Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» A China tem uma alternativa ao neoliberalismo

» Marielle, Moa, Marley, Mineirinho

» As trapaças do gozo individual

» Vermelho Sol, fotossíntese da violência

» Assim arma-se a próxima crise financeira

» Quantos anos o automóvel rouba de sua vida?

» Guerra comercial: por que Trump vai perder

» Mulheres indígenas, raiz e tronco da luta pelo território

» Por que a educação voltou às ruas?

» O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Rede Social


Edição francesa


» Boulevard de la xénophobie

» Une machine à fabriquer des histoires

» Un ethnologue sur les traces du mur de Berlin

» Le stade de l'écran

» Un ethnologue à Euro Disneyland

» Lénine a emprunté ses règles d'action à des écrivains radicaux du siècle dernier

» Le rêve brisé de Salvador Allende

» Un ethnologue à Center Parcs

» La dilapidation mortelle des ressources

» Pas de démocratie sans conflit


Edição em inglês


» Manufacturing public debate

» August: the longer view

» Trump returns to the old isolationism

» Yellow vests don't do politics

» Kurdish territories in northern Syria

» The changing shape of the Balkans: 1991 / 2019

» Minorities in Kosovo

» Borders 1500-2008

» Man with a mission or deranged drifter

» The Louise revolution


Edição portuguesa


» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda

» Os talibãs de São Francisco

» Edição de Julho de 2019

» Inconsistências (ou o sono da razão?)

» Comércio livre ou ecologia!

» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto


LIVROS

O Islã europeu

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

A prática religiosa é fraca na Bósnia e na Albânia devido, em parte, ao passado comunista recente, mas algumas redes islâmicas mundiais interpretaram a guerra da Bósnia como um novo jihad e conseguiram se implantar permanentemente no país

Jean-Arnault Dérens - (01/01/2002)

Xavier Bougarel explica que não existe, a curto prazo, um “perigo islâmico”, mas os contornos de um “islã europeu” ainda precisam ser inventados

Uma abordagem otimista sempre destacou “o islã diferente”, liberal e tolerante, que seria praticado nos Bálcãs, denunciando como propaganda sérvia ou croata – muitas vezes com razão – as diatribes enfatizando um “perigo fundamentalista”. O islã praticado na Bósnia-Herzegovina e no Sandjak de Novi Pazar, absolutamente majoritário entre os albaneses, e que conta com importantes comunidades de fiéis na Bulgária (turcos e eslavos islamizados – os pomaks) e na Grécia, sem esquecer o povo trans-fronteiriço dos roms, representa, nos Bálcãs, uma herança direta do império otomano. Esse passado determina algumas características importantes do islã balcânico: o ritual era exclusivamente de tipo hanefito – pelo menos até a chegada, nos últimos anos, dos partidários do wahabismo – e as confrarias místicas dos dervixes sufistas desempenham um papel central nas devoções populares.

A prática religiosa é fraca devido, em parte, ao passado comunista da maioria dos países balcânicos, e a imagem de “muçulmanos” comendo carne de porco e bebendo álcool está longe de ter sido superada. Porém, algumas redes islâmicas mundiais – entre elas, a al-Qaida – quiseram interpretar a guerra da Bósnia como um novo jihad e conseguiram se implantar permanentemente no país, gozando de um apoio muitas vezes aberto por parte dos dirigentes muçulmanos próximos ao ex-presidente Alija Izetbegovic. As carências do Estado, na Bósnia como na Albânia, ou no Kosovo, fazem desses países um verdadeiro santuário para esse tipo de redes.

Uma civilização ortodoxa pós-comunista

Os autores associam um perfeito conhecimento da península balcânica e de sua história ao do mundo muçulmano e da constelação islâmica

O trabalho coordenado por Xavier Bougarel e Nathalie Clayer1 consegue apresentar as especificidades do islã balcânico de maneira clara e apoiada em argumentos, sem deixar de refletir sobre a questão central: a recepção do discurso religioso por sociedades em transição. Sem chegar a se tornarem o campo de um novo jihad, os Bálcãs poderiam muito bem se revelar uma terra de missão para os atores de uma re-islamização profunda que, atualmente, vem ocorrendo tanto no mundo albanês como na Bósnia. Não existe, a curto prazo, um “perigo islâmico” nos Bálcãs, mas os contornos de um “islã europeu” ainda precisam ser inventados, conforme a observação de Xavier Bougarel, ao salientar que a sua formulação “dependerá tanto da capacidade dos muçulmanos para acharem o seu lugar na nova Europa, quanto dos europeus para o reconhecerem”.

Os autores associam um perfeito conhecimento da península balcânica e de sua história ao do mundo muçulmano e da constelação islâmica. Os quadros, por país, são exaustivos, quer se trate da Bósnia-Herzegovina (Xavier Bougarel), da Albânia, do Kosovo e da Macedônia (Nathalie Clayer), ou ainda da Bulgária (Nadège Ragaru). O trabalho é completado por Ferhat Kentel, sobre “os Bálcãs e a crise de identidade nacional turca”, e por Jérome Bellion-Jourdan, sobre “as redes transnacionais islâmicas na Bósnia-Herzegovina”.

Esses estudos aprofundados chegam em boa hora para se opor às generalizações apressadas sobre o “choque das civilizações”. Dentro da visão desenvolvida por Samuel Huntington, o caráter vago nunca será igual ao que se refere à “civilização” ortodoxa pós-comunista. É justamente essa “civilização” que encontra o islã nos Bálcãs, de maneira muitas vezes conflitante. Recomendamos, portanto, que se leia também a viagem ao mundo ortodoxo da jornalista britânica Victoria Clark, Why Angels Fall? 2 .
(Trad.: David Catasiner)

1 - Le nouvel islam balkanique. Les musulmans, acteurs du post-communisme 1990-2000, org. Xavier Bougarel e Nathalie Clayer, ed. Maisonneuve e Larose, Paris, 2001.
2 - Why Angels Fall? A Journey through Orthodox Europe from Byzantioum to Kosovo, de Victoria Clark, ed. St. Martin’s Press, Nova York, 2000.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também