanças das últimas décadas. Dicionário: o termo não é muito apropriado, uma vez que a obra não organiza artigos temáticos em ordem alfabética. Trata-se, principalmente, de uma espécie de panorama das “formas diversas, muitas vezes subterrâneas, a exemplo da obra da célebre toupeira da história, por meio das quais os debates teóricos das três últimas décadas trabalharam e continuam a trabalhar a referência [a Marx]”.

Essas mudanças, estudadas na primeira parte do livro, são de ordem geopolítica e temática. Do final da II Guerra Mundial até meados da década de 70, o marxismo prosperou, sobretudo no sul da Europa e na América Latina, e, de maneira inesperada, foi para o universo anglo-saxão, deslocando-se de seu centro de gravidade ao longo das duas décadas seguintes. Isso levou a formas originais de marxismo, tais como o marxismo analítico, retomado especialmente por Alex Callinocos; ou ainda problemas heterodoxos, como o “socialismo de mercado”, sobre o qual Tony Andréani se debruça. O marxismo teve a oportunidade de se defrontar com novos contextos sociais, políticos e culturais e ainda dar conta de fenômenos que saíam habitualmente do campo de sua reflexão, tais como a violência racista, a dominação masculina e a crise ambiental

A “evolução” do pensamento de Marx

O livro é um panorama de “formas subterrâneas, como a da célebre toupeira da história, por meio das quais se continua a trabalhar a referência a Marx”

A segunda parte da obra – a mais importante por sua amplitude –, denominada “Configurações”, é também, sem dúvida, a mais original. Ela explora “as conexões do ‘marxismo’ com seu alter”; em outras palavras, o processo pelo qual a referência a Marx impregna, a maioria das vezes implicitamente e até mesmo inconscientemente, toda uma série de correntes teóricas e políticas contemporâneas; e, reciprocamente, como essas mesmas correntes, por sua vez, alimentaram e trabalharam o marxismo. Dessa maneira, são questionados os encontros, ora conflituosos, ora osmóticos, entre marxismo e ecologia, marxismo e feminismo, marxismo e pós-colonialismo, marxismo e teologia da libertação etc. Do todo, emana a idéia de que nenhum aspecto das transformações do mundo contemporâneo seria estranho ao marxismo, mesmo que ele não seja sempre o mais indicado para abordá-los. A herança deixada por Marx revelou-se fecunda, ainda que à custa do abandono de qualquer sonho (ou pesadelo) de uma ortodoxia qualquer.

A terceira parte do livro investiga como a referência a Marx está presente em um certo número das mais importantes obras teóricas, quer seus autores defendam, de uma maneira ou de outra, o marxismo (tais como Louis Althusser ou Henri Lefebvre), ou o critiquem (tais como Michel Foucault, Gilles Deleuze e Pierre Bourdieu). A escolha das obras, evidentemente arbitrária, continua marcada por um certo centrismo-europeu (somente um artigo é consagrado a um autor não-europeu, o economista japonês Kozo Uno), quando seria esperada uma maior abertura para que se possa compreender a “evolução mundial” do pensamento de Marx.

Terminando com uma ampla bibliografia e, sobretudo, com uma lista dos periódicos e revistas que mantêm uma relação com a obra de Marx em todo o mundo, o Dictionnaire Marx Contemporain cumpre perfeitamente sua função de ferramenta de trabalho para todos aqueles que pretendem continuar a compreender o mundo contemporâneo com o objetivo de transformá-lo em um sentido emancipador.
(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Dictionnaire Marx Contemporain, coord. Jacques Bidet e Eustache Kouvékalis, ed. Presses Universitaires de France (PUF), col. “Actuel Marx Confrontation”, Paris, 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos