Jornalismo Crítico | Biblioteca e Edição Brasileira | Copyleft | Contato | Participe! |
Uma iniciativa


» Gilvan, trabalho e sono no capitalismo periférico

» Por um imposto global sobre as transnacionais

» As eleições 2020 na encruzilhada brasileira

» Cinema: Os últimos soldados da Guerra Fria

» A eleição mais árdua de Evo Morales

» Reviravolta no Oriente Médio: os curdos podem resistir

» Atualismo: assim percebemos o tempo no século XXI

» Porto ameaça cartão-postal amazônico

» Banco Mundial, parceiro de maldades de Bolsonaro

» Por que os EUA traíram a guerrilha curda

Rede Social


Edição francesa


» Un journalisme de racolage

» Une Europe des citoyens

» Ces dures grèves des ouvriers américains

» 17 octobre 1961 : rendez-vous avec la barbarie

» La gauche dans son ghetto, la droite à la radio

» Les médias américains délaissent le monde

» Fruits et légumes au goût amer

» La Bolivie dans l'étau du néolibéralisme

» La crise suscite de sérieux remous en Irak et relance la guerre froide en Proche-Orient

» Les rivalités entre Washington, Moscou et Pékin


Edição em inglês


» Iraq's demographic time bomb

» October: the longer view

» Socialism resurgent?

» Power to decide who's guilty

» East Germany's loyal returnees

» Ankara realpolitik

» South Africa's lands must be shared

» Turkey's rival Islamists

» Argentina's unlikely presidential duo

» Reversing the polarities


Edição portuguesa


» A crise catalã nasceu em Madrid

» Quantas divisões há entre os curdos?

» Edição de Outubro de 2019

» Estabilidade para quem?

» Washington contra Pequim

» Edição de Setembro de 2019

» Portugal não pode parar?

» Quem elegeu Ursula von der Leyen?

» Edição de Agosto de 2019

» Plural e vinculado à esquerda


ENSAIO

Simplicidade

Imprimir
enviar por email

Ler Comentários
Compartilhe

Por trás da pretensa complexidade exaltada por alguns intelectuais, o mundo de hoje, na realidade, é bem mais simples: o mundo está, cada dia mais, sendo apropriado por poucos

Serge Halimi - (01/04/2002)

Fusões, aquisições, concentração: um número cada vez menor de empresas controla um número cada vez maior de setores-chave

Tornou-se difícil assistir a um debate sem que um dos participantes, e nem sempre o mais competente, explique, sabiamente: “As coisas são mais complexas”. Tal apelação à complexidade sugeriria, mesmo nos dias atuais, uma indiscutível superioridade intelectual. Ainda que, nos dias de hoje, as coisas sejam, às vezes, bem mais simples do que antes...

Um exemplo: o poder econômico. As “redes” – é o que nos explicam – teriam se emaranhado, e a velha dominação do capital teria sido liquidada pelos “contra-poderes”, pelos cidadãos, pelos meios de comunicação; uma forma de não-hegemonia, apenas ligeiramente assimétrica, estaria orientando nossa existência. Devido aos méritos do “pós-fordismo”, teriam, portanto, acabado os cartéis que tudo controlavam. Será?

Fusões, aquisições, concentração: um número cada vez menor de empresas controla um número cada vez maior de setores-chave. Em algumas áreas (telecomunicações, pesquisa petrolífera, indústria farmacêutica), a enormidade de investimentos necessários como “cacife de entrada” incentiva essa evolução. Mas nem sempre: se são quatro os protagonistas que dominam o petróleo (Exxon, Shell, BP e TotalFina Elf), são apenas dois, Nike e Adidas, os que dominam os calçados, um setor a priori menos exigente em capital investido1.

Concentração espetacular

Nos Estados Unidos, a legislação destinada a concentração está em vias de voar em estilhaços, sob a pressão dos lobbies da defesa, da informática e das telecomunicações

Nos Estados Unidos, o fenômeno da concentração é ainda mais espetacular porque a legislação destinada a coibir essa prática está em vias de voar em estilhaços, sob a pressão dos diversos lobbies da defesa, da informática e das telecomunicações. Vinte anos atrás, alguns milhares de operadoras dividiam o mercado da televisão a cabo, enquanto atualmente apenas três detêm 65% do total; em 1990, três editoras controlavam 35% do faturamento de livros didáticos, enquanto hoje essas mesmas três editoras abocanham 62% do mercado; em 1993, doze grandes empresas atendiam às necessidades fundamentais do exército norte-americano, enquanto agora são cinco; em 1996, oito grandes empresas de telefonia concorriam entre si, enquanto hoje são somente quatro2.

E não se poderia esquecer o custo que significam esses oligopólios para o “consumidor”, que aliás é sempre exaltado. Tomando por base a desregulamentação da televisão a cabo e sua “consolidação”, em 1996, as tarifas pagas pelo cliente aumentaram três vezes mais rapidamente que o índice da inflação. Quanto ao livro didático, aumentou 65% em dez anos, ou seja, cinco vezes mais que o índice de preços ao consumidor. O último Relatório Econômico apresentado ao presidente Bush, no entanto, concluía que são “poucas as provas” de que a concentração ocorrida durante as duas últimas décadas tenha “prejudicado a concorrência”. Concorrência em nome da qual se destroem os serviços públicos por toda parte.

Também aí, as coisas, no fundo, são bastante simples. (Trad.: Jô Amado)

1Boletim informativo do Observatório das Transnacionais, 18 de fevereiro de 2002. Veja o site http://www.transnationale.org 2 “Oligopolies Are on the Rise, As the Urge to Merge Grows”, The Wall Street Journal, Nova York, 25 de fevereiro de 2002.




Fórum

Leia os comentários sobre este texto / Comente você também

BUSCA

» por tema
» por país
» por autor
» no diplô Brasil

BOLETIM

Clique aqui para receber as atualizações do site.

Leia mais sobre

» Desigualdades Internacionais
» Teorias do Fim da História e da Impotência Social
» Globalização
» Intelectuais

Destaques

» O planeta reage aos desertos verdes
» Escola Livre de Comunicação Compartilhada
» Armas nucleares: da hipocrisia à alternativa
» Dossiê ACTA: para desvendar a ameaça ao conhecimento livre
» Do "Le Monde Diplomatique" a "Outras Palavras"
» Teoria Geral da Relatividade, 94 anos
» Para compreender a encruzilhada cubana
» Israel: por trás da radicalização, um país militarizado
» A “América profunda” está de volta
» Finanças: sem luz no fim do túnel
Mais textos