Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Economia: o fantasma da crise externa

» Aos pobres, a xepa

» Por que o Brasil precisa de um Estado gastador

» A empregada de Guedes e a cozinheira de Lênin

» Esquerda e governo: ideias e lições históricas (2)

» Evo: Como reconstruir o Socialismo Comunitário

» Educação Pública: E se Bolsonaro destruir o Fundeb?

» Cinema: quando o vazio é combustível à vida

» Boaventura: o desenvelhecimento do mundo

» Coronavírus: por que a ameaça persiste

Rede Social


Edição francesa


» Apolitisme très politique des journaux municipaux

» La force molle de la social-démocratie

» L'enfance, une espèce en danger ?

» Progrès technologique et régression sociale

» La recolonisation du plus pauvre pays de l'hémisphère occidental

» Taïwan, ou l'indépendance dans le brouillard

» Sur les causes de la pauvreté des nations et des hommes dans le monde contemporain

» La criminalité en « col blanc », ou la continuation des affaires…

» Les manœuvres à l'intérieur du parti de M. McGovern diminuent les chances d'un candidat démocrate

» Un réseau élargi et solidaire


Edição em inglês


» US ideologues in the ascendant?

» US ideologues in the ascendant?

» Rojava, a fragmented territory

» Australia's angriest summer

» February: the longer view

» African national parks managed by African Parks

» Genetic medicine makes the world less fair

» From apartheid to philanthropy

» Who is the land for?

» Belarus, the industrious state


Edição portuguesa


» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?

» Edição de Dezembro de 2019

» Uma fractura social exposta

» «Uma chacina»


IRÃ

Morte pela seringa na Europa

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Diante do fato social do uso de drogas, a repressão tem seus limites. Os países com práticas mais liberais – como a Holanda – e os mais rigorosos – como a Suécia – apresentam taxas de incidência quase similares”

Cédric Gouverneur - (01/03/2002)

Os viciados têm uma taxa de mortalidade 20 a 30 vezes superior à da média. A heroína matou, por exemplo, 43 ingleses e irlandeses no inverno 2000-2001

Marginalização, criminalidade (23% dos detentos franceses já se drogaram com heroína), doenças infecciosas (20% dos usuários são soropositivos na França), overdoses e envenenamentos (de 7 mil a 8 mil mortes todos os anos na Europa)... Dantesca, a visibilidade social da heroína supera amplamente seu consumo, que é relativamente pequeno. Em seu Relatório 2001, o Observatório Europeu das Drogas e Toxicomanias (OEDT) avalia a proporção de “usuários problemáticos” 1 na União Européia da seguinte maneira: de 5 a 8 em cada 1.000 habitantes, na Grã-Bretanha, Itália e Portugal; de 3 a 5, na França, Espanha e Irlanda; e de 2 a 3, na Alemanha, Holanda e Bélgica.

Os viciados têm uma taxa de mortalidade de 20 a 30 vezes superior à da média. A heroína misturada a produtos tóxicos matou, por exemplo, 43 britânicos e irlandeses durante o inverno 2000-2001. Amplamente divulgados, os malefícios da heroína parecem hoje dissuasivos: o consumo está estagnado ou em baixa na maioria dos países europeus, exceto na Irlanda e na Finlândia – na região de Helsinque, até aumentou em 40% em dois anos.

Luta contra as máfias

Os tratamentos de substituição da heroína pela metadona, por exemplo, parecem eficazes: diminuição da criminalidade, melhoria do estado de saúde etc.

“O homem descobriu primeiro o fogo ou a droga?”, é a pergunta de um recente clip de prevenção produzido pelas autoridades francesas, que apresenta homens das cavernas fumando psicotrópicos. Diante do fato social do uso de drogas, a simples repressão tem seus limites: a OEDT observa que “os países que aplicam práticas mais liberais – como a Holanda – e os que têm uma abordagem mais severa – como a Suécia – apresentam taxas de incidência quase similares”. Por outro lado, os tratamentos de substituição para a heroína, à base de metadona, por exemplo, parecem eficazes: “diminuição da criminalidade, melhoria do estado de saúde, inserção social”, segundo a OEDT.

Vêm sendo feitas experiências de receitas à base de heroína, por médicos da Grã-Bretanha, Holanda, Bélgica, Suíça e Alemanha. Em janeiro de 1997, depois de cinco overdoses mortais num único dia em Bremen (Baixa Saxônia), foram os próprios delegados de polícia de dez metrópoles alemãs que pediram aos poderes públicos a distribuição da droga, a fim de reinserir os viciados, controlar a composição dos produtos e vencer as máfias, suprimindo seu mercado. (Trad.: Regina Salgado Campos)

1 Uso por via intravenosa, ou uso por longo tempo ou regular, de opiáceos, de cocaína e de anfetaminas. Essa definição exclui os consumidores ocasionais, assim como os consumidores de ecstasy e de maconha. O relatório de 2001 da OEDT está disponível no endereço: http://annualreport.emcdda.org




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Holanda
» Suécia
» Drogas Não-Legalizadas

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos