Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Dinheiro: o novo sonho de controle do Facebook

» Mulheres na política: uma nova onda a caminho

» Sertanejo, brasilidade e Nelson Pereira Santos

» A crise do Brexit e o capitalismo impotente

» Pilger: é hora de salvar o jornalismo

» Missão: extinguir o BNDES

» Etiópia: a eterna marcha da humanidade

» O direito ao sagrado dos povos do terreiro

» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

Rede Social


Edição francesa


» Quand la gauche renonçait au nom de l'Europe

» Un « New Deal » pour l'école

» La Chine bouscule l'ordre mondial

» L'affirmation homosexuelle

» Faut-il larguer la république ?

» Comment les apprentis sorciers ont aggravé le chaos au Proche-Orient

» Quarante ans de conflits et d'échecs nourris par les interventions occidentales

» Décentraliser l'éducation pour mieux la privatiser

» L'avenir du temps

» Ces Espagnols qui ont libéré Paris


Edição em inglês


» How US climate deniers are working with far-right racists to hijack Brexit for Big Oil

» Confessions of a map-maker

» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


CULTURA

A resistência pela criação

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A engrenagem tecno-econômica projeta-se a partir de três causas, sempre tensas: o desejo, que se dissemina por mimetismo; o desempenho, que permite comparar, singularizar e “transcender”; e a liberdade, capaz de superar quaisquer obstáculos...

Roger Lesgards - (01/12/2001)

Trata-se de uma ideologia sedutora, que se diz representar um humanismo. Na realidade, baseia-se na concepção de um homem medíocre, conformista e dócil

A entrada no novo século transcorre sob o império da eficiência, do desempenho e da lógica financeira e consumista. Numa iniciativa totalizadora, a engrenagem tecno-econômica tende a absorver tudo – inclusive, a cultura –, impondo seus códigos, seus signos e suas linguagens, moldando os imaginários individuais e coletivos, mobilizando inteligências e opiniões e conquistando corpos e espíritos, para melhor os recrutar e os dispensar, conforme a sua vontade1 . Trata-se de uma engrenagem voraz, que vai além dos domínios do econômico e do técnico.

Essa engrenagem projeta-se a partir de três causas, sempre tensas: o desejo, que por definição jamais é satisfeito – e que se dissemina por mimetismo; o desempenho, ou seja, a ação em seu estado de maior intensidade, que permite, simultaneamente, comparar, singularizar e “transcender” – como se diz nos meios esportivos; e a liberdade, palavra que emprega apresentando-se como movimento libertador, sem normas rígidas, capaz de superar quaisquer obstáculos...

As dimensões de uma cultura crítica

Baseia-se também numa sociedade restrita a um simples agregado de indivíduos, a qual, para crescer e se tornar atraente, deve ser desigual e excludente

Essa ideologia sedutora pretende representar um humanismo. Na realidade, ela se baseia na concepção de um homem medíocre, conformista e dócil, um homem também fragmentado, a quem ela solicita que seja, alternadamente, um produtor eficiente, um consumidor diligente, um animal comunicativo e um conjunto de órgãos passíveis de serem manipulados. Baseia-se também numa sociedade restrita a um simples agregado de indivíduos, a qual, para crescer e se tornar atraente, deve ser, estruturalmente, desigual e excludente. Sua ação se faz exercer por meio das tecnologias da informação e da comunicação – da televisão à Internet –, que tocam os respectivos acordes nos três registros acima citados e, supostamente, preparam uma sociedade ideal, nec plus ultra, de acesso ao saber, à transparência e à democracia!

Diante dessa invasão, é urgente dar um conteúdo vigoroso à noção de cultura, pelo menos em cinco das suas dimensões:

-  o aprendizado e o exercício do pensamento crítico, assim como o raciocínio da emancipação, que trabalha permanentemente sobre certezas prematuras, idéias prontas, sobre o pronto-para-pensar e o pronto-para-acreditar2 oferecidos pelos gurus do momento;

-  a criação de suportes simbólicos (linguagem, obras de arte) em que se exerçam o imaginário, a sensação, a sensibilidade, a emoção, a paixão; sempre na perspectiva de uma visão do mundo, da vida, da morte, do passado, para ser possível constituir uma representação tão coerente quanto possível do tempo e do espaço;

-  a aquisição e a troca de saberes (e, portanto, de algo relacionado com o real, com a busca da verdade) como produto da experiência humana acumulada;

-  a relação com o outro, com o diferente, com o diverso; a comunicação (no sentido de exercer em comum) de uma construção permanente de si, por e com o outro, e também frente a esse outro;

- a relação com o belo, expressão de uma subjetividade (de um sujeito suficientemente livre para se entregar a uma opinião, a um prazer, a uma consciência) e também de tensão para com um universal. O belo como reinvenção permanente da relação entre o sensível e o inteligível.

A esperança de uma nova visão do mundo

Que tipo de política cultural é hoje possível a um Estado-nação situado na Europa e aberto a influências e tendências dos quatro cantos do mundo?

Eis, portanto, a questão central: como conseguir que essa concepção de cultura retome a iniciativa? E, especificamente, que tipo de política cultural é hoje possível a um Estado-nação situado na Europa e aberto a influências e tendências dos quatro cantos do mundo? Poderíamos partir de duas idéias básicas. A primeira seria a de tentar forçar o tecno-econômico, levando-o ao ponto crítico e subvertendo-o pelo poético, isto é, pela criação artística. Do que se trataria? Em primeiro lugar, investir no campo a ser explorado, roubando-lhe o que possa ter de favorável a um renascimento da criação. Ou seja: quase sempre num processo de o desviar, subverter, “esquerdizar”. Mas também enfrentá-lo de frente, resistindo às suas iniciativas de exploração e sedução (a técnica como nova magia). Investir, desviar, resistir: três verbos ativos cujos sujeitos são, aqui, crítica e criação.

Crítica? A palavra deve ser entendida no sentido de uma análise do discurso e da prática, inclusive o exercício do raciocínio, especialmente quando este for técnico ou instrumental. Trata-se de isolar as técnicas galopantes de uma gangue ideológica que pretende que elas são o veículo de uma revolução e que dirigem, de forma irresistível, o movimento das coisas. O pensamento crítico deve provocar um trauma, uma descontinuidade, uma possibilidade de reconfiguração. Resumindo, a esperança de que se componha uma nova visão do mundo que não parta do ponto de vista tecno-lógico.

Cultura como fator de aproximação

Importante, também, é tomar a cultura como fator de aproximação entre os seres humanos, procurando a igualdade, a fraternidade, uma compreensão mútua

E é nesse trauma que entra (e age) a criação artística. Não é fato que ela anuncia e negocia objetos únicos, originais, em ruptura com a tradição? Objetos que prenunciam novos horizontes e, ao fazê-lo, participam da criação do mundo dos homens? A arquitetura, a poesia, o teatro, a literatura, a música, a dança, as artes plásticas, o cinema – tudo isso tem seu lugar. Com a pesquisa científica, evidentemente, desde que ela se lembre que sua principal vocação não é a de servir o economismo ou se erigir em moral, e sim de contribuir com novos conhecimentos, compartilhá-los, desenvolvendo uma das vias que levam à busca da verdade. Apoio à criação em toda a sua diversidade: essa seria a premissa básica.

A segunda idéia seria tomar a cultura como fator de aproximação entre os seres humanos, procurando a igualdade, a fraternidade, uma compreensão mútua e, portanto, um instrumento de luta contra a rejeição étnica, a recusa de si, a recusa do outro, a discriminação social, o racismo. A França (e não só nos subúrbios) e a Europa (e não só nos Bálcãs) têm grande necessidade de idéias, de momentos, de lugares de reencontro. Ocorre que é justamente a tentação do contrário que vem ganhando terreno: aqui, sob a forma de etno-centrismo (minha cultura é superior à sua, e, portanto, eu a imponho); ali, sob a da purificação, da segregação, da discriminação, do nacional-populismo e do racismo.

A Coca-Cola, os jeans, a Nike, a Microsoft e mesmo a Internet e as redes de ondas e de satélites que inundam o mundo com imagens e sons não conseguirão inverter o fluxo da corrente. Será a nossa capacidade de estarmos ao lado do outro, de nos abrirmos ao outro, de reconhecê-lo como parte de nós mesmos, que o fará. Em outras palavras, nos conduzirá a responder, da forma mais positiva que for possível, à pergunta que fazia Cornelius Castoriadis: “Será possível que um homem, e uma sociedade, se possam construir sem se opor ao Outro, sem o rejeitar e, em última instância, sem o odiar?”
(Trad.: Jô Amado)

1 - Ler, de Dany-Robert Dufour, “As angústias do indivíduo-sujeito”, Le Monde diplomatique, fevereiro de 2001.
2 - N.T.: O autor faz um trocadilho, em francês, com as chamadas roupas prêt-à-porter, que se compram já prontas. No original: prêt-à-penser e prêt-à-croire.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Consumismo e Alienação
» Resistências ao Neoliberalismo
» Indústria Cultural
» Valores Contra-hegemônicos
» Desigualdade e Fraturas Sociais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos