Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 7 de agostos de 2020

» Os dois combates de Flávio Dino

» A Embraer continua nossa: e agora?

» Feminismo e internet: as fronteiras para o livre saber

» Por que ultradireita teme um Estado de Emergência

» 6 de agosto de 2020

» Hiroshima, 75 anos

» Cinema: as engrenagens do ódio, vistas por dentro

» Quem é responsável pelos crimes da PM?

» Equador e Bolívia: ressurge o golpismo latino-americano

Rede Social


Edição francesa


» Ignorance toxique

» L'Etat utopique ou la haine de l'histoire

» Tunisie : du protectorat à l'autonomie interne

» Algérie : Les réformes de 1947 et l'intégration

» « The Economist », le journal le plus influent du monde

» L'avènement du tourisme de masse... Près de chez soi

» Babel jeune et innocente

» Des usages de Bach

» Rendez-vous avec Frantz Fanon

» Dans la jungle de Bornéo, des visiteurs en quête d'authenticité


Edição em inglês


» US-Iran: an election showdown?

» August: the longer view

» Hagia Sophia in Turkey's culture wars

» Pilgrimage routes

» Bolivia's shrinking glaciers

» It's the healthcare system, stupid

» The Twenty Years' war

» Government by the worst

» The eternal Johann Sebastian

» Wake up! I have things to say!


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2020

» Prisioneiros do paradigma

» A guerra dos vinte anos?

» Offshores: paraíso para alguns, inferno para todos

» Edição de Julho de 2020

» Metáforas bélicas

» Alguém disse «sistémico»?

» Dois ou três lugares a preencher – a propósito de José Saramago

» A Jangada de Saramago

» Um homem chamado Saramago


HISTÓRIA

A ira de Georges Clemenceau

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Discurso pronunciado pelo deputado Georges Clemenceau (esquerda radical) na Câmara dos Deputados, a 31 de julho de 1885, em resposta ao então ministro das Relações Exteriores, Jules Ferry (republicano, positivista), que em seguida renunciaria

(01/11/2001)

“Raças superiores! Raças inferiores! Isso já foi dito! De minha parte, rebato de forma veemente, desde que vi sábios alemães demonstrarem cientificamente que a França deveria ser vencida na guerra franco-prussiana porque os franceses são de uma raça inferior à dos alemães. Desde então, confesso, penso duas vezes antes de voltar-me para um homem ou para uma civilização e pronunciar: homem ou civilização inferiores. Raça inferior, os hindus! Com aquela imensa civilização requintada, que se perde na noite dos tempos! Com aquela fantástica religião budista, que foi da Índia para a China, com aquele desabrochar de arte cujos vestígios magníficos ainda são visíveis! Raça inferior, os chineses! Com uma civilização cujas origens são desconhecidas e que parece ter se desenvolvido a limites extremos. Inferior, Confúcio!

Recuso-me a julgar em profundidade esta tese aqui apresentada, que não passa da proclamação do primado da força sobre o direito; a história da França, desde a Revolução, é um protesto vivo contra essa pretensão iníqua. (…)

Veja a história da conquista desses povos, que o senhor considera bárbaros, e encontrará a violência, crimes desencadeados, a opressão, rios de sangue escorrendo, e o fraco, o oprimido, tiranizado pelo vencedor. Eis a história de nossa civilização. Procure-a onde e quando quiser: no México, sob Cortez ou Pizarro, nas Índias. (…) Nada direi sobre os vícios que o europeu leva consigo: o álcool, o ópio – que espalha por toda parte, e que impõe, se assim o desejar. E é esse o sistema que o senhor tenta justificar na França, como dizia Jules Maigne, na pátria dos direitos humanos? (…)

Não! Não existe qualquer direito de nações consideradas superiores contra nações inferiores: o que existe é a luta pela vida, uma necessidade fatal, que na medida que nos tornamos mais civilizados tentamos limitar aos limites da justiça e do direito; mas não tentemos disfarçar a violência sob o nome hipócrita de civilização; não falemos de direito, de dever!”
(Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos