Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


Rede Social


Edição francesa


» En Afrique, la démocratie entravée

» Le grand partage du globe

» La France et son espace maritime de souveraineté économique

» Villes et comptoirs hanséatiques

» Le sultanat de Malacca à la fin du XVe siècle

» Les grandes poubelles de plastique

» Feu vert à la surveillance de masse

» G8 : policiers italiens condamnés... et promus

» L'Italie saisie par la tentation autoritaire

» En régionalisant, les gouvernements entendent préserver le cadre national d'une action cohérente


Edição em inglês


» The rift in the AfD

» The forgotten chapter of the women's movement

» The battle for narrative in Afghanistan

» Work less, pollute less

» July: the longer view

» Ethiopia's failed experiment in ethno-federalism

» What press freedoms for North Africa?

» The Balkans rediscover socialism

» China's balancing act: power or prosperity?

» The immovable Assad clan


Edição portuguesa


» O direito à alimentação no mundo continua por cumprir

» Filho da Preguiça

» Boca de Cena

» Pandemónio Pandomínio

» Em Cuba, rumo ao fim do mais longo embargo da história

» Edição de Julho de 2021

» «Ajude um caloiro»: requiem por um direito

» Acalmia em França?

» Edição de Junho de 2021

» O jornalismo no novo negócio dos "media"


CHINA

Minorias

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Seguindo o modelo de classificação étnica “positivista-stalinista”, a China é povoada por 56 “nacionalidades”: a maioria han (92% do total) e um pot-pourri de “minorias” que vão dos tibetanos aos mongóis, passando pelos Miao, uigures, tadjiques...

Ilaria Maria Sala - (01/02/2002)

Aparentemente compostas por bons selvagens sorridentes e eternamente gratos a seus irmãos chineses, as “minorias” tornaram-se atrações à moda Disney

De língua turca e confissão muçulmana sunita, os uigures constituem a “minoria nacional” mais importante do Sinkiang (oito milhões de pessoas). Apesar da dificuldade em avaliar o número de culturas e de grupos étnicos, as autoridades de Pequim decidiram, seguindo o modelo de classificação étnica “positivista-stalinista”, que a China é povoada por 56 “nacionalidades”, dentre as quais a principal é a dos han (chineses, 92% da população total). O resto constitui uma espécie de pot-pourri de diversas “minorias” que vão dos tibetanos aos mongóis, passando por grupos do sudoeste, como os Miao, os Yao e os Yi, ou do noroeste, como os uigures, os cazaques, os russos , os quirquizes, os tadjiques... 1 Embora esse procedimento permita tornar simples um processo multi-secular e complexo – o encontro entre culturas e povos diversos, que seria difícil definir com clareza – a classificação não tem grande validade.

Aparentemente compostas por bons selvagens sorridentes e gratos por terem como guias seus grandes irmãos chineses, as “minorias”, depuradas de qualquer complexidade, tornaram-se atrações à moda Disney. Não se trata de um exagero: são prova disso as descrições encontradas em inúmeras publicações dedicadas ao tema, bem como a existência de dois parques de atrações, em Pequim e Shenzhen, dedicados à “China em miniatura” e às “Minorias em miniatura”. Nesses lugares de diversão, ao lado das reproduções de sua arquitetura típica, membros das minorias dançam e cantam com roupas tradicionais, reduzidos a servir de pano de fundo para retratos de família das novas classes médias, que não questionam a situação em que vivem os habitantes dos confins de seu país.
(Trad.: Teresa Van Acker)

1 - Ler, de Frank Dikotter, The Discourse of Race in Modern China, ed. Hurst & Company, Londres, 1992; e, de Colin MacKerras China’s Minority Cultures, ed. Harvard University Press, 1995.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» China
» Países “Socialistas”

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos