Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


ERA DAS GUERRAS ASSIMÉTRICAS

Sharon entre o sonho e a realidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Apoiando-se num presumível sinal verde da Casa Branca, alguns dos dirigentes de Israel chegam a sonhar em “acabar o trabalho iniciado em 1948”, ou seja, expulsar maciçamente a população palestina para os países vizinhos...

Dominique Vidal - (01/10/2001)

“Cada qual tem o seu Bin Laden. O nosso chama-se Arafat.” Com essa fórmula, o primeiro-ministro Ariel Sharon, de Israel, manifestava de forma acintosa sua vontade de explorar os atentados de 11 de setembro. Na realidade, o exército israelense iria penetrar maciçamente nas cidades autônomas de Jenine, Jericó, Ramallah, Nablus, Belém e Hebron, e seus soldados matariam, em uma semana, cerca de trinta palestinos. Durante essa proeza, o ministro da Defesa (trabalhista), Binyamin Bem Eliezer, já se vangloriava: “Matamos 14 palestinos sem que o mundo inteiro dissesse uma palavra. Para Arafat, isso é catastrófico.”

Após os atentados, a direita israelense achou que chegara o momento de esmagar a Intifada, pôr fim à Autoridade Palestina e assassinar seus dirigentes

Apoiando-se num presumível sinal verde da Casa Branca, o establishment israelense – o Likud e a direita trabalhista – pensou que chegara o momento de esmagar a Intifada e acabar com a Autoridade Palestina, após assassinar muitos de seus dirigentes. Alguns deles chegam a sonhar – segundo uma frase terrível do agrado dos herdeiros de Zeev Jabotinsky – em “acabar o trabalho iniciado em 1948”, ou seja, expulsar maciçamente a população palestina para os países vizinhos...

Estranha cegueira. Já em 1991, durante a Guerra do Golfo, para consolidar a coalizão com seus aliados do mundo árabe e muçulmano, George Bush, o pai, obrigara Itzhak Shamir a não revidar aos mísseis Scud lançados por Bagdá A causa é a mesma, os efeitos são os mesmos: George Bush, o filho, exerceu pressões sobre Sharon para que este acabasse com a repressão nos territórios ocupados e autorizasse seu ministro das Relações Exteriores, Shimon Peres, a encontrar-se, finalmente, com Yasser Arafat. Isso porque, antes de avalizarem um “contra-ataque” de Washington, os regimes árabes moderados sentem a necessidade imperiosa de diminuir a tensão na Palestina, de modo a reduzir o enorme espaço que separa as exigências norte-americanas e as posições anti-americanas.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos