Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


IRÃ

Morte pela seringa na Europa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante do fato social do uso de drogas, a repressão tem seus limites. Os países com práticas mais liberais – como a Holanda – e os mais rigorosos – como a Suécia – apresentam taxas de incidência quase similares”

Cédric Gouverneur - (01/03/2002)

Os viciados têm uma taxa de mortalidade 20 a 30 vezes superior à da média. A heroína matou, por exemplo, 43 ingleses e irlandeses no inverno 2000-2001

Marginalização, criminalidade (23% dos detentos franceses já se drogaram com heroína), doenças infecciosas (20% dos usuários são soropositivos na França), overdoses e envenenamentos (de 7 mil a 8 mil mortes todos os anos na Europa)... Dantesca, a visibilidade social da heroína supera amplamente seu consumo, que é relativamente pequeno. Em seu Relatório 2001, o Observatório Europeu das Drogas e Toxicomanias (OEDT) avalia a proporção de “usuários problemáticos” 1 na União Européia da seguinte maneira: de 5 a 8 em cada 1.000 habitantes, na Grã-Bretanha, Itália e Portugal; de 3 a 5, na França, Espanha e Irlanda; e de 2 a 3, na Alemanha, Holanda e Bélgica.

Os viciados têm uma taxa de mortalidade de 20 a 30 vezes superior à da média. A heroína misturada a produtos tóxicos matou, por exemplo, 43 britânicos e irlandeses durante o inverno 2000-2001. Amplamente divulgados, os malefícios da heroína parecem hoje dissuasivos: o consumo está estagnado ou em baixa na maioria dos países europeus, exceto na Irlanda e na Finlândia – na região de Helsinque, até aumentou em 40% em dois anos.

Luta contra as máfias

Os tratamentos de substituição da heroína pela metadona, por exemplo, parecem eficazes: diminuição da criminalidade, melhoria do estado de saúde etc.

“O homem descobriu primeiro o fogo ou a droga?”, é a pergunta de um recente clip de prevenção produzido pelas autoridades francesas, que apresenta homens das cavernas fumando psicotrópicos. Diante do fato social do uso de drogas, a simples repressão tem seus limites: a OEDT observa que “os países que aplicam práticas mais liberais – como a Holanda – e os que têm uma abordagem mais severa – como a Suécia – apresentam taxas de incidência quase similares”. Por outro lado, os tratamentos de substituição para a heroína, à base de metadona, por exemplo, parecem eficazes: “diminuição da criminalidade, melhoria do estado de saúde, inserção social”, segundo a OEDT.

Vêm sendo feitas experiências de receitas à base de heroína, por médicos da Grã-Bretanha, Holanda, Bélgica, Suíça e Alemanha. Em janeiro de 1997, depois de cinco overdoses mortais num único dia em Bremen (Baixa Saxônia), foram os próprios delegados de polícia de dez metrópoles alemãs que pediram aos poderes públicos a distribuição da droga, a fim de reinserir os viciados, controlar a composição dos produtos e vencer as máfias, suprimindo seu mercado. (Trad.: Regina Salgado Campos)

1 Uso por via intravenosa, ou uso por longo tempo ou regular, de opiáceos, de cocaína e de anfetaminas. Essa definição exclui os consumidores ocasionais, assim como os consumidores de ecstasy e de maconha. O relatório de 2001 da OEDT está disponível no endereço: http://annualreport.emcdda.org




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Holanda
» Suécia
» Drogas Não-Legalizadas

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos