Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Arrependimentos

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Zbigniew Brzezinski, principal assessor de Segurança do presidente James Carter, foi o homem-chave na ajuda maciça aos “combatentes da liberdade” afegãos. Achou a idéia “excelente”, por atrair os russos para uma armadilha

(01/10/2001)

Em 1998, revelações feitas pelo ex-diretor da CIA (Central Intelligence Agency) Robert Gates confirmaram que os Estados Unidos teriam ajudado a oposição ao regime de Cabul vários meses antes da intervenção soviética. Zbigniew Brzezinski, principal assessor de Segurança do presidente Carter, fora o homem-chave na ajuda maciça aos “combatentes da liberdade” afegãos. Entrevistado em 1998 pelo Nouvel Observateur, que lhe perguntou se ele se arrependia daquela operação, respondeu: “Arrepender de quê? A operação secreta foi uma idéia excelente. Teve como conseqüência atrair os russos para a armadilha afegã. E você quer que eu me arrependa? No dia em que os soviéticos atravessaram oficialmente a fronteira, escrevi ao presidente Carter essencialmente o seguinte: ‘Temos agora a oportunidade de dar à União Soviética a sua guerra do Vietnã.’ O que é que é mais importante em termos da história do mundo? Os Taliban ou a queda do império soviético? Alguns radicais islâmicos mais excitados ou a libertação da Europa central e o fim da Guerra Fria?”

Talvez fosse interessar tornar a fazer a mesma pergunta a Zbigniew Brzezinski.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos