Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


PROSTITUIÇÃO

Os números da indústria do sexo

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

No total, a prostituição mundial representa um faturamento anual de 5 a 7 bilhões de dólares (entre 13,7 e 19,2 bilhões de reais). Segundo a Interpol, uma prostituta renderia em média cerca de 250 mil reais por ano ao seu proxeneta

François Loncle - (01/11/2001)

Segundo a ONU, 4 milhões de mulheres e meninas são compradas e vendidas a cada ano no mundo. Entre elas, 7 mil nepalesas, obrigadas a trabalhar como sex workers nas casas de Delhi e Bombaim, e dois terços das 55 mil prostitutas do Camboja, que são aliciadas à força. A organização Empower avalia que o turismo sexual renda um bilhão de dólares à Tailândia.

Outro exemplo: calcula-se que, a cada ano, cerca de 200 mil mulheres originárias dos países do Leste caem nas mãos de proxenetas europeus. Segundo Larysa Kobelyanska, dirigente da Liga Feminina de Kiev, “100 mil ucranianas foram vítimas, nos últimos anos, das redes criminosas da indústria do sexo”.

No total, a prostituição mundial representa um faturamento anual de 5 a 7 bilhões de dólares (entre 13,7 e 19,2 bilhões de reais). Segundo a Interpol, uma prostituta renderia em média cerca de 250 mil reais por ano ao seu proxeneta.
(Trad.: Celeste Marcondes)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos