Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» O prisioneiro que não cede ao Grande Irmão

» Previdência: a fábula da República das Laranjas

» A difícil arte de superar o senso comum

» Os mapas do poder dos ruralistas

» Petrobrás: assim Paulo Guedes planeja o desmonte

» O neoliberalismo periférico e a oportunidade perdida

» Nunca fomos tão pequenos

» Caro coxinha, nossa bandeira já é vermelha…

» O mundo encantado da Previdência privada

» A lógica senil da propriedade privada

Rede Social


Edição francesa


» Ainsi s'élargit le gouffre entre pouvoir capitaliste et réalités sociales

» Le poids du lobby pro-israélien aux États-Unis

» Tradition et qualité françaises

» Batna dans le vertige des peurs et des frustrations

» Vingt ans après, les plaies ouvertes du Kosovo

» Le champ sémantique du populisme

» Les dangers d'une monnaie unique

» L'Algérie sous le choc

» L'art de la désinformation

» La longue guerre occulte contre le Nicaragua


Edição em inglês


» Kosovo's open wounds, twenty years on

» Retiring the Statue of Liberty

» Iraq's choice: US air strikes or Iranian air conditioners?

» Gilets jaunes: the French uprising

» March: the longer view

» Rwanda now sets its own aid rules

» The rise of the hardliners

» Should we be combatting sexism to stimulate economic growth?

» Julia Buxton on Venezuela's ongoing crisis

» What happened to the dream of a united Maghreb?


Edição portuguesa


» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França

» Das propinas ao financiamento do Ensino Superior

» Na Venezuela, a lógica do pior

» Vale a pena (re)ler John Kenneth Galbraith?


UM MUNDO UNIPOLAR?

Um freio à especulação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Seis dias após os atentados de 11 de setembro – e num cenário que se apresentava o pior possível para o mundo dos negócios – a Bolsa de Valores de Nova York reabriu com um certo otimismo: o índice Dow Jones só caiu 7,13%

Ibrahim Warde - (01/11/2001)

A reabertura dos mercados, após quatro dias de fechamento, fez temer o pior cenário. Mas na noite de segunda-feira, 17 de setembro de 2001, o mundo dos negócios respirava aliviado: o índice Dow Jones dos valores industriais “só caiu” 7,13%. Em termos de comparação, durante o pregão de 19 de outubro de 1987, o Dow Jones tinha caído 22,6%.

Para limitar o estrago, as autoridades econômicas e financeiras apelaram ao “patriotismo econômico” dos investidores e a seu senso de negócios

As autoridades econômicas e financeiras, na realidade, multiplicaram os esforços para limitar o estrago: diminuição da taxa de juros, anúncio de ajudas federais maciças aos setores mais atingidos, apelo ao “patriotismo econômico” dos investidores (o colapso do mercado seria uma vitória dos terroristas...) e a seu senso de negócios (a experiência histórica prova que, a longo prazo, a guerra faz bem à economia), flexibilização de certas regras da bolsa (as empresas estavam, por exemplo, autorizadas a recomprar suas próprias ações).

“Areia” na engrenagem

Temiam-se, principalmente, as vendas a descoberto dos fundos especulativos (hedge funds). Ao apostar na queda, estes fundos, pouco dispostos a ceder aos apelos patrióticos (e sediados em sua maioria em paraísos fiscais), precipitaram-se a vender maciçamente títulos “emprestados” aos bancos e aos fundos de gestão. Para frear os impulsos especulativos e “jogar areia” numa engrenagem que podia revelar-se infernal, as autoridades financeiras pediram aos investidores institucionais para aumentar o custo desses “empréstimos”.

Conforme observou o diário britânico The Guardian, não existe “absolutamente qualquer diferença” entre essa lógica e a da taxa Tobin, que, no entanto, os operadores financeiros insistem em “denegrir sob o pretexto de que é inaplicável e inaceitável1”.
(Trad.: David Catasiner)

1 - The Guardian, 20 de setembro de 2001. Ler também, de Ibrahim Warde, “La taxe Tobin: bête noire des spéculateurs, cible des censeurs”, Le Monde diplomatique, fevereiro de 1997.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Estados Unidos
» Economia
» Crises Financeiras

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos