Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Em Los Silencios, fuga para o não-lugar

Rede Social


Edição francesa


» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »

» Assimilation forcée dans le Xinjiang chinois

» Les riches entre philanthropie et repentance


Edição em inglês


» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues

» The private world of swiping on screens


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


PROSTITUIÇÃO

Regulamentaristas e abolicionistas

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Na verdade, a exigência que reivindicam sobre “o direito fundamental de dispor de seu corpo” atende objetivamente aos interesses dos proxenetas, principalmente por não permitir às próprias prostitutas que se emancipem do mundo do crime

François Loncle - (01/11/2001)

Na Alemanha, o governo enviou ao Parlamento, em maio de 2001, um projeto de lei tornando as prostitutas “prestadoras de serviços sexuais”

Por se considerar pragmática, a Holanda legalizou a prostituição a partir de outubro de 2000: a abertura da primeira das 700 sexhuizen depende de um alvará da Prefeitura; as 10 mil prostitutas, maiores de idade e originárias da União Européia, são integralmente reconhecidas como empregadas. Para Wijnand Stevens, do Ministério da Justiça, “um dos principais objetivos da legalização é normalizar a prostituição voluntária e ao mesmo tempo lutar melhor contra a prostituição compulsória”. Frágil argumentação, quando se sabe que metade das prostitutas holandesas confessa ter sido forçada a se entregar a essa atividade. Além do mais, as estrangeiras em situação ilegal se dedicam ao trottoir, o que as deixa mais vulneráveis.

A Suécia, ao contrário, penaliza, desde janeiro de 1999, os clientes, que podem ser multados e receber uma pena de seis meses de prisão. Mas as 2.500 prostitutas do país adaptaram-se, trocando a rua por encontros marcados por telefone ou pela Internet. A prostituição também é punida na Dinamarca e na Grécia. Na Alemanha, o governo enviou ao Bundestag (Parlamento), em maio de 2001, um projeto de lei tornando as prostitutas “prestadoras de serviços sexuais”, beneficiárias de assistência médica e direitos sociais. Essa é, aliás, a reivindicação de certas prostitutas francesas, desde sua primeira manifestação em 1975, em Lyon. Elas reivindicam o reconhecimento de sua atividade em nome do “direito fundamental de dispor de seu corpo”.

Uma legislação hipócrita

Para a socióloga Marie-Victoire Louis, a legalização da prostituição é “a vitória da lógica do mercado”, pois é uma maneira de evitar o problema

Na verdade, essa exigência atende objetivamente aos interesses dos proxenetas, principalmente por não permitir às prostitutas se emanciparem do mundo do crime. Seu corpo não lhes pertence; ele é submetido à vontade do cafetão e ao desejo do cliente. Como lembrou Jean-Marie Rouart, “a puta não é livre1”. Para a socióloga Marie-Victoire Louis, a legalização da prostituição é, claramente, “a vitória da lógica do mercado”. A legalização é uma maneira de furtar-se ao problema.

Entre os 72 países abolicionistas, citemos a Itália, Luxemburgo e Portugal, enquanto a Bélgica, a Grã-Bretanha e a Espanha adotaram um sistema intermediário. Após a lei Marthe Richard de 1946 – e a adesão à Convenção da ONU contra a Prostituição em 1960 – a França também é abolicionista. No entanto, sua legislação parece hipócrita: condena o proxeneta, mas ignora o cliente; tolera a prostituta, mas nega-lhe os direitos sociais. A prevenção e a reabilitação continuam amplamente insuficientes, ainda que a repressão ao proxenetismo tenha aumentado desde 1994, com a criação de duas novas infrações para as quais a pena é pesada: 20 anos de reclusão para o proxenetismo organizado em quadrilha e prisão perpétua para o proxeneta torturador.
(Trad.: Celeste Marcondes)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos