Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de outubro de 2021

» Hora de retomar a luta pelo transporte público

» A patética missão de Paulo Guedes

» Boaventura: Portugal num momento de perigo

» Dinheiro, economistas vulgares e luta de classes

» Andrea Loparic

» 25 de outubro de 2021

» Clima: por que é possível vencer o fatalismo

» Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

» Pochmann: É necessária nova abolição

Rede Social


Edição francesa


» La Cour des comptes, cerbère de l'austérité

» Salaires : « Il est parti où, cet argent ? »

» Trompeuses métaphores du cancer

» Etes-vous heureux, ravi ou enchanté de travailler dans un institut de sondage ?

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» « Le Monde diplomatique » en Algérie

» Infernal manège des sondages

» Droit du travail : vers des « jugements automatiques »

» Mes vacances en Terre sainte

» Les bonnes recettes de la télé-réalité


Edição em inglês


» ‘Le Monde diplomatique' in Algeria

» Millennial Schmäh

» UK: what happened to the right to food?

» Taiwan at the heart of the US-China conflict

» October: the longer view

» What do we produce, and why?

» Hunger in France's land of plenty

» In search of a good food deal

» Georgia's love-hate affair with Russia

» Latin America faces tough choices


Edição portuguesa


» Edição de Outubro de 2021

» Um império que não desarma

» Convergir para fazer que escolhas?

» O mundo em mutação e o Estado - em crise?

» Edição de Setembro de 2021

» Transformação e resiliência

» O caminho de Cabul

» Edição de Agosto de 2021

» Ditadura digital

» Desigualdades digitais


EDITORIAL

Berlusconi

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

A queda de Bettino Craxi e Giulio Andreotti balançou com todo o sistema político que, em poucos meses, viu serem envolvidos em escândalos, perseguidos pela justiça, centenas de deputados, senadores e ex-ministros, expostos à execração pública...

Ignacio Ramonet - (01/02/2002)

“De todas as formas de “persuasão clandestina”, a mais implacável é a que se faz exercer simplesmente pela ordem das coisas.”
Pierre Bourdieu

A partir de 1992, uma avalanche de negócios escusos foi revelada pela operação Mani pulite (Mãos limpas) e pelo juiz Antonio di Pietro

Na Itália, a ordem das coisas persuadiu, de forma invisível, uma maioria dos eleitores de que acabou o tempo dos partidos tradicionais. Essa convicção enraizou-se numa constatação: desde a década de 80, o sistema político vem passando por uma decadência acelerada. Há quem fale em “gangrena” e “putrefação”. A corrupção generalizou-se assumindo proporções alucinantes. O sistema de propinas custou ao país mais de 75 bilhões de euros (cerca de 160 bilhões de reais)... O financiamento oculto dos partidos propiciou o enriquecimento fabuloso de seus principais dirigentes, em especial socialistas e democrata-cristãos. “Quem tiver olhos para ver”, afirmou Indro Montanelli, “compreenderá o enorme contraste entre o nível de vida dos dirigentes políticos e suas declarações de renda1 .”

A partir de 1992, uma avalanche de negócios escusos foi revelada pela operação Mani pulite (Mãos limpas) e pelo juiz Antonio di Pietro. Acusado de enriquecimento ilícito, Bettino Craxi, ex-presidente do Conselho e líder dos socialistas, renunciaria ruidosamente, vaiado por uma multidão irada que chegou a tentar linchá-lo... Giulio Andreotti, outro ex-presidente do Conselho e principal dirigente da Democracia Cristã, também seria, por sua vez, denunciado, arrastado na lama, acusado de “conivência com a máfia” e de “cumplicidade em assassinato”...

O vazio e o pânico

A queda desses dois gigantes balançou com todo o sistema político que, em apenas alguns meses, viu serem envolvidos em escândalos, perseguidos pela justiça e esculachados pelos meios de comunicação centenas de deputados, senadores e ex-ministros, expostos à execração pública... Acusada de todo tipo de corrupção, a classe política no poder viu-se decapitada, desacreditada pela opinião pública, afundando no descrédito total. “O vazio é tão grande e o pânico tão intenso”, escreve Eric Joszef, “que se receia abertamente um golpe de Estado2 .”

Acusada de todo tipo de corrupção, a classe política no poder viu-se decapitada, desacreditada pela opinião pública, afundando no descrédito total

Foi em meio a esse grande naufrágio – e não por meio de um golpe de Estado, mas de uma espécie de hipnose coletiva pela televisão – que Silvio Berlusconi, já aliado aos pós-fascistas da Aliança Nacional e aos xenófobos da Liga do Norte, venceu as eleições pela primeira vez, tornando-se presidente do Conselho de maio a dezembro de 1994. Essa experiência de poder foi um fracasso. Mas não desanimou Berlusconi – ele próprio, acusado de negociatas, de transações suspeitas e tráfico de influência – que, para se tornar chefe do governo em maio de 2001, contou com seus inúmeros trunfos.

O poder político, compra-se

Que trunfos? Em primeiro lugar, os que lhe garante sua imensa fortuna, a décima quarta do mundo e a maior da Itália3 . Uma fortuna construída a partir de nada, graças à proteção, no início, de seu amigo socialista Bettino Craxi. Às custas de falcatruas, primeiro conseguiu sucesso no setor imobiliário, depois na distribuição atacadista e nos supermercados, depois na área de seguros e publicidade e, finalmente, no cinema e na televisão. Juntamente com os grupos Bertelsmann, Rupert Murdoch, Léo Kirsch e Jean-Marie Messier, se tornaria um dos imperadores dos meios de comunicação na Europa.

Demagogo e populista, Berlusconi não tem escrúpulos: não hesitou em fazer um pacto com o ex-fascista Gianfranco Fini e o racista Umberto Bossi

Silvio Berlusconi colocaria a seu proveito a fabulosa riqueza e o formidável poder que lhe conferem, em termos de violência simbólica4 , seus canais de televisão, para demonstrar, numa época de globalização, uma equação simples: quando se detém o poder econômico e o poder da mídia, compra-se o poder político quase automaticamente5 . E até de uma forma triunfal, já que seu partido, Forza Italia, obteve cerca de 30% dos votos nas eleições legislativas de 13 de maio, tornando-se o principal partido político da Itália...

Surge o “novo fascismo”

Demagogo e populista, Silvio Berlusconi não se preocupa com escrúpulos. Em matéria de aliados, não hesitou em fazer um pacto de conivência com o ex-fascista Gianfranco Fini e o racista Umberto Bossi. Os três constituem o triunvirato mais grotesco e mais repugnante da Europa. A ponto de um semanário britânico, antes das eleições, lembrar as acusações pendentes na justiça italiana contra Berlusconi, avaliando que esse tipo de dirigente não era “digno de governar a Itália”, pois constituía “um perigo para a democracia” e uma “ameaça ao Estado de direito6 ”.

Essas sombrias previsões revelaram-se corretas. Após o deplorável colapso dos partidos tradicionais, a sociedade italiana, tão culta, assiste impassível (com a exceção do mundo do cinema, que passou a resistir) à atual degradação do sistema político, cada vez mais confuso, extravagante, ridículo e perigoso. Com a insolência de um charlatão de feira, e graças ao seu monopólio da televisão, Silvio Berlusconi concretiza o que Dario Fo qualifica de “novo fascismo”. A questão está em saber até que ponto esse modelo italiano, tão inquietante, poderá, amanhã, estender-se a outros países da Europa...
(Trad.: Jô Amado)

1 - Citado por Eric Joszef no livro Main basse sur l’Italie. La résistible ascension de Silvio Berlusconi, ed. Grasset, Paris, 2001, p. 37.
2 - Main basse sur l’Italie. La résistible ascension de Silvio Berlusconi, ed. Grasset, Paris, 2001, p. 41.
3 - A revista norte-americana Forbes avalia em 14,5 bilhões de euros (mais de 30 bilhões de reais) a fortuna de Silvio Berlusconi.
4 - “A violência simbólica é a que se exerce sobre um agente social com a sua cumplicidade.” Ler, de Pierre Bourdieu (com Loïc Wacquant), Réponses, ed. Seuil, Paris, 1992, p. 142.
5 - Essa demonstração também foi feita por Michael Bloomberg, bilionário norte-americano, dono da rede mundial de informações econômicas contínuas Bloomberg TV, que gastou mais de 77,5 milhões de euros em sua campanha eleitoral (mais de 160 milhões de reais), realizando o sonho de se tornar, em 1º de dezembro de 2001, prefeito de Nova York...
6 - The Economist, Londres, 28 de abril de 2001.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Itália
» Autoritarismo Neoliberal
» Crise da Democracia Representativa
» Corrupção

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos