Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» 26 de maio de 2022

» Colômbia: como esquerda reavivou esperanças

» Getninjas: o perverso leilão digital de trabalho humano

» Cinema: Em Tantas almas, a contracorrente da guerra suja

» 25 de maio de 2022

» Chacinas: O pacto de sangue na origem das PMs

» A Big Pharma e o relógio do apartheid pandêmico

» Rentismo: o parasita que alimentamos sem saber

» A fome e o colapso da “Revolução Verde”

» 24 de maio de 2022

Rede Social


Edição francesa


» Comment ça marche ? Les structures de fonctionnement de l'OTAN

» L'avancée vers l'est

» Ventes d'armes des États-Unis à leurs partenaires

» Opérations militaires de l'OTAN

» Mario Vargas Llosa, Victor Hugo et « Les Misérables »

» Des médias en tenue camouflée

» Jénine, enquête sur un crime de guerre

» Le monde arabe en ébullition

» Au Proche-Orient, les partis pris de la Maison Blanche

» L'abolition du territoire


Edição em inglês


» France's new vocation

» Lawfare in the Mediterranean

» Lebanon: ‘Preserving the past in hope of building the future'

» May: the longer view

» Fragmented territories

» A clash of memories

» Alsace's toxic time bomb

» The poisonous problem of France's nuclear waste

» Can Medellín change its image?

» Venezuela: a ‘country without a state'


Edição portuguesa


» Morrer em Jenin

» Recortes de Imprensa

» Será a caneta mais poderosa do que a espada?

» A Hipótese Cinema

» Um projecto ecofeminista em Aveiro

» David Bowie em leilão

» Como Pequim absorveu Hong Kong

» Na Colômbia, o garrote Medellín

» Face ao colapso, o Líbano quer preservar a sua memória

» Continua a Inglaterra a ser britânica?


EL SALVADOR

Dez anos de legalidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Até o início da década de 80, existiam em El Salvador várias organizações guerrilheiras. A partir de 1981, unificaram-se na Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN), para saírem da clandestinidade em 1992

(01/03/2002)

12 de novembro de 1989 – Começa a ofensiva da FMLN sobre San Salvador, capital do país. 16 de janeiro de 1992 – Assinatura dos acordos de paz, em Chapultepec (México), entre representantes do governo e da FMLN. 15 de março de 1993 – Relatório da Comissão da Verdade, das Nações Unidas. 20 de março de 1994 – Nas primeiras eleições legislativas realizadas após a guerra civil, a esquerda (da qual, a FMLN era um dos partidos, reunidos na coalizão Convergência Democrática) torna-se a segunda força política de El Salvador. 24 de abril de 1994 – Vitória de Calderón Sol (Arena) nas eleições presidenciais. 16 de março de 1997 – Nas eleições municipais e legislativas, a FMLN conquista 60 prefeituras, entre as quais a de San Salvador, e fica com praticamente o mesmo número de deputados na Assembléia (27) que a Arena (28). 7 de março de 1999 – Francisco Flores (Arena) é eleito presidente. 12 de março de 2000 – A FMLN torna-se a principal força política do país, por ocasião das eleições legislativas (31 cadeiras) e municipais. Hector Silva é reeleito prefeito de San Salvador. 1º de janeiro de 2001 – Dolarização da moeda (colón, que continua em circulação) salvadorenha. 1º de outubro de 2001 – Crise interna na Frente, provocada pela expulsão do partido de um dos principais assessores de Hector Silva, Facundo Guardado, acusado de ter “desgastado a imagem, a credibilidade e a identidade da FMLN”. (Trad.: Jô Amado)




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Guerrilhas
» El Salvador
» América Latina

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos