Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Como derrotar a “direita Trump-Bolsonaro”

» As pedras da contracultura (ainda) rolam

» Corporações: já vivemos uma distopia…

» Olhai a nova geração de ativistas

» Rússia e China: fim do mundo unipolar?

» Está aberta a nova temporada de privatizações

» Direito à privacidade e o cinismo de Moro

» Boaventura: o avanço da direita e a causa oculta

» Fiori: Danação da História e disputa pelo futuro

» O sinistro lobby sionista

Rede Social


Edição francesa


» Les pompiers pyromanes de l'antisémitisme

» Menace iranienne, menace sur l'Iran

» Comme si l'école était une entreprise…

» Voyage au bout de la peur avec les clandestins du Sahel

» Chanter le devenir du monde

» A qui profite Paris ?

» Quand la ville se perd dans une métamorphose planétaire

» M. Jesse Jackson et l'ouverture du Parti démocrate

» Les aspirations des citoyens dans une structure étatique taillée sur mesure

» Comment la finance a tué Moulinex


Edição em inglês


» The Spaniards who liberated Paris

» Fighting for communication control

» June: the longer view

» Niger, a migration crossroads

» Niger, a migration crossroads

» Whatever happened to Bob Woodward?

» Europe in space

» The Corbyn controversy

» The invisible people

» Agadez, city of migrants


Edição portuguesa


» Edição de Junho de 2019

» As pertenças colectivas e as suas conquistas

» A arte da provocação

» 20 Anos | 20% desconto

» EUROPA: As CaUsas das Esquerdas

» Edição de Maio de 2019

» Os professores no muro europeu

» Chernobil mediático

» Edição de Abril de 2019

» A nossa informação, as vossas escolhas


ARGENTINA

A culpa é de Borges

Imprimir
Enviar

Ler Comentários
Compartilhe

Vargas Llosa é o único a conseguir a façanha de escrever um texto longo sobre a Argentina sem mencionar, uma só vez, o FMI, o Banco Mundial ou a Organização Mundial do Comércio, e muito menos, é claro, o governo norte-americano

Vladimir Caller - (01/02/2002)

No dicionário “varguista”, são proibidos termos como globalização, privatizações, desmantelamento do setor público, presença crescente de acionistas...

Como a Argentina – que, na década de 40, tinha um dos níveis de vida mais elevados do mundo – pôde chegar à situação atual? Numa das inúmeras crônicas que publica no jornal espanhol El País, o escritor (e ex-candidato à presidência do Peru) Mario Vargas Llosa apresenta sua explicação: “A verdadeira razão é (...) intimista, difusa, e tem mais a ver com uma determinada predisposição do espírito e da psicologia do que com doutrinas econômicas ou lutas pelo poder1 .”

Dentre as centenas, e até milhares, de artigos, comentários, notas e análises publicados a respeito da crise argentina, Vargas Llosa parece ser o único a conseguir a façanha de escrever um texto longo sem mencionar, uma só vez, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial ou a Organização Mundial do Comércio e, ainda menos, é claro, o governo norte-americano, na gênese, maturação e desfecho do problema argentino. Da mesma maneira, no dicionário “varguista”, são proibidos termos como globalização, privatizações maciças, desmantelamento do setor público, presença crescente dos acionistas e do capital financeiro na evolução das economias dependentes.

A obscura lógica do avestruz

Quem não compreender a genial descoberta de Vargas ignora a lógica do avestruz que, como os argentinos, esconde a cabeça na areia quando chega o furacão

Para sustentar semelhante vontade de evasão, só lhe resta apelar para Jorge Luis Borges, esse bom Borges, capaz de prestar serviços post mortem graças à magia de Vargas Llosa. A Argentina, segundo ele, escapa de todos os “ismos”, com exceção de um. A Argentina é “borgista” e é esta a origem de seus males e a chave de seus mistérios. “Não é mero acaso o fato de o mais notável dos criadores evadidos do mundo real da literatura moderna ter nascido e ter escrito na Argentina, país que manifesta, há décadas, não só na vida literária, mas também na vida social, econômica e política, assim como Borges, uma notória preferência pela irrealidade e uma rejeição cheia de desprezo pela sordidez e mesquinharia do mundo real, da vida possível.”

Quem não tiver compreendido essa genial descoberta, ignora, então, a obscura lógica dos avestruzes que, como os argentinos – dixit Vargas – escondem a cabeça na areia quando chega o furacão. É uma abordagem ainda mais curiosa na medida em que, tratando-se de outros projetos ou situações políticas, tais como a revolução cubana ou sandinista, ou a de Hugo Chávez, na Venezuela, ou de Chiapas, ou de qualquer outro movimento que contesta os dogmas e liturgias da globalização, nosso ilustre pesquisador de fontes oníricas não encontra, nem procura encontrar “as motivações intimistas e difusas”, nem as “predisposições do espírito e da psicologia”, nem a herança explicativa de célebres romancistas desaparecidos. Nesses casos, encontra apenas a oportunidade de exercer seus anátemas contra as ideologias coletivistas, contra os resquícios marxistas e de outras demagogias revolucionárias.
(Trad.: Regina Salgado Campos)

1 - “Por qué? Cómo?”, El País, Madri, 7 de janeiro de 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos