Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uber: assim começam as greves do futuro

» O conto de fadas de Paulo Guedes

» Direita europeia: tudo, menos antissistema

» Como a “mão invisível” — e Paulo Guedes — nos afundam

» Julian Assange desaparecerá para sempre?

» “Austeridade”, Paulo Guedes e o verdadeiro fundo do poço

» O que aprender com Cristina Kirchner

» Previdência: três verdades que o governo esconde

» A Tecnologia da Adaptação — e como vencê-la

» O Irã e os idiotas úteis… a Washington

Rede Social


Edição francesa


» Fonds européen de développement

» Image de la France en Afrique

» Ressortissants français en Afrique

» Commerce françafricain

» Ainsi Hitler acheta les Allemands

» Armées oubliées de l'Asie britannique

» Leçons d'histoire

» Contre l'ordre impérial, un ordre public démocratique et universel

» DSK : flamme bourgeoise, cendre prolétarienne

» Naissance de l'Europe SA


Edição em inglês


» Election-meddling follies, 1945-2019

» Volt, the party that undermines EU democracy

» Iran and the US, a tale of two presidents

» Terry Gou, Taiwan's billionaire and political wildcard

» Ecuador's crackdown on abortion is putting women in jail

» Traditions of the future

» Boondoggle, Inc.

» Sisi amends Egypt's constitution to prolong his presidency

» May: the longer view

» The languages of Ukraine


Edição portuguesa


» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019


HISTÓRIA

A ira de Georges Clemenceau

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Discurso pronunciado pelo deputado Georges Clemenceau (esquerda radical) na Câmara dos Deputados, a 31 de julho de 1885, em resposta ao então ministro das Relações Exteriores, Jules Ferry (republicano, positivista), que em seguida renunciaria

(01/11/2001)

“Raças superiores! Raças inferiores! Isso já foi dito! De minha parte, rebato de forma veemente, desde que vi sábios alemães demonstrarem cientificamente que a França deveria ser vencida na guerra franco-prussiana porque os franceses são de uma raça inferior à dos alemães. Desde então, confesso, penso duas vezes antes de voltar-me para um homem ou para uma civilização e pronunciar: homem ou civilização inferiores. Raça inferior, os hindus! Com aquela imensa civilização requintada, que se perde na noite dos tempos! Com aquela fantástica religião budista, que foi da Índia para a China, com aquele desabrochar de arte cujos vestígios magníficos ainda são visíveis! Raça inferior, os chineses! Com uma civilização cujas origens são desconhecidas e que parece ter se desenvolvido a limites extremos. Inferior, Confúcio!

Recuso-me a julgar em profundidade esta tese aqui apresentada, que não passa da proclamação do primado da força sobre o direito; a história da França, desde a Revolução, é um protesto vivo contra essa pretensão iníqua. (…)

Veja a história da conquista desses povos, que o senhor considera bárbaros, e encontrará a violência, crimes desencadeados, a opressão, rios de sangue escorrendo, e o fraco, o oprimido, tiranizado pelo vencedor. Eis a história de nossa civilização. Procure-a onde e quando quiser: no México, sob Cortez ou Pizarro, nas Índias. (…) Nada direi sobre os vícios que o europeu leva consigo: o álcool, o ópio – que espalha por toda parte, e que impõe, se assim o desejar. E é esse o sistema que o senhor tenta justificar na França, como dizia Jules Maigne, na pátria dos direitos humanos? (…)

Não! Não existe qualquer direito de nações consideradas superiores contra nações inferiores: o que existe é a luta pela vida, uma necessidade fatal, que na medida que nos tornamos mais civilizados tentamos limitar aos limites da justiça e do direito; mas não tentemos disfarçar a violência sob o nome hipócrita de civilização; não falemos de direito, de dever!”
(Trad.: Teresa Van Acker)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos