Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Uma caminhada na cidade dos não-confinados

» O dinheiro que não existia reaparece

» Bolsonaro recuou. Por quê?

» China: as lições da pandemia e o depois

» Brasil: a insanidade vai muito além de Bolsonaro

» Vigilância em tempos de educação à distância

» Todos escrevem ao Presidente

» Mapas do coronavírus: desafios e direções

» Três medidas de emergência contra a crise social

» Shaheen Bagh: muçulmanas contra a xenofobia na Índia

Rede Social


Edição francesa


» Le refus de Sartre

» Une guerre tous azimuts

» Parrain privé, chaîne publique

» « Big Pharma », ou la corruption ordinaire

» Ravages cachés du sous-emploi

» Quand l'OMS épouse la cause des firmes pharmaceutiques

» Les confidences de M. Tietmeyer, architecte de l'euro

» Des services publics garants de l'intérêt général

» La citoyenneté au bord du gouffre

» À nos lecteurs


Edição em inglês


» To our readers

» Bangsamoro: Philippines' new Muslim-majority region

» Artist and filmmaker

» Looking without blinking

» Politics of city diplomacy

» The return of the city-state

» Philippines revives self-rule for Bangsamoro

» Marawi, the Philippines' ruined city

» Impasse in Morocco

» And now get lost, France!


Edição portuguesa


» Edição de Março de 2020

» Um Brexit para nada?

» A precariedade não é só dos precários

» Edição de Fevereiro de 2020

» O que Donald Trump permite…

» As marcas do frio

» Edição de Janeiro de 2020

» Embaraços externos

» De Santiago a Paris, os povos na rua

» Que prioridades para uma governação mais à esquerda?


ESTADOS UNIDOS

Fundos de pensão acentuam desigualdade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

As aposentadorias dos fundos de pensão americanos, que dependem das oscilações do mercado de capitais, contribuíram para estagnação, ou até diminuição, da renda familiar da maioria. Melhoria, só para os 5% mais ricos

Bernard Cassen - (01/04/2002)

É conhecido o triste destino dos funcionários da Enron1, que não somente perderam o emprego, como também a aposentadoria. Acreditaram no discurso de seus chefes (que, por sinal, não aderiram ao fundo de pensão) e, para garantir uma velhice feliz, compraram maciçamente ações da empresa, cujo valor caiu, em um mês, de cerca de 90 dólares para menos de um dólar. Mas, vem sendo repetido, essa seria apenas uma exceção que confirma a regra: os fundos de pensão, desde que controlados (por quem?), constituiriam a melhor garantia – e até a única – para a continuidade e segurança dos regimes de aposentadoria.

Uma vez mais, o exemplo vem dos Estados Unidos. Analisando dois trabalhos universitários sobre o assunto, o jornal International Herald Tribune conclui o seguinte: de 1983 a 1998, ao contrário do que ocorre com a seguridade social e os sistemas que garantem rendas fixas, as aposentadorias pagas pelos fundos de pensão norte-americanos – que dependem das oscilações do mercado de capitais – contribuíram para uma estagnação, e até uma diminuição, da renda familiar, com exceção de 20% das faixas melhor remuneradas (+ 19%) e, principalmente, as 5% melhor remuneradas (+ 176%). Em 1998, por exemplo, 65% das famílias norte-americanas com um chefe de família de 47 a 64 anos dispunham de uma renda igual ou inferior àquela de que dispunha quinze anos antes uma família nas mesmas condições. As rendas familiares de categoria média caíram 13% entre 1983 e 1998. Os fundos de pensão, portanto, exacerbam as desigualdades e “inúmeros norte-americanos irão perceber uma fração menor de sua renda salarial quando se aposentarem2”. (Trad.: Jô Amado)

1Ler, de Tom Frank, “Mil e uma trapaças”, Le Monde diplomatique, fevereiro de 2002. 2International Herald Tribune, Paris, 22 de fevereiro de 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Sociais
» Capitalismo Financeirizado

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos