Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Le devoir de paresse

» Ainsi nos jours sont comptés

» Au Brésil, des collectionneurs d'art très courtisés

» Fantômes russes dans l'isoloir ukrainien

» Bernard Madoff, à la barbe des régulateurs de la finance

» Les famines coloniales, génocide oublié

» LTCM, un fonds au-dessus de tout soupçon

» Récalcitrante Ukraine

» Europe de l'Est : un bilan positif sur le plan social mais négatif dans le domaine des droits politiques

» La crise russo-ukrainienne accouchera-t-elle d'un nouvel ordre européen ?


Edição em inglês


» Rojava's suspended future

» Biden's Middle East challenges

» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger


Edição portuguesa


» "Catarina e a beleza de matar fascistas": o teatro a pensar a política

» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021


LIVROS

Panorama do marxismo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Do final da II Guerra Mundial até meados da década de 70, o marxismo prosperou, principalmente no sul da Europa e na América Latina, e, de maneira inesperada, foi para o universo anglo-saxão, deslocando-se de seu centro de gravidade

Alain Bihr - (01/10/2001)

Quantas vezes, desde 1883, se terá anunciado, para alegria ou desespero, a morte de Marx? No entanto, a julgar pelo mercado editorial atual, a referência à obra de Marx continua surpreendentemente viva. Prova disso é o Dictionnaire Marx Contemporain que, sob a coordenação de Jacques Bidet e Eustache Kouvélakis1, analisa as mudanças das últimas décadas. Dicionário: o termo não é muito apropriado, uma vez que a obra não organiza artigos temáticos em ordem alfabética. Trata-se, principalmente, de uma espécie de panorama das “formas diversas, muitas vezes subterrâneas, a exemplo da obra da célebre toupeira da história, por meio das quais os debates teóricos das três últimas décadas trabalharam e continuam a trabalhar a referência [a Marx]”.

Essas mudanças, estudadas na primeira parte do livro, são de ordem geopolítica e temática. Do final da II Guerra Mundial até meados da década de 70, o marxismo prosperou, sobretudo no sul da Europa e na América Latina, e, de maneira inesperada, foi para o universo anglo-saxão, deslocando-se de seu centro de gravidade ao longo das duas décadas seguintes. Isso levou a formas originais de marxismo, tais como o marxismo analítico, retomado especialmente por Alex Callinocos; ou ainda problemas heterodoxos, como o “socialismo de mercado”, sobre o qual Tony Andréani se debruça. O marxismo teve a oportunidade de se defrontar com novos contextos sociais, políticos e culturais e ainda dar conta de fenômenos que saíam habitualmente do campo de sua reflexão, tais como a violência racista, a dominação masculina e a crise ambiental

A “evolução” do pensamento de Marx

O livro é um panorama de “formas subterrâneas, como a da célebre toupeira da história, por meio das quais se continua a trabalhar a referência a Marx”

A segunda parte da obra – a mais importante por sua amplitude –, denominada “Configurações”, é também, sem dúvida, a mais original. Ela explora “as conexões do ‘marxismo’ com seu alter”; em outras palavras, o processo pelo qual a referência a Marx impregna, a maioria das vezes implicitamente e até mesmo inconscientemente, toda uma série de correntes teóricas e políticas contemporâneas; e, reciprocamente, como essas mesmas correntes, por sua vez, alimentaram e trabalharam o marxismo. Dessa maneira, são questionados os encontros, ora conflituosos, ora osmóticos, entre marxismo e ecologia, marxismo e feminismo, marxismo e pós-colonialismo, marxismo e teologia da libertação etc. Do todo, emana a idéia de que nenhum aspecto das transformações do mundo contemporâneo seria estranho ao marxismo, mesmo que ele não seja sempre o mais indicado para abordá-los. A herança deixada por Marx revelou-se fecunda, ainda que à custa do abandono de qualquer sonho (ou pesadelo) de uma ortodoxia qualquer.

A terceira parte do livro investiga como a referência a Marx está presente em um certo número das mais importantes obras teóricas, quer seus autores defendam, de uma maneira ou de outra, o marxismo (tais como Louis Althusser ou Henri Lefebvre), ou o critiquem (tais como Michel Foucault, Gilles Deleuze e Pierre Bourdieu). A escolha das obras, evidentemente arbitrária, continua marcada por um certo centrismo-europeu (somente um artigo é consagrado a um autor não-europeu, o economista japonês Kozo Uno), quando seria esperada uma maior abertura para que se possa compreender a “evolução mundial” do pensamento de Marx.

Terminando com uma ampla bibliografia e, sobretudo, com uma lista dos periódicos e revistas que mantêm uma relação com a obra de Marx em todo o mundo, o Dictionnaire Marx Contemporain cumpre perfeitamente sua função de ferramenta de trabalho para todos aqueles que pretendem continuar a compreender o mundo contemporâneo com o objetivo de transformá-lo em um sentido emancipador.
(Trad.: Wanda Caldeira Brant)

1 - Dictionnaire Marx Contemporain, coord. Jacques Bidet e Eustache Kouvékalis, ed. Presses Universitaires de France (PUF), col. “Actuel Marx Confrontation”, Paris, 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos