Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Rebelião em Londres: é o clima ou o sistema?

» A “inteligência caolha” da família Bolsonaro

» O crime de Guarapuava e as elites sem freios

» Boaventura: os EUA flertam com o direito názi

» Argentina: ainda bem que há eleições…

» O bispo que não vai para o céu

» Prisões brasileiras: relato de dentro do inferno

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Bernardet: “Tirei o corpo fora”

» Em Los Silencios, fuga para o não-lugar

Rede Social


Edição francesa


» La justice, pilier ou béquille de la démocratie ?

» La canicule, révélateur d'une santé malade

» La caution des scientifiques

» Dans l'enfer blanc de l'amiante

» Fiasco à La Haye

» L'immigration au miroir des échecs de la gauche

» « Faxer » ou périr, une culture de l'urgence

» Comment Sciences-Po et l'ENA deviennent des « business schools »

» Assimilation forcée dans le Xinjiang chinois

» Les riches entre philanthropie et repentance


Edição em inglês


» Mica mining, why watchdogs count

» LMD's New York debates

» Decriminalizing the drug war?

» April: the longer view

» Housing, rubbish, walls and failing infrastructure in East Jerusalem

» Mining profits go to foreign investors

» Combatting climate change: veganism or a Green New Deal?

» Berlin's fight for expropriation

» Afghanistan: the fighting continues

» The private world of swiping on screens


Edição portuguesa


» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas

» O cordão sanitário

» O caso do Novo Banco: nacionalizar ou internacionalizar?

» Edição de Março de 2019

» Sabe bem informar tão pouco

» O presidente e os pirómanos

» Edição de Fevereiro e 2019

» As propinas reproduzem as desigualdades

» Luta de classes em França


UM MUNDO UNIPOLAR?

Uzbequistão, um país-chave

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Com 24 milhões de habitantes e uma posição geograficamente privilegiada, o Uzbequistão é um território crucial no contexto político-militar da atual guerra. Mas é governado por um dos regimes mais repressivos da Ásia central

Vicken Cheterian - (01/11/2001)

Um indício claro é a permanência de aviões e soldados norte-americanos na base uzbeque de Khanabad, perto da fronteira com o Afeganistão: essa ex-república soviética desempenha um papel crucial nas operações militares contra a milícia taliban. Um velho sonho do líder Islam Karimov, essa estreita colaboração com Washington poderá vir a reforçar a importância regional e as ambições do país. Com o peso de seus 24 milhões de habitantes, da sua posição estrategicamente central e das suas forças armadas, o Uzbequistão é um país-chave da região.

O país passa por um “vazio ideológico”, onde os símbolos da era soviética foram substituídos por um nacionalismo desprovido de profundidade histórica

Mas também é – com vários milhares de presos políticos, a inexistência de um partido de oposição e a contínua censura aos meios de comunicação – um dos regimes mais repressivos. Nos últimos dez anos, sua economia passa por uma fase ruim, amplamente controlada pelo Estado. O país também passa por um “vazio ideológico”, onde os símbolos da era soviética foram substituídos por um nacionalismo desprovido de profundidade histórica.

A aliança Washington-Tachkent

A partir de 1997, uma série de enérgicas reformas levou ao fechamento de centenas de mesquitas. E consta que mais de sete mil muçulmanos – praticantes, ou simplesmente crentes – teriam sido presos. Essa repressão maciça veio inchar as fileiras dos combatentes que se tinham juntado à oposição no Tadjiquistão durante a guerra civil travada por Juma Namangani. Após o acordo de paz assinado em 1997 no Tadjiquistão, Namangani se teria aliado a alguns dos líderes da oposição que se opunham ao acordo, criando bases de apoio no Vale do Karategin, no Tadjiquistão, mas também no Afeganistão. O Movimento Islâmico do Uzbequistão (MIU), que lidera, teria realizado ataques na região Sul da Quirguistão em 1999, e em várias outras frentes durante o verão de 2000 – ataques esses que provocaram várias centenas de mortos. Na primavera de 2001, o movimento guerrilheiro lançou uma ofensiva, mas, curiosamente, o MIU suspendeu os ataques.

Ao citar o MIU entre os 27 “grupos terroristas” que denunciou no dia 24 de setembro de 2001, o presidente George W. Bush reforçou a aliança entre Washington e Tachkent. Inclusive porque, em seu relatório, os norte-americanos destacam o MIU ao lado da rede Al-Qaida e da milícia taliban. As entidades humanitárias receiam que o regime de Tachkent se aproveite disso para impor sua política na região com mão mais forte: fechamento de fronteiras, campos minados, sistemas de controle por meio de vistos e redução da cooperação nas áreas de comércio e distribuição de recursos.

Os mesmos erros de sempre

Uma guerra prolongada no Afeganistão colocaria em xeque a fórmula da paz tadjique: a partilha do poder entre o governo e a ex-oposição islâmica

A República pós-soviética do Tadjiquistão é ponto de passagem obrigatório para a ajuda à Aliança do Norte. A partir de 1997, sua capital, Doushanbe, tornou-se o centro diplomático da oposição afegã, e o aeroporto de Kulyab, a base de sua força aérea e de seu centro logístico. Porém, ao contrário do Uzbequistão, o Tadjiquistão permanece sob forte influência de Moscou: os 10 mil homens das tropas russas que ali se encontram sediadas controlam os pontos estratégicos, como os aeroportos e as fronteiras com o Afeganistão.

Uma guerra prolongada no Afeganistão colocaria em xeque a fórmula da paz tadjique: a partilha do poder entre o governo e a ex-oposição islâmica. O líder do Partido Islâmico da Restauração (IRP), Abdullo Nuri, rejeitou os apelos ao jihad (guerra santa), mas nem por isso deu seu apoio aos bombardeios norte-americanos. Dentro do governo, os partidários da linha dura poderiam vir a utilizar a guerra para marginalizar o IRP. Isto, porém, poderia permitir o surgimento de movimentos islâmicos radicais. Por fim, o governo do Tadjiquistão preocupa-se com a crescente influência do Uzbequistão, o que poderia reacender a competição regional.

A curto prazo, a intervenção direta dos Estados Unidos na Ásia central pode reforçar o poder dos regimes autoritários. A longo prazo, no entanto, irá polarizar as sociedades, sem alterar o adubo da dissidência. Dessa forma, Washington repete, na Ásia central, os erros óbvios que cometeu no Oriente Médio: aliar-se a regimes corruptos e impopulares, correndo o risco de passar, em seguida, a ser o “inimigo” de todos os que defendem mudanças.
(Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Geopolítica da Ásia Central
» Uzbequistão
» Ocupação do Afeganistão

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos