Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» Gramsci, un rayonnement planétaire

» L'ENA tentée par la philosophie des affaires

» Éloge du rire sardonique

» L'abstention gagne les classes moyennes

» Qui veut encore financer la presse ?

» L'unité de l'Algérie

» Créatrices et minotaures

» Absence d'enquêtes et bagarres de plateau, les recettes de l'information en continu

» Vive le « risque systémique » !

» Les transformations de l'économie continentale


Edição em inglês


» April: the longer view

» Africa's oil-rich national parks

» Montenegro's path to independence

» Japan's bureaucrats feel the pain

» Who's who in North Africa

» Being Kabyle in France

» Who wins in Chile's new constitution?

» Senegal's five days of anger

» Threat to Africa's parks

» Montenegro's ragged coalition


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2021

» A liberdade a sério está para lá do liberalismo

» Viva o «risco sistémico!»

» Pandemia, sociedade e SNS: superar o pesadelo, preparar o amanhecer

» A maior mentira do fim do século XX

» Como combater a promoção da irracionalidade?

» A Comuna de Paris nas paredes

» Como Donald Trump e os "media" arruinaram a vida pública

» Edição de Março de 2021

» Acertar nas fracturas


GUERRA DE 14-18

Um panfleto contra a guerra

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Autor de um texto proibido em 1917, o escritor Lucien Descaves, da Academia Goncourt, só publicou seu panfleto antibelicista, Ronge-Maille vainqueur, em 1920. Como La Fontaine, Descaves utiliza-se de ratos para instruir os homens. Abaixo, alguns aforismos

Lucien Descaves - (01/11/2001)

* O cadáver de um homem, esteja ele do lado da trincheira que estiver, sempre cheira bem.

* Quando se pensa que é o homem que se eleva acima dos animais nocivos! Nocivos, nós? Não mais do que ele.

* Já não basta ao homem destruir-nos: agora, devoram-se entre eles. Não os imitemos: limitemo-nos a devorá-los.

* Eles dizem que nós propagamos a peste, mas são eles que a declaram.

* Até agora, eles não empregavam líquidos inflamáveis senão contra nós... e eis que os estão usando em suas relações internacionais. É como os gases asfixiantes... Há muito tempo que tivemos esse tipo de presente! Eles sopravam sulfato de carbono dentro das nossas galerias e depois tampavam as saídas. E vibravam com a idéia de que nós iríamos sufocar lá dentro, como moscas. Mas nunca se é bárbaro pela metade... As experiências que fizeram conosco só poderiam conduzir a essas aplicações in anima vili.

* Quando cai um obus sobre um abrigo, esmagando-o, nunca são mencionados os ratos enterrados sob os escombros. E, no entanto, também são vítimas, e as mais inocentes.

* Nós somos, ao que dizem, um dos flagelos da agricultura. A guerra certamente é outro, pois toma da terra braços que lhe seriam indispensáveis. Então, de que se queixa o homem? Quem se excita demais, pode durar menos. Portanto, que ele nos deixe tranqüilos: os estragos que fazemos são pouca coisa, comparados aos deles.

* O homem não inventou coisa alguma: nós escavamos galerias subterrâneas bem antes que ele. E agora – quem sabe? – à custa de vivermos juntos, talvez acabemos por confraternizar.

* Essa história de morte-aos-ratos... Vocês ainda verão que eles vão acabar por utilizá-la, um povo contra o outro, após o terem desbatizado.

* Há trincheiras em que não é possível dar uma dentada sem que se quebre ou rache um dente num estilhaço de obus. Mas o autor da fábula tem razão quando diz que sem um pouco de dificuldade não há prazer.

* Um pouco de paciência, homens exigentes! Cada coisa a seu tempo: nós limpamos hoje o campo de vossas chacinas; mais tarde roeremos a História que as recordará. É um trabalho e tanto...

* É verdade que depois da guerra haverá enormes espaços abandonados, estéreis...; mas, por outro lado, a propriedade fundiária alcançará preços exorbitantes. Não estão já dizendo, em alguns lugares onde se travaram furiosas batalhas, que um terreno de 300 metros quadrados vale mil homens?

* E agora, que conseguiram a paz, a que carestia de vida irão nos reduzir, para que tenhamos saudade da guerra de abundância?
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos